Imagine se dedicar por mais de 30 anos a uma causa só. Essa é a história de Neiva Guedes, a bióloga que fundou o Instituto Arara Azul e conseguiu, graças a muitos esforços conjuntos, retirar a Arara Azul do risco iminente de extinção.

Graças ao seu trabalho, a Arara-azul-grande (Anodorhynchus hyacinthinus) saiu da lista dos animais em extinção no país. Devido a essa conquista, a bióloga concorre ao prêmio Faz Diferença, promovido pelo Jornal O Globo em parceria com a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro. A pesquisadora concorre pela categoria Sociedade/Ciência e Saúde.

Neiva, que começou na biologia quase por acidente, resolveu fazer a sua pesquisa no Pantanal. Hoje doutora em Zoologia, ela começou suas pesquisas olhando para o Pantanal e para a possível extinção da Arara Azul, há 30 anos atrás. Entretanto, ela observou que somente uma pesquisa não bastava, e era necessário fazer uma ação contínua pra manter a sobrevivência da espécie.

“Fiz mestrado em Ciências Florestais e a Arara Azul foi objeto do meu mestrado. Acabou virando um projeto de vida, porque era tão envolvente o trabalho, que acabei dedicando quase 30 anos a ele”, afirmou Neiva ao jornal local O Pantaneiro.

A pesquisadora brasileira é uma das principais responsáveis pela manutenção da vida da Arara Azul no mundo

Parte do trabalho da pesquisadora está na integração e conscientização da comunidade acerca do valor da espécie, buscando incentivar a preservação por parte dos moradores. O principal motivo para a extinção do animal está relacionado à caça ilegal da ave, e Guedes acredita que a participação dos moradores do Pantanal no projeto é a base central de todo o trabalho.

“Se eu quisesse apenas concluir o meu mestrado era só coletar os dados e ir embora. Talvez a arara acabasse. Assim, fomos conversando e mostrando para as pessoas o que estávamos estudando, que elas eram privilegiadas de morar junto com as araras e de ter essa convivência harmoniosa com as aves todos os dias. É uma vida muito bacana a do pantaneiro tradicional junto com a natureza, muito harmoniosa”, contou Guedes à National Geographic.

A pesquisadora, que pode ser premiada pelo seu trabalho de mais de 30 anos no Pantanal, acredita que a conscientização pode (e deve) partir da educação. Por isso, ela explica que o olhar para a natureza desde a infância é essencial para a conservação e preservação de nossas riquezas naturais.

“As pessoas convivem com a natureza, mas não estão atentas. Se não contarmos com as crianças que são o futuro, com o tema da natureza, muita coisa pode ser perdida”, afirmou ao Ciclo Vivo.

Texto de Yuri Ferreira via Hypeness

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.