Simone Bittencourt de Oliveira, ou simplesmente, Simone, é uma cantora da música popular brasileira, de muito sucesso. Simone nunca se casou nem teve filhos. Assumiu publicamente ser lésbica, tendo convivido durante sete anos na década de 80 com a atriz Ísis de Oliveira, e revelou que na infância sofreu bullying por ser muito magra e alta, com 1,80m aos doze anos. Em 2000 declarou que namorou o cantor Ney Matogrosso nos anos 80 e que já havia tentado ter filhos, mas nunca conseguiu. Revelou também que não tem opção sexual.

O hábito de vestir branco

Simone foi capa da Revista ‘Veja’ em março de 1982. Ao longo da matéria de capa o jornalista fala do início da carreira, que foi marcado por um encontro com o esoterismo e com aquele que durante alguns anos foi o seu guru, o esoterista Mário Troncoso, morto em fevereiro de 2005.

Desde jovem Simone enxergava à sua volta um foco de luz, que aleatoriamente aparecia e sumia, fato ao qual ela atribuía à avançada miopia no olho direito (onze graus). Durante uma viagem de barco para Paquetá, em que também estava Troncoso, este sentou-se ao lado de Simone, que na época não era uma artista conhecida, e começou a falar com ela, inclusive sobre aquela luz que ela enxergava. Explicou a ocorrência do fenômeno, que até então era um segredo nunca compartilhado, transmitindo-lhe conhecimentos na área da teosofia e da Grande Fraternidade Branca.

Aos 72 anos ela lida bem com o envelhecimento

“Nunca tive crise por envelhecimento, tem que aceitar. Você tem que aprender envelhecer com corpo e com flacidez natural da idade. Você pode ter mais idade e não ser uma pessoa velha no sentido pejorativo; os 70 anos de hoje não são os (70 anos) de 15 anos atrás. Sei que também sou favorecida, a minha genética ajudou, e eu colaboro, isso conta muito”, disse a cantora em entrevista à Silvia Ruiz, colunista da Viva Bem, em 2020. E continuou:

“Sempre fui disciplinada com alimentação, exercícios, e comer com qualidade. Quando estou em casa gosto de preparar as minhas refeições com tempo e cuidado. [..] Faço diariamente alongamento, abdominal, na pandemia dei uma pausa, mas caminho. Fui uma jogadora de basquete, sou formada em educação física e sempre gostei de esporte. Tenho talvez a sorte de não gostar de frituras e gorduras em geral”.

Saúde mental e nova música

Após uma década dedicada aos palcos, a cantora Simone volta aos estúdios com a gravação do single “Haja Terapia”, o primeiro do novo disco de Simone. O single reflete sobre a vivência da cantora nos últimos dois anos de pandemia, a busca pela saúde mental e terapia:

“Fiz e ainda faço terapias, pego umas caronas, acho importante, e meditação adoraria fazer diariamente, inclusive porque ajuda na respiração para cantar”.

Com leveza, a cantora tomou como conceito a transparência: não só na estética, mas também sobre si própria. “Fiz as fotos sem maquiagem. Pensei: Vai, encara outra vez!”.

“Teve um lado maravilhoso: colocar biquíni, tomar banho de mar. A água estava boa, o mar bem forte, foi ótimo. E não tive nenhuma censura, pensei: ‘Sabe de uma coisa? Não estou nem aí!'”, dispara. “Sou assumida com a minha idade. E o melhor a fazer é aceitar os 72 anos, o corpo que eu tenho.”

“Quando você fatia o tempo nas terapias, vê também o tempo das coisas. E acho que ele correu mais a favor e de forma íntima para me ajudar a botar os meus demônios para fora”, completa.

Conheça a música:

 

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.