O seu jeito de andar revela quem é você e se você é feliz

Portal Raízes

Uma pesquisa publicada no Journal of Behavior Therapy and Experimental Psychiatry afirma que para se sentir feliz, basta caminhar como uma pessoa alegre. Durante o experimento, uma série de pessoas foi testada para saber se estufar o peito e balançar os braços realmente traz mais felicidade do que passos pesados e olhares cabisbaixos.

No estudo, o grupo teve de caminhar durante 15 minutos em uma esteira enquanto alguns fatores eram analisados. Os participantes foram acompanhados por câmeras com sensores de movimento. Na frente da esteira, uma tela mostrava as ações de um medidor – que pendia à esquerda quando caminhavam “deprimidos” e à direita quando “felizes”.

À medida que os minutos se passavam, a equipe de pesquisadores pedia para que as pessoas tentassem jogar o medidor para a esquerda ou para a direita. Só que antes de começarem o teste físico, os convidados tiveram que ler uma lista de palavras positivas e negativas.

Depois da caminhada, os participantes tiveram que escrever as palavras que lembravam. O resultado mostrou que quem caminhava de maneira mais triste (seguindo a lógica da pesquisa) conseguiu lembrar mais palavras tristes; e aqueles que andaram felizes se lembraram de mais palavras positivas.

Para os pesquisadores, essa lógica está alinhada a de outros trabalhos publicados sobre o tema. Segundo tais pesquisas, andar como um líder pode aumentar as chances de se tornar um; e segurar uma caneta com os lábios pode aumentar a vontade de sorrir. Então não custa nada andar mais “animado” por aí. Vai que contagia.

A linguagem corporal pode refletir o caráter de uma pessoa

A maneira como você anda pode falar muito sobre você, de acordo com Patti Wood , especialista em linguagem corporal, autora de Snap: Tirando o Máximo das Primeiras Impressões , e Eliot Hoppe , instrutor de comunicação e autor. Embora fatores culturais e ambientais possam pesar, eles acreditam que a linguagem corporal de uma pessoa pode refletir o humor, as emoções e até mesmo a personalidade.

“A linguagem corporal transmite a verdadeira emoção de como você se sente”, diz Hoppe. “E muitos desses movimentos são inconscientes. Estamos absolutamente inconscientes de que estamos fazendo isso. Nós não estamos cientes de que estamos andando um pouco mais devagar do que o normal, não temos consciência de que nossos ombros estão caídos … “

Então sente-se e observe. Tente visualizar objetivamente os hábitos de seus cascos e veja se você pode modificar a forma como se apresenta ao mundo. Se você fizer isso, você também pode achar que a maneira como você anda pode afetar seu humor, de acordo com Wood.

“Porque seu corpo responde tão rapidamente ao movimento e até muda o estado químico dentro do cérebro … (você pode) mudar a maneira como está se sentindo”, diz ela

A linguagem corporal pode refletir o caráter de uma pessoa, Wood encontrou em sua pesquisa. Ela acredita que passeios diferentes podem se encaixar no perfil de personalidade do disco: os motoristas (que demonstram domínio) andam rapidamente com a intenção e não gostam de parar quando sabem para onde estão indo; os influenciadores geralmente agem emocionalmente, mudando de direção com frequência; adeptos que demonstram firmeza andam educadamente com os braços perto do corpo e podem parar para falar com os outros; pessoas cautelosas, que Wood chama de “corretores”, andam com precisão e seguem as regras de trânsito.

Como você caminha?

  1. Na sua própria velocidade:

Você só caminha ou só corre? Você para e cheira uma ou duas flores que surgem pelo caminho? Seu ritmo pode mostrar seu estado de espírito, diz Hoppe.

“Quanto mais lenta a caminhada, mais o diálogo interno, como regra geral. E quanto mais rápida a caminhada, mais confiante a pessoa é, mais ereto e ereto você se torna.”

2. Caminha com o corpo inclinado para frente?

Uma marcha pesada com um centro de gravidade baixo pode indicar qualquer coisa, desde depressão até dor, observa Wood.

“Se você está sentindo a caminhada mais em seus quadris ou nos joelhos, isso normalmente significa que você está andando mais baixo”, diz ela. “Se você levantar, você sente o alongamento debaixo da caixa torácica até o umbigo”. Isso cria um efeito de elevação, pode aumentar a ingestão de oxigênio e faz você mais confiante.

3. O que faz com os braços enquanto caminha?

Você cruza os braços enquanto caminha? Isso pode indicar que você se sente vulnerável, diz Hoppe, especialmente se você é uma mulher andando sozinha à noite ou em um bairro irregular.

Mas os atacantes atacam aqueles que parecem fracos, então tente descer seus braços e andar na vertical em um ritmo rápido.

4. Caminha em total silêncio, sem ao menos cumprimentar os que passam?

Um andador silencioso normalmente não quer se intrometer com ninguém e tampouco quer que se intrometam com ele. São etapas tímidas que podem indicar que a pessoa tem um nível de confiança baixo. “É um reflexo de como eles passam a vida”, diz Wood. Para parecer mais confiante, alongue seu passo em vez de dar pequenos passos para frente.

5. Você caminha acompanhado?

Quando a gente passa por um casal caminhando a gente pode se arriscar em dizer se eles estão andando pelo céu ou pelo inferno. Se uma pessoa acompanha a outra, também pode refletir a dinâmica da relação, de acordo com Wood.

Embora essa percepção mude com a cultura – enquanto homens e mulheres ocidentais caminham em passo, as mulheres muitas vezes caminham atrás dos homens em outros lugares, observa Hoppe. Numa regra geral de linguagem corporal é possível notar com facilidade se um casal está em sintonia pelo modo como caminham juntos: se lado a lado ou um sempre se adianta.

6. Caminha conversando?

Já viu uma pessoa agitada e tagarelando em seu celular parar em suas trilhas? A conversa provavelmente ficou séria. As pessoas vão parar de andar, pausar e sentar se a conversa ficar íntima ou pessoal demais, diz Wood, e é uma coisa boa também.

“Tenho notado que as pessoas ficam com raiva quando estão conversando com alguém com quem estão em conflito enquanto estão ao telefone e andando ao mesmo tempo. Isso aumenta a situação.”

Mas caminhar e falar também podem estimular energia positiva, acrescenta ela. Tente andar pelo escritório em seu telefone para aumentar a criatividade.

7. Caminha com os ombros caídos?

Se você caminha com os ombros caídos, vai entrar numa entrevista com os ombros caídos e passará uma imagem de fraqueza e vulnerabilidade. Encontre um meio de sempre se lembrar de relaxar os ombros para trás, e não para frente, enquanto caminha. Ande com propósito e não seja nem frouxo, nem rígido, diz Hoppe.

8. Caminhe quando estiver com raiva

A frustração pode facilmente se manifestar através da linguagem corporal, mas afastar-se da raiva pode ajudá-lo a lidar, diz Wood.

Caminhe ao redor do quarteirão ou do escritório, relaxe as mãos e relaxe a boca enquanto balança os braços em contraste com as pernas.

Ao fazer isso, Wood diz: “Você está mudando do hemisfério direito e do hemisfério esquerdo enquanto anda … seja qual for o estado de humor em que você está, isso pode mudá-lo.”

9. O mesmo jeito de caminhar dos pais

Você anda igual a sua mãe? Ou talvez você tenha herdado o jeito de andar do papai. Parte da semelhança pode ser genética, e parte pode ser o que Wood chama de “modelagem”. Você “copiou” mentalmente o jeito de seu pai caminhar e por isso o repete de modo inconsciente. Sua família pode criticar ou encorajar essa sua modelagem. E isso pode afetar o seu ritmo de vida. Então adote para si, o seu próprio modo de caminhar.

Artigo inspirado nos estudos de Jacqueline Delange

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.