A maturidade emocional é um componente crítico do cultivo de relacionamentos saudáveis. A imaturidade emocional pode ser o resultado de apegos inseguros durante as primeiras experiências da vida, trauma, vício não tratado ou problemas de saúde mental e/ou falta de introspecção mais profunda em sua busca pelo autoconhecimento. Pode se manifestar como egocentrismo, narcisismo e má gestão de conflitos.

Ter pais emocionalmente imaturos pode ser muito frustrante (até mesmo enfurecedor) e pode lhe conduzir a questionamentos severos acerca de própria identidade e moldar de modo negativo todas as suas leituras de mundo. Pode leva-lo a comportamentos regressivos (como quando se fecha a porta na cara de alguém, ou dá um chilique básico) e pode desencadear depressão, ansiedade, sintomas de trauma, abuso de substâncias e outras condições de saúde mental. Também pode levar a conflitos entre pais e filhos e desafios contínuos em relacionamentos vida a fora.

É importante identificar os sinais e sintomas de imaturidade emocional para que você possa reconhecê-los e elaborar um plano para agir sobre os impacto que causaram em você. E nessa hora é muito importante reconhecer que precisa da ajuda de um profissional para fazer isso. E tudo bem precisar de ajuda. 

Sinais de pais emocionalmente imaturos e dicas para lidar

1 – Eles operam a partir do ego

Todos nós temos egos como parte da experiência humana. Nossos egos são a compreensão que nossas mentes têm de nós mesmos e são propensos à defesa, à auto absorção e ao conflito nos relacionamentos. Quando o pai ou a mãe opera a partir do ego, eles podem cair em uma das duas categorias: Superior ou Capacho. O Superior é grandioso, autoritário, agressivo, narcisista e não respeita os limites de outras pessoas. O Capacho é passivo ou passivo-agressivo, muitas vezes preso em uma narrativa de vítima, e repetidamente permite que seus limites sejam comprometidos. Estas sã as formas de baixa autoestima ou falta de autoestima saudável que muitas vezes é o resultado de trauma ou apegos ​​inadequados aos pais ou outros cuidadores no início da vida.

2 – Eles não assumem responsabilidade pessoal e muitas vezes culpam os outros

Novamente, isso pode se manifestar como tendências de capacho (eles nunca têm culpa, os problemas são o resultado de inadequações e erros de outras pessoas). Não assumir a responsabilidade leva à falta de integridade, prejudica a confiança e impede o perdão .

Dicas para lidar com isso: Resista à tentação de fazer com que eles assumam sua parte. A imaturidade emocional, infelizmente, significa que eles são incapazes neste momento. Você pode recomendar terapia ou aconselhamento ou programas de 12 passos, mas cabe a eles fazerem o trabalho – você não pode fazer isso por eles. Aprenda a desenvolver o escudo emocional e não aceite a culpa quando você não estiver errado. Você pode fazer isso cultivando o desapego saudável com amor,  praticando a autocompaixão, honrando e cuidando de seus sentimentos e acessando o apoio emocional que você merece. Considere grupos de apoio que possam fornecer ferramentas para lidar com pais com problemas de saúde comportamental.

3 – Usam a negação e projeção como mecanismos de defesa 

Os mecanismos de defesa são a maneira do ego se proteger de pensamentos e sentimentos desconfortáveis. Todos nós usamos mecanismos de defesa, como racionalização, por exemplo. No entanto, um pai emocionalmente imaturo recorrerá a defesas mais primitivas, como negação (não reconhecer um problema ou até mesmo se recusar a acreditar que ele existe), projeção (por exemplo: atribuir aos outros a culpa pelo seu ataque de raiva), e identificação projetiva (ver no outro as suas próprias características negativas e afrontá-lo por isso). Ter um pai ou mãe que se comporta dessa maneira pode ser frustrante e fazer com que você questione a si mesmo e sua perspectiva.

Dicas para lidar: Aprenda a reconhecer sua própria experiência emocional e a separá-la da experiência de seus pais, para que você possa reconhecer quais sentimentos são seus e quais são deles. Encontre saídas saudáveis ​​para suas emoções, como exercícios, arte ou se expressar para pessoas que você confia. Evite estratégias de enfrentamento não saudáveis, como automedicação, drogas, álcool, jogos compulsivos, excessos de comida, compras ou sexo.

4 – Eles não têm empatia 

Não ter empatia, é quando os pai não são capazes de se colocarem no lugar do seu filho. Eles não têm a capacidade de reconhecer, entender ou validar as experiência emocionais do filho. Eles veem a vida de sua própria perspectiva apenas.

Dicas para lidar: Reconheça e aceite que eles são emocionalmente incapazes de entender como você se sente. Resista à tentação de bater de frente, tentando exaustivamente fazer com que eles entendam sua perspectiva. Busque por meio de terapia, diário, artes expressivas ou voluntariado uma razão de existir, um objetivo maior que possa livra-lo do seu lugar de perdido e incompreendido.

Aprenda a ser o seu próprio pai amoroso, sua própria mãe amorosa, praticando a autocompaixão, o autor respeito, o amor próprio, honrando assim, as suas próprias experiências emocionais e saiba que seus sentimentos são uma resposta normal às suas experiências de vida.

Busque empatia e compaixão das pessoas em sua rede de apoio. Pratique a empatia por seus pais, reconhecendo que eles claramente devem ter sofrido feridas ou traumas profundos para não serem empáticos porque pessoa alguma foi empática com eles.

Trabalhar em nosso bem-estar mental e inteligência emocional é um processo vitalício que requer tempo e atenção . Considere acessar o apoio por meio de terapia ou aconselhamento para honrar seus sentimentos de perda, mágoa e raiva e aprender habilidades para seguir em frente com paciência, bondade e compaixão por seus pais e por você mesmo.

Artigo de Joyce Marter, LCPC, é psicoterapeuta, especialista em saúde mental. Traduzido por Portal Raízes.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.