Surgiu uma notícia na mídia afirmando que Steve Jobs proibiu seus filhos de usar algumas das suas grandes criações, tais como o iPad e o iPhone.

A pergunta que muitas pessoas – especialmente aquelas fieis à marca – se fizeram na hora em que a noticia repercutiu foi: “Por quê?” Ou melhor dizendo “qual foi o motivo que levou Steve Jobs a afastar seus filhos dessas ferramentas tecnológicas?”

Graças à entrevista que Nick Bilton, jornalista e colaborador do jornal The New York Times, teve a oportunidade de realizar em 2010 com o cérebro da potente companhia, podemos saber a resposta. “Seus filhos devem adorar o iPad, não é verdade?”, apontou Bilton. A resposta de Steve Jobs foi “Não o usaram; nós limitamos a quantidade de tecnologia que as crianças podem usar em casa”.

 

O motivo pelo qual os filhos de Steve Jobs não usavam o iPad

É possível tirar um dado bastante importante da sua resposta, podemos chegar a conclusão de que a pessoa criadora de boa parte da tecnologia mais popular do mundo é uma das poucas que pode enxergar os perigos do seu uso constante. Um fato que dá o que pensar e que merece o nosso tempo de reflexão.

Talvez pudéssemos imaginar que o lar de Jobs seria um paraíso tecnológico, cheio de telas táteis e sensores, no qual cada membro da família aproveitaria o seu iPhone e o seu iPad particular. Porém, sabemos que a vida não corre assim por lá.

Um outro dado curioso e estarrecedor para aquelas pessoas que abusam da tecnologia é que um grande numero de líderes das empresas mais renomadas de Silicon Valley limitam o tempo que os seus filhos gastam frente às telas de um computador, telefone ou tablet. Logo, Jobs não era nada esquisito neste sentido, pelo menos dentro do seu entorno.

O abuso da tecnologia pode criar dependência

Um exemplo que ilustra isto é o caso de Chris Anderson, diretor da empresa 3D Robotics, criador de “drones” que confessou ter experimentado e vivido “em primeira mão os perigos da tecnologia”. Graças a isso, ele restringe o acesso que os seus filhos tem a ela. “Eu o vivi e não quero que meus filhos vivam o mesmo” também compartilhava Anderson na entrevista.

Um dos criadores do Twitter, Ewan Williams, confessa preferir que seus filhos de desenvolvam junto a livros em vez de iPads. Dada a crença de Williams, ele e a sua esposa Sara compram centenas de livros impressos que possam interessar a seus filhos, colocando-os pela casa toda.

Já é um fato comprovado e empírico que o abuso da tecnologia pode levar algumas pessoas a se tornarem dependentes dos dispositivos eletrônicos ou a toparem com conteúdo negativo e violento. É curioso, dentro desse tema, como nós mesmos evoluímos socialmente: agora em vez da TV os pais usam estas engenhocas para distrair as crianças, e os iPads se encarregam de educar.

Texto de  Paula Costa via A Mente é Maravilhosa

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.