Essa ilustração é sua? Por favor entre em contato.

Síndrome do Desgaste por Empatia: Quando a dor dos outros nos supera

Portal Raízes

“Eu não pergunto à pessoa ferida como ela se sente, eu mesmo me torno a pessoa ferida”, escreveu Walt Whitman. Sem dúvida, a empatia é uma qualidade essencial para poder relacionar-se assertivamente com aqueles que nos rodeiam. Ser capaz de nos colocar no lugar do outro e experimentar seus sentimentos nos permite entender sua situação e ajudá-los da melhor maneira possível. No entanto, ser excessivamente empático também é uma faca de dois gumes e podemos acabar pagando caro, sofrendo o que é conhecido como Síndrome do Desgaste por Empatia.

O que é o desgaste por empatia?

Não é suficiente entender o que é empatia , é necessário dissecá-la. De fato, existem diferentes tipos de empatia. Empatia cognitiva é aquela em que apenas adotamos a perspectiva do outro e entendemos seus pontos de vista de uma maneira puramente intelectual. Há também a preocupação empática, que implica a capacidade de compreender e experimentar os estados emocionais dos outros, mostrar uma preocupação autêntica e ser capaz de ajudá-los sem pôr em risco nosso equilíbrio psicológico.

Finalmente, há uma empatia que pode ser descrita como um simples contágio emocional e que gera uma grande dose de sofrimento pessoal. Nesse caso, nos infectamos com as emoções dos outros, mas não somos capazes de nos proteger, então acabamos sofrendo com eles, devastados por essas emoções.

Preocupar-se excessivamente com a dor emocional dos outros sem ter as ferramentas psicológicas para lidar com essa situação acaba gerando desgaste através da empatia, também conhecida como fadiga da compaixão.

Esse termo foi proposto pelo psicólogo Charles Figley para se referir àqueles que experimentam fadiga profunda como resultado de terem ajudado pessoas que passaram por situações difíceis ou traumáticas. Na prática, é devido a um intenso desejo de acalmar a dor ou resolver o problema da pessoa que sofre, sem poder administrar a dor que ela causa.

Ao contrário da Síndrome de Burnout, que se desenvolve gradualmente, geralmente como resultado da exaustão emocional, a síndrome do desgaste por empatia surge subitamente, pode aparecer após um único encontro com a pessoa que sofre. Além disso, a Síndrome de Burnout tende a quebrar as aspirações, sonhos e desejos do sofredor, gerando sentimentos de decepção e frustração, afetando o sentimento de realização pessoal.

Quem tem maior probabilidade de sofrer da síndrome do desgaste por empatia?

Naturalmente, a Síndrome do Desgaste por Empatia é mais comum entre os profissionais que estão em contato direto com as pessoas que precisam de ajuda, tais como psicólogos, psiquiatras, assistentes sociais e pessoal médico ou de resgate. No entanto, qualquer um pode ser vítima do desgaste por compaixão.

Um estudo realizado na Universidad Adventista del Plata revelou que o desgaste pela empatia está ligado à atenção emocional e ao reparo emocional. Atenção emocional refere-se à capacidade de prestar atenção às emoções e humores dos outros. Na prática, as pessoas que sofrem da síndrome de desgaste por empatia prestam muita atenção às emoções, ficando presas em suas redes.

De fato, esta síndrome também tem sido associado à má reparação emocional; que se refere à capacidade de implementar planos de ação que nos permitem regular nossos humores, como o simples fato de tomar uma distância psicológica para proteger nosso equilíbrio emocional.

Pessoas que prestam mais atenção às suas emoções relataram níveis mais elevados de ansiedade em resposta a maioria das situações da vida cotidiana e muitas vezes usam estratégias de enfrentamento mal-adaptativos focados na prevenção, ruminação, supressão de pensamento e autoculpabilidade.

Portanto, se você é uma pessoa emocionalmente sensível, mas você é incapaz de implementar estratégias que permitem que você repare essas feridas, é provavél que acabe tendo a Síndrome de Desgaste por Empatia.

Sintomas do desgaste por empatia

1. Reexperimentação

A pessoa revive as experiências traumáticas que os outros vivenciaram, seja através de flashbacks, durante seus sonhos ou simplesmente ruminando durante o dia. O primeiro sinal de alarme é que você não pode tirar essa situação da cabeça e descobre que pensa nela mais do que o habitual, o que significa que ela permaneceu como um foco ativo em seu cérebro.

2. Embotamento afetivo e evitação.

O sofrimento acumulado que não é gerenciado corretamente pode acabar fazendo com que você se desconecte completamente da situação. Na prática, quando sua mente está saturada e atinge o ponto onde ela não pode mais assimilar tanta dor e sofrimento, ela se distancia emocionalmente da realidade. Como resultado, você sente irritabilidade, frustração e sentimentos de desconexão emocional, como se tudo fosse estranho, o que acaba afetando a capacidade de apreciar e se relacionar com as pessoas.

3. Hiperatividade

A longo prazo, a Síndrome de Desgaste por Empatia não só gera fadiga, mas também ansiedade. Se isso acontecer com você, é provável que você entre em um estado de hiperexcitação nervosa, que causa dificuldade para dormir, problemas de concentração e exaltação extrema antes de pequenos estímulos e até mesmo ataques de pânico.

Como evitar o desgaste por compaixão?

  • Desconectar, dedicar tempo às atividades de lazer irá ajudá-lo a proteger seu equilíbrio emocional, pois dessa forma você não acumulará estresse, frustração e preocupações desnecessárias.
  • Pratique meditação ou técnicas de relaxamento que permitam “recarregar” sua bateria emocional e estimular um estado de paz interior. Lembre-se de que, quando há calma no interior, as tempestades externas não nos afetam.
  • Aprenda a desenvolver uma distância psicológica dos problemas, tanto dos seus quanto dos outros, o que não significa ser frio e egoísta, mas assuma uma atitude que lhe permite lidar com situações da melhor maneira possível.
  • Desenvolva a sua inteligência emocional, aprenda a identificar situações que geram estresse e desconforto e aplique estratégias de enfrentamento para ajudá-lo a deixar ir as emoções que podem prejudicá-lo.

Fontes:

  • Alecsiuk, B. (2015) Inteligência Emocional e desgaste pór Empatia em Terapeutas. Revista Argentina de Psicologia Clínica ; 24: 43-56.
  • Mestre-Escrivá, V., Frías Navarro, MD e Samper-García, P. (2004) A medida da empatia: análise do Índice de Reatividade Interpessoal. Psicothema ; 16 (2): 255-260.
  • Figley, CR (1995) Fadiga da Compaixão: Lidar com o transtorno de estresse traumático secundário naqueles que tratam os traumatizados. Nova York: Brunner / Mazel Publishers.

Texto de Ríncon de La Psicología, traduzido e adaptado por Portal Raízes

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Portal Raízes
Portal Raízes Jornalismo Cultural

COMENTÁRIOS