O ex-jogador de futebol da seleção juvenil do Irã, Amir Nasr-Azadani, de 26 anos, foi condenado à forca pelo regime iraniano, por participar dos protestos pelos direitos das mulheres no Irã.

Os protestos eclodiram em todo o Irã após a morte de Mahsa Amini, de 22 anos, nas mãos da polícia moral por violar o rígido código de vestimenta do país. Em setembro, Amini foi detida por supostamente usar um lenço hijab de maneira “imprópria”. Enquanto a polícia afirma que ela morreu de causas naturais, sua família diz que ela foi espancada e torturada e sofreu um golpe fatal na cabeça.

A morte de Amini provocou protestos generalizados em todo o Irã, que o regime governante foi rápido em reprimir. Os cidadãos estão exigindo mais liberdade durante os protestos, no entanto, as repressões violentas resultaram em centenas de mortes entre os manifestantes e as forças de segurança.

Ativistas de direitos humanos no Irã, um grupo que monitora os protestos, afirmam que pelo menos 488 pessoas foram mortas desde que os protestos começaram em meados de setembro. O grupo também alega que cerca de 18.200 pessoas foram detidas pelas autoridades.

Por que Amir Nasr-Azadani foi preso?

Mulheres curdas sírias protestam contra a morte da curda iraniana Mahsa Amini, detida pela polícia da moralidade de Teerã. — Foto: AP

Amir Nasr-Azadani foi preso por cometer ‘moharabeh’, que é um termo persa que pode ser traduzido como ‘travar guerra contra Deus’. No entanto, o relatório divulgado por agências de notícias em todo o Irã diz que Nasr-Azadani foi preso pelo suposto assassinato do coronel Esmaeil Cheraghi e de dois membros do serviço paramilitar voluntário do Irã, conhecido como Basij.

O relatório diz ainda que o jogador de futebol apareceu na televisão estatal em 20 de novembro e leu sua confissão, enquanto também houve relatos contrários de que Nasr-Azadani não estava presente na área onde Cheraghi e os dois membros do Basij foram mortos.

O que se sabe é que Nasr-Azadani fez campanha ativamente pelos direitos e liberdade das mulheres em meio aos protestos em andamento no Irã e isso é visto como a maneira do regime de silenciar tais demonstrações públicas de solidariedade com os manifestantes.

Alguém mais foi executado no Irã?

Até agora, duas execuções públicas conhecidas foram realizadas no Irã em relação aos protestos antirregime. Em 8 de dezembro, um homem de 23 anos chamado Mohsen Shekari foi enforcado depois de ser considerado culpado por um tribunal revolucionário de “travar guerra contra Deus”.

Em 12 de dezembro, um ex-lutador Majidreza Rahnavard foi enforcado publicamente em um guindaste depois de ser condenado pela morte de dois membros das forças de segurança. Ele também foi preso por “travar guerra contra Deus” e foi enforcado publicamente com imagens de seu corpo sem vida enforcado circulando nas redes sociais.

Como a comunidade internacional do futebol respondeu?

O Sindicato Internacional de Jogadores de Futebol (FIFPRO) divulgou uma declaração pública dizendo que está “chocado e enojado com os relatos de que o jogador de futebol profissional Amir Nasr-Azadani enfrenta a execução no Irã depois de fazer campanha pelos direitos das mulheres e pela liberdade básica em seu país”.

A FIFPRO também pediu a reversão da sentença, dizendo: “Somos solidários com Amir e pedimos a remoção imediata de sua punição”.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.