É claro que a gente quer acessar as redes sociais e ver coisas bonitas, interessantes e divertidas. Coisas que nos faz esquecer de nossa própria realidade, tantas vezes, dolorida demais. E a gente mergulha de cabeça nessa coisa toda globalizada e repleta de ferramentais de servidão voluntária, muito bem elaboradas em seu processo de manter a gente ocupada com o supérfluo para não termos tempo de questionar o mundo. E enfim, quando a gente se dá conta, também está tirando fotos do café manhã, mas não sem antes preparar todo um cenário que nos releve ao pico das pessoas felizes (?). Assim, a gente vai rolando no feed de outras gentes que acreditarão que o segredo da felicidade é se mostrar feliz.

Vamos aos questionamentos de 1 milhão de dólares: A mídia social é realmente um vício que faz com que os indivíduos se desconectem presencialmente, contribuindo assim para o seu acrisolamento e depressão, ou é uma ferramenta vital que pode nos conectar uns aos outros e abrir novas perspectivas para nos conectarmos? Ou ainda, será que o segredo para manter a felicidade é mantê-la em segredo?

A maioria das pessoas entende que nosso ambiente e as pessoas com quem nos cercamos podem alterar nossa percepção de como vemos o mundo. Se nos associarmos com aqueles que fazem da reclamação um emprego em tempo integral, vivermos como se fossem sempre vítimas e permitirmos que seu ego e suas inseguranças governem seu mundo, eventualmente adaptaremos esses comportamentos.

Mas tendemos a tratar as mídias sociais menos sérias e conscientemente. Parece tão inofensivo e insignificante – você adiciona todos os conhecidos que já conheceu: amigos do ensino médio com os quais você não tem intenção de interagir, os primos que parecem estar sempre vivendo em crise ou amigos cujas postagens apresentam falsas impressões de uma vida perfeita. Então, propositalmente escolhemos obter atualizações regulares sobre essas ilusões.

Quando você rola diariamente o seu feed de notícias, como a maioria das pessoas, você está se comprometendo com aquele conteúdo constante. Por mais cautelosos que sejamos, tendemos a ser liberais quanto aos conteúdos e pessoas que seguimos, e/ou aceitamos amizade, nas redes sociais. Afinal, a gente pensa, não é real. Pense no seu feed de notícias e responda a estas perguntas:

  • Quanto da sua lista de amigos/seguidores/feed de notícias são pessoas que você adicionou sem critério de seleção?
  • Quantas delas são pessoas que te inspiram?
  • Quantos adicionam novas possibilidades ao seu mundo?
  • Quantos acionam sua imaginação ou criatividade?
  • Quantos te ensinam algo novo cada vez que postam?
  • Quantos compartilham uma história incrível?

Refletir sobre essas questões pode trazer um novo nível de consciência. Vale a pena uma investigação mais profunda porque a mídia social é uma ferramenta poderosa que não veio com um manual de instruções. Ninguém nos ensinou as “melhores maneiras de usá-lo” antes de se tornar um hábito diário.

Agora é hora de repensar isso. As redes sociais fazem parte dos hábitos diários da maioria das pessoas. A maioria das pessoas opta por usar a mídia social porque é onde está o resto do mundo, ou não usar a mídia social porque está nos desconectando uns dos outros e levando à depressão.

Pode existir uma terceira opção: mantenha o hábito, mas o ajuste ao que dá para melhorar sua vida. Então, como podemos transformar isso na ferramenta mais poderosa que você pode usar para mudar sua vida? A resposta é limpá-lo e reconstruí-lo para atendê-lo.

Aqui estão etapas de uma atualização:

1 – Primeiro, limpeza de primavera

Pense nos passos que você dá durante uma limpeza profunda de primavera; é um processo, né? O meu é assim: primeiro, eu passo e jogo fora todo o lixo que acumulei; então, eu joguei fora as coisas que comprei com intenção na época, MAS, em retrospecto, foi baseado em um padrão antigo – não porque eu realmente quisesse ou precisava. Em seguida, passo para esfregar, limpar, varrer e, finalmente, quando estiver limpo, limpo as bancadas restantes e espano tudo para fazê-lo brilhar.

O processo de limpeza das redes sociais é muito semelhante.

NOTA: Trata-se de tornar sua vida melhor, não de provar um ponto a ninguém . Cancele a amizade se você não tiver conexão com a pessoa, mas também use “unfollow” livremente se for um amigo, colega ou membro da família – eles nunca saberão que você não está mais recebendo suas atualizações).

2 – Elimine TÓXICO

Revise sua lista e deixe de seguir qualquer um que seja tóxico. Eles são fáceis de detectar; são os que sempre são negativos, reclamam, são rudes ou tentam enfiar suas opiniões não solicitadas goela abaixo de todos.

Use esta pergunta de filtro mental: “As postagens dessa pessoa desencadeiam uma emoção negativa ou desencadeiam um comportamento dentro de mim que eu não quero sentir, como fofocar ou julgar?”.

3 – Elimine INÚTIL

Percorra e desfaça a amizade ou deixe de seguir qualquer pessoa com quem você não interaja há mais de cinco anos e não tenha intenção de fazê-lo no futuro. Essas são pessoas que você passa por cima porque suas postagens não agregam valor e, para ser franco, você realmente não se importa (ninguém precisa conhecer essa parte). Lembre-se, você só tem tanta largura de banda e energia – isso vale o seu tempo?

Exemplos comuns:

  • Sites populares que funcionam para obter um “clique” não agregam valor – esses títulos sempre o agarram, mas os artigos são inúteis
  • Velhos conhecidos da escola/faculdade
  • Colaboradores de trânsito
  • Aquela pessoa que você conheceu naquela festa, e você tem uma conversa, e agora você está assistindo as fotos da “vida diária”.

Use esta pergunta de filtro mental: “Eu vou fazer alguma coisa com as informações desta pessoa ou deste site?”

4 – Elimine PADRÕES ANTIGOS

Agora vá até sua lista de mídia social e desfaça a amizade ou deixe de seguir qualquer pessoa que contribua para o padrão que você gostaria de quebrar.

Exemplos comuns disso:

Sua vida mudou drasticamente e você não deseja ver as atualizações do partido.
agitação gloriosa – quando você quer ser feliz e exatamente onde você quer estar.
(Isso inclui aqueles que você ainda considera amigos. Lembre-se: você pode deixar de seguir sem que eles saibam que você não está vendo as atualizações deles.)

Use esta pergunta de filtro mental: “Era alguém que costumava me trazer valor para minha vida, mas agora, não tenho interesse”. (Não se preocupe… você sempre pode mudar de ideia).

5 – Elimine tudo o que faz você se sentir INSUFICIENTE

Este é o mais difícil – depois de uma década usando a mídia social sem esse filtro mental, estamos condicionados a pensar que é normal receber aquele leve “soco no estômago” de inadequação toda vez que rolamos.

Adivinha. . . . Você pode escolher uma nova maneira de fazê-lo. Você está no controle. Você decide se quer se sentir “insuficiente” cada vez que estiver rolando o feed. O seu feed pode ser um lembrete constante de como a vida é incrível.

Há uma ENORME diferença entre inspiração e causar sofrimento emocional e não sentir que você é bom o suficiente. O que é inspirador para alguns, pode não ser para outros, e você se torna o guardião.

Deixe de seguir todos os sites de notícias, influenciadores e pessoas que fazem você se sentir insuficiente. E, em vez disso, você encontra pessoas que o apoiam enquanto o inspiram. (Esse é o próximo passo.)

Abandone o que faz você pensar que está constantemente com baixo desempenho. Estilo de vida/moda e maquiagem: tutoriais são uma ferramenta incrível, mas assistir a versões filtradas de como você “deveria ser” pode eventualmente fazer você se sentir inadequado. Você sempre pode procurar um tutorial. Não precisa ser top of mind.
Estilo de vida de luxo: Isso pode ser ótimo, ou pode ser doloroso. Seja honesto consigo mesmo agora. Você sempre pode mudar de ideia. Nenhum deles é absoluto e há muitos outros tópicos. É uma decisão pessoal. Basta realizar uma verificação do intestino e ser honesto consigo mesmo.

Não há uma boa razão para injetar intencionalmente autojulgamento, vergonha, culpa e insegurança em sua vida. A experiência humana já é difícil o suficiente para navegar.

Use esses filtros mentais:

1. “Isso me faz jogar o jogo de comparação que continuo perdendo?”

2. “Isso está me fazendo sentir que não estou fazendo o suficiente, criando um medo de perder ou não ser bonita o suficiente, não estar na moda o suficiente, não ganhar dinheiro suficiente, não estar em forma o suficiente, não ter amigos suficiente, preciso “fazer mais” ou me fazer sentir como se estivesse perdendo na vida?

Não se assuste se depois de fazer essas reflexões e tirar o lixo que você acompanha, a sua lista de amizade cair de 1000 para 200.

Reconstrua seu feed conscientemente

Essa parte é muito divertida. Depois de limpar todo o ruído, você tem TONELADAS de espaço e largura de banda para adicionar novas coisas, mas pense nisso com cuidado.

O que você gostaria de ter mais em sua vida? Isso pode ser qualquer coisa.

  • Quais hábitos você quer lembrar diariamente? Positividade? Gentileza? Estilo de vida saudável?
  • No que você quer melhorar?
  • O que você quer aprender?
  • O que te faz apreciar a vida?
  • O que te faz ver a beleza do mundo e da humanidade?

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.