Personalidade Borderline, a dolorosa síndrome do coração descontrolado

Portal Raízes

O Transtorno de Personalidade Borderline (TPB) pode estar entre os mais estigmatizados dos transtornos mentais. Os “borders” são pessoas que apresentam emoções extremas e, muitas vezes, nocivas a ele mesmo e/ou aos outros. O TPB é o mais doloroso de todos os transtornos. 

Conhecida pela sigla TPB ou por síndrome de borderline, os borders costumam ser confundidos com bipolares e portadores de TDAH – Transtorno de atenção/hiperatividade.

O TPB é caracterizado por humor, autoimagem, processos de pensamento e relacionamentos pessoais voláteis.  Quando incapazes de regular suas emoções, borderlines tendem a se envolver em comportamentos descontrolados, imprudentes e fora de controle, como relações sexuais perigosas, abuso de drogas, jogos de azar, gastos excessivos ou comer compulsivo. Uma característica proeminente do TPB é a incapacidade de regular o humor, que é muitas vezes referida como desregulação do humor.

Os sintomas incluem oscilações de humor rápidas, com períodos de desespero intenso e irritabilidade e/ou apreensão, que podem durar de algumas horas a alguns dias. Indivíduos com Transtorno da Personalidade Borderline (TPB) ficam sobrecarregados e incapacitados pela intensidade de suas emoções, seja alegria e euforia ou depressão, ansiedade e raiva. Eles são incapazes de gerenciar essas emoções intensas. Quando perturbados, experimentam uma enxurrada de emoções, processos de pensamento distorcidos e perigosos, e mudanças de humor destrutivas que ameaçam a segurança dos outros, assim como de si mesmos.

Sua abordagem de amor/ódio nos relacionamentos é um processo inteiramente narcisista, já que a direção do relacionamento é sempre determinada pelos sentimentos do borderline em um certo momento. Mas, ao contrário de alguém com um Transtorno da Personalidade Narcisista, uma pessoa com TPB tem capacidade e disposição de ser genuinamente empático, sensível, generoso e altruísta. No entanto, esses atributos positivos não estão isentos de condições; quando o borderline explode com raiva vingativa, tudo o que eles disseram ou deram aos seus amados pode ser retirado em um único surto de agressão.

A vida nos extremos: amor/ódio

Os borderlines experimentam o mundo em extremos: preto e branco ou tudo ou nada. Quando estão felizes, o mundo é um lugar lindo e perfeito. A alegria que eles experimentam é tão perfeita quanto a alegria de qualquer pessoa. Por outro lado, eles experimentam inconscientemente uma raiva imprudente, paranoia e sentimentos de desesperança quando percebem que estão sendo rejeitados ou abandonados.

Seu mergulho em uma fúria tórrida e incontrolável os leva a prejudicar a si mesmos ou aos outros. Em circunstâncias extremas de depressão, agitação ou fúria, a pessoa com TPB pode se comportar de maneira violenta e letal – em relação a si mesma e/ou aos outros.

As pessoas com TPB são cronicamente inseguras em suas vidas, seja com sua família, relações pessoais, trabalho ou futuras aspirações. Eles também experimentam pensamentos e sentimentos incertos e inseguros sobre sua autoimagem, objetivos de longo prazo, amizades e valores. Frequentemente sofrem de tédio crônico ou sentimentos de vazio. Essas pessoas normalmente não pretendem causar danos a ninguém, nem a si mesmas, mas suas explosões emocionais inconscientes criam uma forma de insanidade temporária.

Durante os momentos de um colapso emocional completo, os processos de pensamento, a percepção do estado emocional e a capacidade de tomar decisões sensatas e racionais ficam gravemente prejudicados. Eles colocarão a si mesmos e a seus entes queridos em perigo por causa de uma onda irracional e incontrolável de ódio, fúria ou paranoia. Isso não se deve à falta de amor, mas porque, naquele momento, eles foram levados a experimentar a ira e a raiva ligadas a memórias reprimidas de sua infância abusiva, negligente e traumática.

As pessoas com TPB raramente são capazes de manter relacionamentos estáveis de longo prazo. Seus relacionamentos amorosos começam rapidamente, intensamente e com muita excitação, euforia e química sexual. Suas emoções voláteis se movem em uma de duas direções: amor e adoração ou ódio e destruição. Como essa pessoa teve pouca ou nenhuma experiência com relacionamentos saudáveis, os sentimentos eufóricos de “amor perfeito” que ocorrem no início do relacionamento não são realistas nem duradouros. Esta experiência inicial de amor eufórico é transitória, pois sua fragilidade psicológica os leva a um eventual colapso emocional.

Essa abordagem em preto e branco de seus romances cria um efeito gangorra de comportamento extremo. Ou eles cobrem seus parceiros de amor e bondade, ou se enfurecem contra eles com aversão e violência. Seu processamento dos relacionamentos em termos de amor/ódio coloca um fardo impossível sobre o parceiro.

Abandono: o problema central

Frequentemente, os indivíduos diagnosticados com TPB estão preocupados com o abandono real ou imaginário, que tentam freneticamente evitar. A percepção de uma iminente separação ou rejeição pode levar a mudanças profundas na maneira como pensam sobre si mesmos e sobre os outros, bem como afeta sua estabilidade e comportamento emocional. Seja real ou imaginário, qualquer lembrete de abandono faz com que eles ataquem seu parceiro romântico com raiva e hostilidade agressiva. Um comentário equivocado, uma discordância amigável ou uma expressão percebida como desapontadora pode rapidamente transformar seus sentimentos amorosos em relação à sua “alma gêmea” em uma retaliação furiosa contra um inimigo.

Trecho de The Human Magnet Syndrome: The Codependent Narcissist Trap (2018) Borderline Personality Disorder. Texto de Ross Rosenberg –  psicoterapeuta, palestrante internacional e escritor

Bibliografia

  • Kulkarni, J. (2015). “Borderline Personality Disorder is a Hurtful Label for Real Suffering—Time We Changed It.” Retrieved from: https://theconversation.com/borderline-personality-disorder-is-a-hurtful-label- for-real-suffering-time-we-changed-it-41760
  • Porr, V. (2001). “How Advocacy is Bringing Borderline Personality Disorder into the Light: Advocacy Issues.” Retrieved from: http://www.tara4bpd.org/ how-advocacy-is-bringing-borderline-personality-disorder-into-the-light/ (on December 4, 2012)
  • Rosenberg, R (2013). “The Human Magnet Syndrome: Why We Love People Who Hurt Us.” Eau Claire,WI: PESI
  • Rosenberg, R (2018). “The Human Magnet Syndrome: The Codependent Narcissist Trap.” New York, NY: Morgan James Publishing

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.