Tudo começa em uma cidade chamada Egôlandia

Não “tão tão” distante assim… a escritora paulista Ruth Rocha especializada em literatura infantil e inspirada por Monteiro Lobato, publicou em 1989 um de seus exemplares mais vendidos: “Uma história de Rabos presos” que mistura política e questões sociais.

Em Egolândia, o prefeito Egomeu consegue se eleger graças a “parceria” com o Coronel Eurico que paga alguns milhares de camisas para a campanha. Em troca o prefeito abriu uma estrada para atender as terras do Coronel que passaram a valorizar cada vez mais.

Só que os favores não pararam por aí e as pessoas começaram a nascer com rabos presos. E os rabos vão se multiplicando e se enroscando uns aos outros mostrando que afinal, todo mundo tem alguns “favorzinhos” pendentes.

Ruth Rocha passeia entre as estruturas do governo brasileiro: Executivo, legislativo e judiciário, e demonstra como a influência e o poder de pessoas diretamente ligadas ao governo em seus diversos âmbitos, prejudicam e levam a política brasileira (e não só) a um estado de emergência (calamidade).

Sem entrar em méritos partidários, o livro é sem dúvida, uma opção para ensinar as crianças e adolescentes sobre a realidade da política, sobre corrupção e como nossos atos podem trazer consequências em grande escala.

Do nascimento até os 6, 7 anos as crianças passam por uma fase de intensa formação física e psicossocial. Exigindo dos pais e educadores tempo e preocupação com as informações e ideias em que as crianças estão submetidas.

Temperado com muita sinceridade e ironia, “Uma história de rabos presos” é uma boa indicação de conteúdo infato junvenil.

Os leitores mais místicos diriam que é uma profecia de Ruth Rocha, mas é na verdade uma leitura “singela” dos bastidores da política nacional.

Se nossas crianças são o futuro da nação, que preparemos nosso futuro com amor, carinho e boa literatura. O que nos leva também, a pensar no poder do exercício da cidadania, que sempre esteve nas mãos do povo, mesmo não parecendo!

 

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.