Você já se perguntou por que algumas pessoas parecem ter uma quantidade ilimitada de sucesso em suas vidas pessoais e profissionais? Pode ser porque eles possuem alta inteligência emocional.

A inteligência emocional é um conceito da psicologia usado para designar a capacidade do ser humano de identificar e gerenciar suas próprias emoções e as emoções dos outros.

Se você quer saber se tem uma alta inteligência emocional (IE) ou quer trabalhar para fortalecer sua IE para ter sucesso na vida e na carreira, aqui estão 11 atitudes que as pessoas com alta IE aprenderam a desenvolver.

1. Elas não são perfeccionistas

Ser perfeccionista pode atrapalhar a conclusão de tarefas e atingir metas, pois pode levar a problemas para começar, procrastinar e procurar a resposta certa quando não há uma. É por isso que as pessoas com IE não são perfeccionistas. Elas percebem que a perfeição não existe e avançam. Se cometerem um erro, farão ajustes e aprenderão com isso.

2. Elas sabem equilibrar trabalho e lazer

Trabalhar 24 horas por dia, 7 dias por semana e não cuidar de si mesmo adiciona estresse desnecessário e problemas de saúde física e mental. Por causa disso, as pessoas com IE sabem quando é hora de trabalhar e quando é hora de brincar. Por exemplo, se elas precisarem se desconectar do mundo por algumas horas, ou mesmo um fim de semana inteiro, elas o farão porque precisam de tempo para se desconectar para reduzir os níveis de estresse.

3. Elas abraçam a mudança

Em vez de temer a mudança, as pessoas emocionalmente inteligentes percebem que a mudança faz parte da vida. O medo da mudança dificulta o sucesso, então elas se adaptam às mudanças ao seu redor e sempre têm um plano em prática caso ocorra alguma mudança.

4. Elas não se distraem facilmente

Pessoas com alta IE são focadas no momento exercer suas obrigações e têm a capacidade de prestar atenção à tarefa da hora e não se distraem facilmente, pois são capazes de dizer aos outros que naquele momento precisam se concentrar em suas tarefas e assim as fazem naturalmente.

5. Elas são empáticas

O psicólogo Daniel Goleman (capa), ‘pai da inteligência emocional’, autor de Foco: O Motor Oculto da Excelência (Focus: The Hidden Driver of Excellence), disse ao The Huffington Post que a empatia é um dos cinco componentes da inteligência emocional. Na verdade, ser capaz de se relacionar com os outros, mostrar compaixão e dedicar um tempo para ajudar alguém são componentes cruciais da IE. Além disso, ser empático torna as pessoas com IE curiosas sobre as outras pessoas e as leva a fazer muitas perguntas sempre que conhecem alguém novo.

6. Elas conhecem seus pontos fortes e fracos

Pessoas emocionalmente inteligentes sabem no que são boas e no que não são tão boas. Eles não apenas aceitaram seus pontos fortes e fracos, como também sabem como alavancar seus pontos fortes trabalhando com as pessoas certas na situação certa.

7. Elas são auto motivadas

Para ter atitudes emocionalmente inteligentes, é importante detectar quando estamos desmotivados, nos auto compreendermos e aceitarmos que não somos capazes de tudo sozinhos. E isso é inteligência emocional. Quando você decide agir com IE, você determina uma, muda o foco do seu pensamento negativo acerca de si mesmo, faz novas escolhas se for necessário, não tem medo de errar, busca um aprendizado novo para melhor lidar com as problemáticas, busca a positividade sobre aquilo que deseja realizar, não abre mão dos momentos de entretenimento e busca ajuda especializada se for preciso.

8. Elas não vivem de passado

Pessoas com alto IE não têm tempo para viver no passado porque estão muito ocupadas contemplando as possibilidades que o hoje oferece. Elas não permitem que os erros do passado as consumam com negatividade e rancor, pois estas nos deixam estressados e nos impedem de seguir em frente.

9. Elas se concentram no positivo

Pessoas emocionalmente inteligentes preferem dedicar seu tempo e energia para resolver um problema logo. Em vez de insistir no negativo, elas olham para o positivo e sobre o aquilo que elas têm controle. Além disso, elas também passam seu tempo com pessoas positivas e não com pessoas que constantemente reclamam.

10. Elas estabelecem limites

Embora as pessoas com alto IE possam parecer simples por causa de sua polidez e compaixão, elas realmente têm o poder de estabelecer limites. Por exemplo, elas sabem dizer não aos outros. O motivo? Isso evita que elas fiquem sobrecarregadas, esgotadas e estressadas ​​porque têm muitos compromissos. Em vez disso, elas estão cientes de que dizer não as libera de cumprir compromissos anteriores.

11. Elas não se descontrolam feito crianças

A psicanalista Clara Dawn traz uma importante reflexão acerca de como usar a inteligência emocional para não agirmos feito crianças: “As nossas emoções são recebidas mediante os sentimentos inconscientes das aflições da infância. Sabe quando a gente vê uma coisa que comia na infância e logo fica feliz? É porque o sentimento de prazer sentido na infância, volta à tona quando vê a comida. Do mesmo jeito acontece com os sentimentos ruins como ciúme, inveja, medo, raiva… Quando estamos diante de situações que refletem um trauma da infância, as emoções expressas serão as mesmas da criança. E o que faz uma criança de 3 anos quando outra criança pega o seu brinquedo favorito? Ela faz escândalo. Ter inteligência emocional é conseguir, na vida adulta, reconhecer, nomear, avaliar e gerenciar as emoções e não agir como agia quando era criança. Porque, claro, você não é mais uma criança”.

Da redação Portal Raízes

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.