A pandemia fez com que todos que pudessem ficar em casa, encontrassem maneiras de se manter saudável mentalmente durante o período de isolamento, os idosos sem dúvida foram os mais afetados, mas também os mais criativos.

No decorrer de 1 ano, desde o início da pandemia em todo o mundo, vimos uma idosa que iniciou seu próprio canal de culinária durante a pandemia, também vimos outra que conseguiu escrever seu tão sonhado livro. Para este idoso de 104 anos, o período de isolamento lhe deu a conclusão de sua tese de doutorado.

Lucio Chiquito é engenheiro de Medellín, na Colômbia e estava estudando na Universidade de Manchester, no Reino Unido. Ele contou que foi durante o período de isolamento social que descobriu a solução que procurou durante 30 anos para um problema sobre o caudal dos rios, o volume água que passa de um determinado ponto, por um certo período de tempo.

“Dediquei-me a buscar uma metodologia que dê a resposta exata de qual é o caudal máximo de um rio que produza o maior rendimento possível”, contou Lucio à CNN.

Ele disse que começou o doutorado quando tinha 73 anos.

“Escrevi à universidade, disse que havia me graduado em Magistério de Ciência e Tecnologia e perguntei se poderia pegar um doutorado. Eles disseram: ‘Claro’”, contou.

A vida

O idoso perdeu a esposa há cinco anos e, desde então, vive na cidade de Medellín perto dos filhos e netos.

Além de bom pai e avô, Lucio é motivo de orgulho para a família: ele foi o primeiro a incluir mulheres no mundo empresarial na Colômbia.

Após entregar a tese, ele está esperando a avaliação para poder, finalmente, se graduar.

Conquistar o doutorado aos 104 anos será coroar um trabalho que ele levou tantas décadas para concluir.

Com informações de SNB

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.