E enquanto cada um de nós segue em sua própria maneira e em seu próprio tempo de ressignificação de fase ruim, uma verdade é quase universal: todos nós enfrentamos esse desafio em algum momento de nossas vidas. Uma coisa em que não estamos sozinhos, é a nossa capacidade de seguir em frente apesar de tudo. É o instinto de sobrevivência clamando por pulsões de vida. Entretanto, seguir em frente também significa deixar algo para trás. E então temos que enfrentar a mais difícil de todas as decisões: dar o primeiro passo adiante.

Não importa quantas pessoas tenham passado por esse caminho antes de nós, o momento difícil que estamos vivendo é provavelmente um lugar doloroso para se estar. Uma das melhores maneiras de lidar com a realidade dessa dor é enfrentá-la com compaixão. Negar o sentimento ou ficar ruminando as angústias, não nos oferece a liberdade de que precisamos para seguir em frente. Em vez disso, podemos mostrar a nós mesmos a gentileza e o tratamento que daríamos a um amigo – um reconhecimento do que sentimos emparelhado com a verificação da realidade de que passará.

Claro, cada pessoa é única, assim como suas escolhas. O objetivo dessa reflexão é simplesmente enfatizar que a cura pode levar tempo. Devemos tentar manter uma abordagem paciente e gentil com cada etapa desse processo de seguir adiante apesar de todo sofrimento, apesar de toda perda, apesar de toda dor, apesar da idade, apesar tudo… Lembre-se: a pior coisa a se fazer por você, é fazer nada. Então comece agora mesmo a dar o primeiro meio passo em direção a seu respeito, amor e cuidado próprio.

Da redação de Portal Raízes. Título inspirado na reflexão de Ana Maria Braga. Confira no vídeo abaixo.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.