Eu me casei em 2000 e pensei que iríamos envelhecer juntos em nossa varanda campestre, balançando lado a lado e vendo nossos netos brincarem no quintal. Agora que a realidade do divórcio me deu um tapa e eu conclui que o sonho não vai acontecer, eu precisei descobrir em mim uma pessoa capaz de amar, se respeitar, se cuidar.

Em outubro de 2016, quando ouvi meu ex dizer “terminamos”, sem aviso , sem sinais, sem explicação, senti como se estivesse tendo uma experiência fora do corpo. Uma vez que descobri que ele tinha um caso. Fiquei arrasada, me perguntando onde eu tinha errado, o que ela tinha que eu não tinha… Enfim, me sentindo um lixo.

Enquanto eu me sentava e pensava sobre minha situação, percebi que precisava descobrir que tipo de pessoa eu era. De alguma forma, através de toda a ilusão do que eu achava que era um casamento maravilhoso, eu me perdi. Eu fiz isso, não ele. Eu me tornei negativa, condescendente, não querendo sair de casa e geralmente odiando as pessoas. Mas essa não sou eu e eu sabia disso. Eu tive que lutar para voltar a ser a pessoa crente nos sonhos que eu era, para depois lutar para gostar em mim tudo aquilo que eu acreditei não possuir.

Aqui estão algumas coisas que aprendi a gostar em mim depois que ele se foi:

1. Não importa quais palavras dolorosas ele disse, eu me recuso a permitir que isso seja a minha verdade

Ele disse algumas coisas odiosas para mim. Coisas que ele sabia que iriam me abalar até o âmago. Eu permiti que isso me consumisse. Eu não sou o que ele disse. Eu sei agora que suas palavras dolorosas foram sua maneira de dar o último movimento, me esfaqueando no meu coração. Eu merecia mais do que isso e não sou mais aquela pessoa crédula que acreditava no que costumava dizer sobre mim.

2. A me manter ocupada

Acho que muitas pessoas ficam chocadas ao ler meus status no Facebook. Não sou a típica avó de 52 anos. Eu dirijo carros de corrida, canto, sou um rato de academia, sento no beliche da neta e assisto Bob Esponja, tomo sorvete no café da manhã. Descobri que quanto mais eu estava com meus amigos, não me consumia pensando nele. Eu rio e sei que é exatamente a terapia que eu precisava. Mesmo quando estou tendo dias bons, amigos são sempre bem-vindos e necessários.

3. Por mais que alguns dos meus amigos quisessem que eu ficasse com alguém, eu sabia que não era disso que eu precisava

Eu não precisava de outra pessoa em minha vida nublando meu julgamento e sentimentos. Eu precisava amar quem eu era e a pessoa que eu já fui. Não preciso de alguém para me fazer feliz, preciso de um ambiente para me fazer feliz. Minha solidão me deu uma perspectiva muito melhor sobre a vida. Aprendi a me respeitar e isso foi a melhor coisa que eu poderia ter feito. Uma vez pensei que precisava de uma pessoa na minha vida para me completar, mas agora sei que não.

4. Eu consegui administrar meu dinheiro apesar do que ele dizia

Consegui uma promoção no trabalho. Três anos depois de nos separarmos, comprei uma casa nova. Eu deixo meu construtor louco porque meu ex era um construtor e eu sei demais. Quando entro na entrada da minha nova casa todos os dias, sorrio sabendo que fiz isso. Nem meu ex, nem ninguém além de mim. Economizei dinheiro para o meu pagamento inicial e comprei minha própria casa. Ele ainda mora em seu apartamento de dois quartos com seus gatos e dirige um caminhão da empresa e seu sonho era construir a própria casa.

5. Adoro ter a família ao meu redor

Dizer que o relacionamento com meus filhos foi tenso não é suficiente. Foi ruim. Eles tinham vergonha da mulher cabeça baixa que eu era e eu não os culpo. Mas depois, minha filha mais velha com seus filhos até se mudaram para minha casa por um ano. Eu não gostava de estar perto de pessoas quando eu era casada. Agora não consigo imaginar minha vida sem minha família. Tenho uma casa enorme com muito espaço e não me importo de ter minha casa cheia de companhia.

6. Eu malho na academia 6 dias por semana

Estabeleço uma meta e faço. Às cinco da manhã, todas as manhãs, estou malhando. Eu então vou trabalhar. Tornou-se meu estilo de vida. Eu nunca tive um motivo para fazer isso, agora eu tenho. Recebi tantos elogios que nem pareço a minha idade. Eu amo isso. Trabalhei duro pela pessoa que me tornei, mereço isso.

Quando meu casamento acabou, eu estava com medo de ficar sozinha. Mas eu estava mais sozinha sendo casada. Estou feliz e finalmente estou em paz comigo mesma. Tenho minha liberdade constante. Minha vida mudou, mas eu também. Tive a atitude de mudar meu status quo e estou orgulhosa dessa conquista.

Texto de Rosalyn Wallace, escritora inglesa, especialista em casamento, relacionamento, namoro, sexo e divórcio.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.