Seja você uma criança com diabetes tipo 1 que precisa de injeções de insulina ou um adulto que precisa de uma injeção para uma condição médica, as agulhas despertam o medo. Na verdade, o famoso ‘chilique’ na hora de tomar injeção, é um transtorno de ansiedade chamado de tripanofobia, ou medo de agulhas, e é surpreendentemente comum. Cerca de 25% dos adultos têm medo de agulhas e cerca de 7% dos adultos evitam as imunizações por causa do medo.  A fobia também é chamada de aicmofobia, que Merriam-Webster define como “ medo mórbido de objetos pontiagudos ou pontiagudos (como tesouras ou agulhas).

“O medo de agulhas é realmente muito comum”, diz Michael D. McGee, MD, psiquiatra e completa: “Tem sido sugerido que esse medo tem uma base genética e que todos nós temos medo de objetos pontiagudos que perfuram nossa carne. Receber vacinas quando bebês e sentir dor também pode ser uma possível fonte de medo”.

Sintomas da tripanofobia

Os sintomas variam, mas estão presentes quando uma pessoa vê uma agulha ou descobre que precisa receber uma injeção. Os sintomas podem ser debilitantes e podem incluir:

  • Ansiedade
  • Ataques de pânico
  • Insônia
  • Sentindo zonzo
  • Pico de pressão arterial
  • Frequência cardíaca de corrida
  • Evitar visitas ao médico ou receber cuidados médicos

O que leva as pessoas a desenvolverem tripanofobia?

Algumas pessoas que temem agulhas têm um medo associativo, no qual um evento traumático – geralmente psicológico – desencadeou o medo de agulhas em primeiro lugar. E naqueles que têm medo hiperalgésico (hiper sensível á dor), há ,na verdade, uma hipersensibilidade genética à dor. “A dor é tão impensável que a pessoa nunca se submeteria a tal do de propósito como, pensar ser, uma injeção”, diz o Dr. McGee.

Alguns indivíduos têm tanto medo de agulhas que podem ter até mesmo uma Síncope Vasovagal, que é a perda transitória da consciência, um desmaio provocado pela diminuição de pressão arterial e dos batimentos cardíacos.

Aqui estão 7 técnicas, sugeridas por especialistas, para superar seu medo de agulhas e  ajudá-lo a se preparar para a seringa:

  1. Prepare a área com um medicamento como um spray de cloreto de etila ou um creme anestésico tópico como lidocaína. Ou até mesmo gelo. Qualquer um desses, será útil para a redução superficial da dor devido a uma injeção de agulha, diz o Dr. McGee.
  2. Adote a abordagem cognitiva e a inteligência emocional. Dr. McGee aconselha contemplar o pior que pode acontecer e lembrar que uma injeção é apenas um desconforto temporário. “Lembre-se de que uma agulha é dolorosa por um segundo, mas quando você processa e entende completamente como seria o sofrimento se você não recebesse a injeção, isso pode ajudá-lo a ser mais realista”, explica o Dr. McGee.
  3. Pratique a respiração profunda. “Visualize-se em um lugar confortável”, diz o Dr. McGee. “Não faça do seu medo um inimigo, mas trate a injeção como algo que no final o deixará mais sadio”.
  4. Experimente a meditar ouvindo uma música erudita: Chopin, Mozart… ou sons da natureza. Comece com dois minutos de meditação e aos poucos vá aumentando até chegar aos 15. Durante a meditação se veja tomando a injeção tranquilamente.
  5. Use a abordagem mostrar e contar com as crianças. Quando a enfermeira está explicando o processo de injeção para uma criança recém-diagnosticada com diabetes, ela demonstra como fará e explica cuidadosamente cada movimento que fará na criança enquanto a criança a observa. Em seguida, ela demonstra como fazer isso injetando uma agulha na laranja. Então, ela deixa a criança brincar com a laranja até que a criança se sinta confortável injetando a laranja sozinha.
  6. Aposte na distração. Para se distrair enquanto está tomando a injeção, tente se imaginar sentado num lugar que você costuma ir para relaxar.
  7. Dessensibilização do objeto agulha. Faça todos os movimentos de se dar uma injeção, sem realmente picar. Ensaie isso em casa e mentalize que você está tomando a injeção tranquilamente.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.