Abelhas também dormem, e é a coisa mais fofa do mundo

Portal Raízes

Você já parou para pensar sobre o sono das abelhas? Quanto tempo elas dormem, e onde dormem? Essas são perguntas que a maioria das pessoas nunca fez. Mas o fotógrafo de vida selvagem Joe Nelly conseguiu registrar o momento em que duas abelhas dormiam abraçadinhas no centro de uma flor.

Tudo começou quando ele e sua noiva Niccole foram procurar flores de papoula em um campo florido, e no caminho de volta para casa eles passaram por um aglomerado de flores rosas, perto da rodovia.

No meio de todas as flores rosas, havia uma florzinha laranja, que chamou atenção de Niccole. Ela ouviu o barulho de abelhas voando por perto, e então notou que algumas flores tinham abelhas imóveis em seus centros.

“Eu cheguei perto e observei por um tempo, e mais abelhas apareceram. Logo, todas as flores vazias estavam ocupadas, e uma abelha acabou sobrando. Ela se enfiou em uma flor aberta e ficou com outra abelha. Enquanto eu olhava, ela cambaleava quase como se estivesse bêbada, e se aconchegou”, conta Joe.

As abelhas da espécie Diadasia diminuta dormem em flores chamadas Globe Mallows (Sphaeralcea). De acordo com o serviço florestal do Departamento de Agricultura dos EUA, essas abelhas fazem ninhos em solo parcialmente compactado nas margens de estradas de terra na região noroeste dos Estados Unidos.

Como as abelhas não têm pálpebras, é difícil saber com certeza se elas estão dormindo, mas pesquisadores observaram que é possível saber que elas estão tirando uma soneca quando elas param de mover suas antenas. Em algumas situações elas também se deitam de lado.

Nem todas as abelhas dormem nas flores. Algumas delas dormem dentro da colmeia. Elas têm ciclo circadiano como os humanos, e também dormem entre cinco e oito horas por noite.

O fotógrafo conseguiu fazer a fotografia da sua vida naquele passeio pelo campo florido. Ele usou uma Nikon d750 e uma lente macro 150mm com um flash macro Nikon R1C1. Ele não incomodou as abelhas e não interferiu no comportamento delas.

Nós precisamos de abelhas. Elas são as principais polinizadores da maioria dos ecossistemas do planeta. Voando de flor em flor, elas polinizam e promovem a reprodução de diversas espécies de plantas. Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), 75% dos cultivos destinados à alimentação humana no mundo dependem das abelhas.

No Brasil, infelizmente, as abelhas estão morrendo. Nos últimos três meses, mais de 500 milhões de abelhas foram encontradas mortas por apicultores apenas em quatro estados brasileiros, revela reportagem de Pedro Guigori para a Agência Pública e Repórter Brasil. Foram 400 milhões no Rio Grande do Sul, 7 milhões em São Paulo, 50 milhões em Santa Catarina e 45 milhões em Mato Grosso do Sul, segundo estimativas de Associações de apicultura, secretarias de Agricultura e pesquisas realizadas por universidades.

O principal causador, afirmam especialistas e pesquisas laboratoriais analisadas pela reportagem, é o contato com agrotóxicos à base de neonicotinoides e de Fipronil, produto proibido na Europa há mais de uma década. Esses ingredientes ativos são inseticidas, fatais para insetos, como é o caso da abelha, e quando aplicados por pulverização aérea se espalham pelo ambiente, relata o texto. Leia o artigo completo aqui.

Texto de Juliana Blume, via Hypescience, com informações de Portal Raízes, Bored Panda e BBC

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.