PERGUNTE AO URSINHO – Fabrício Carpinejar

Portal Raízes

Texto de Fabrício Carpinejar

Só o ursinho de pelúcia sabe o que a menina de dez anos de São Mateus, no Espírito Santo, sofreu. Mais ninguém. Nem família. Nem Ministério Público. Nem médicos. Nem policiais. Nem especialistas. Nem opinião pública.

Só o ursinho testemunhou o horror e ficou do seu lado, sem julgar. Entendendo que ela é a única vítima de uma história cruel, que é uma criança indefesa, que não desfruta de condições de absorver o que aconteceu.

Só o ursinho teve a capacidade de escutá-la, consolá-la, secar as suas lágrimas, carregá-la dali para o faz-de-conta.

O ursinho não é o seu filho imaginário, mais parece o seu pai, o seu colo, a sua fortaleza, o seu quarto fechado, o seu sonho resguardado de ladrões e intrusos.

O ursinho é a sua infância feliz, o que restou de sua infância em meio à maldade e perversão dos adultos.

O ursinho é o seu travesseiro de dia, o seu cobertor de rosto, o seu cheiro de proteção, o seu esconderijo da tristeza, a ingenuidade que ainda tem para brincar.

Ela confia no ursinho, perdeu a fé nas pessoas.

O ursinho é a sua solitária esperança, o seu diário, em quem ainda consegue acreditar.

Ela contou ao ursinho que foi abusada pelo seu tio durante quatro anos e engravidou do estupro. Podia falar apenas com ele, tamanho o desamparo. O agressor a ameaçava de morte se rompesse o silêncio.

Ela só tem o ursinho na vida, mais ninguém. Aperta o urso no peito para o coração não explodir.

Texto de Fabrício Carpinejar

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.