As crianças brigam entre si por muitas razões. Pais e provedores muitas vezes têm a difícil tarefa de saber quando deixá-lo seguir seu curso e quando intervir e agir. Crianças, especialmente irmãos, podem brigar pelos motivos mais bobos, mas isso pode se tornar um criador de amizades ou um destruidor na mente de crianças pequenas. Ter divergências faz parte do desenvolvimento infantil, mas há coisas que pais e provedores podem fazer para ajudar a minimizar ou impedir que as crianças briguem.

Contanto que não sejam brigas físicas ou bullying, as brigas de crianças podem ser usadas para muitos aprendizados, dentre eles: se comprometer, resolver conflitos e praticar o autocontrole.

Entretanto, aprender essas coisas leva muito tempo. Continue lendo para obter dicas sobre como fazer parte do processo de paz na guerra de palavras de seus filhos.

1 – Não se envolva na luta

Quando um pai entra na briga, isso diz aos filhos que brigas e lamúrias levam um conflito a uma conclusão rápida. Portanto, evite tomar partido quando as crianças brigam. Desafie as crianças a encontrar uma solução justa juntos. Colocar a bola de volta em sua quadra mostra que eles devem fazer parte da solução.

Mas se a briga aumentar, os pais podem precisar intervir. Se você precisar intervir, seja rápido e decisivo. Encontre um compromisso ou separe as crianças, seja pelo comando (“Todos para seus quartos.”) ou por bajulação (“Suzy, venha brincar no meu quarto.”). Não se deixe levar pelo debate. Deixe a discussão das questões por trás da luta para outro momento, quando os ânimos estiverem mais frios.

2 – Modele o comportamento que você deseja ver

Não fale apenas sobre como resolver conflitos; mostrar as crianças. Brigar ou gritar como solução para um desentendimento é reforçado quando as crianças veem os pais fazerem o mesmo. Não brigue com seu cônjuge (ou parentes ou amigos) na frente das crianças. E embora possa ser difícil ser ouvido acima do barulho das crianças brigando, tente não levantar a voz quando as crianças estiverem brigando.

3 – Quebre o ciclo de brigas

A briga é inerentemente reativa. As crianças reagem umas às outras e depois a você se você intervir. Para quebrar o ciclo, você precisa ser proativo, não reativo. Tome medidas contra brigas quando as crianças não estão brigando.

No calor de uma briga, ninguém está ouvindo. O que quer que você, como pai, diga que as crianças provavelmente pensarão que você está do lado de outra pessoa. Espere até que as cabeças estejam mais frias, então lembre as crianças das (ou defina) regras básicas. Enfatize a bondade e treine as crianças no compromisso. Ser consistente com essa abordagem proativa reduzirá as brigas das crianças a longo prazo.

4 – Não recompense as crianças por brigar

Recompensar as crianças por lutar? Por que alguém faria aquilo? Mas os pais recompensam as brigas das crianças dando muita atenção. Muitas vezes, brigar é mais uma questão de chamar atenção do que qualquer número de coisas mesquinhas pelas quais as crianças brigam. E de quem é a atenção que as crianças briguentas geralmente querem mais? Pais, claro.

Se você trabalha em casa, as crianças podem perceber que um grande golpe provavelmente o tirará do escritório. Não venha correndo ao primeiro sinal de problema. Dê a eles a chance de resolver isso primeiro.

5 – Mantenha as crianças ocupadas

Muitas vezes, as brigas de crianças derivam do tédio. Quando as crianças estão ativamente envolvidas em atividades lúdicas independentes , elas são menos propensas a brigar. E atividades independentes ensinam as crianças a lidar com seus problemas (ou seja, o tédio) sem correr para os pais. E é isso que eles precisam aprender para parar de lutar.

E enquanto a TV pode manter as crianças ocupadas, muita TV pode realmente causar mais brigas porque muitas vezes é o objeto pelo qual as crianças brigam, mas também porque não é um tipo de jogo ativo.

6 – Encontre a fonte subjacente do problema

Embora o tédio e o desejo de atenção sejam duas razões comuns para brigas, existem muitas outras razões para isso. Isso pode ser tão complicado quanto a rivalidade entre irmãos ou tão simples quanto a fome. Às vezes, as brigas são apenas uma maneira de as crianças desabafarem. Entender a causa das brigas indicará a melhor maneira de lidar com isso.

7 – Pare de lutar antes que comece

Sempre que possível, antecipe as situações em que seus filhos são mais propensos a brigar. Alguns momentos prováveis ​​são ao andar de carro, enquanto você está trabalhando em seu escritório em casa, durante as transições de uma atividade para outra ou logo antes das refeições. Esteja preparado ao entrar nessas situações.

Pense também nos tipos de coisas pelas quais eles brigam: brinquedos, TV, computador, privilégios como sentar em uma cadeira favorita ou receber um amigo. Elabore regras equitativas para essas coisas. Mas lembre-se de que as regras não tornam tudo exatamente igual. Quando as crianças têm a ideia de que é assim que deve ser sempre, elas acham mais difícil aceitar situações que consideram injustas, e mais brigas acontecem.

8 – Não desanime

Reduzir as brigas de crianças é um processo que não acontecerá da noite para o dia. E algumas crianças são mais propensas a brigas do que outras. Dê às crianças a estrutura e as estratégias de que precisam para lidar com os problemas, mas lembre-se de que são crianças. Brigar com seus irmãos faz parte de ser criança.

10 –  Cuide das necessidades de cada criança

Seus filhos precisam sentir que você os ama e os valoriza igualmente – dessa forma, eles não sentirão que precisam competir por seu carinho e atenção. Você pode promover esses sentimentos:

  • passar um tempo especial com cada criança regularmente
  • dando muitos abraços e sorrisos para todos
  • tentando não comparar as crianças umas com as outras.

Também pode ajudar se as crianças tiverem algumas coisas especiais que não precisam compartilhar com os irmãos. Um pouco de espaço privado – mesmo que seja uma gaveta na qual os irmãos não possam entrar – também é uma boa ideia.

E as crianças vão se sentir valorizadas se você deixar claro que não é certo que as crianças mais novas estraguem as atividades das crianças mais velhas e vice-versa. Pode ajudar a criar espaço ou tempo para as crianças fazerem coisas sem seus irmãos.

11 –  Defina regras familiares claras

As regras permitem que as crianças saibam o que é bom e o que não é. Se você tem regras familiares , é mais fácil para você lembrar as crianças de como você espera que elas se tratem.

Aqui estão algumas dicas para fazer as regras funcionarem:

  • Envolva as crianças na criação de regras. Quando as crianças ajudaram a fazer as regras, é mais provável que se lembrem delas e as respeitem.
  • Escreva regras que incluam declarações positivas sobre como você quer tratar um ao outro – por exemplo, ‘Usamos uma voz educada quando falamos com os outros’.
  • Coloque uma cópia das regras da sua casa na geladeira ou em algum lugar que todos possam vê-las.

Siga todas as vezes que as crianças cumprirem ou quebrarem as regras. Comece com um lembrete amigável – ‘Lembre-se, você precisa falar bem um com o outro’. Então dê outra chance. Se as crianças ainda quebrarem as regras, use uma consequência acordada .

12 – Configure rotinas

É muito mais fácil lidar com desentendimentos sobre coisas do dia a dia quando você tem uma rotina familiar . Isso significa que todos sabem de quem é a vez de escolher um filme, quem faz quais tarefas e em que dias, e quem é o primeiro da fila para o PlayStation, trampolim ou banheiro, e assim por diante.

Uma rotina de amostra pode ser assim:

  • Televisão: Sara escolhe o programa das 18h30 às 19h. Zeca escolhe das 19h30 às 20h (depois que Sara foi para a cama).
  • Jogos: Zeca escolhe aos sábados, Sara escolhe aos domingos.
  • Banheiro: Zeca usa o banheiro primeiro de manhã, depois a Sara.
  • Tarefas: Sara e Zeca se revezam para fazer as tarefas – recolher o lixo uma semana, secar a louça na semana seguinte.

13 –  Flagre-as sendo boas

Isso significa perceber e dar feedback positivo aos seus filhos quando eles estão se comportando bem. Quando você diz às crianças de forma clara e específica o que elas estão fazendo bem , é muito mais provável que você veja esse comportamento novamente.

Aqui estão alguns exemplos de elogios e incentivos claros e específicos :

  • — Gosto muito do jeito que vocês dois se revezam no pula-pula.
  • – Vocês todos estão compartilhando e jogando muito bem juntos.
  • — Ei, você resolveu esse problema muito bem. Que tal comemorarmos com um filme hoje à noite?

14 – Mostre às crianças como se dar bem umas com as outras

Você é o modelo número um de seus filhos. Seus filhos perceberão se você resolver as diferenças sem brigar.

Se você quer que seus filhos resolvam as coisas com calma e respeito, eles precisam ver você fazendo isso. Se você quer que eles possam pedir desculpas aos outros, eles precisam ver você se desculpando também. Também é útil para as crianças verem diferenças de opinião respeitosas. Isso os ajuda a entender que nem todos verão as coisas da mesma maneira, e tudo bem.

15 –  Treine seus filhos

Você é o treinador de resolução de problemas de seus filhos. Você os ensina a lidar com desentendimentos e os orienta em habilidades para gerenciar sentimentos de raiva, negociar e jogar limpo . Isso é melhor do que ser um árbitro que separa brigas ou intervém quando elas estão se formando.

Aqui estão algumas dicas para treinar seus filhos na resolução de problemas :

  • Dê aos seus filhos oportunidades de brincar com os outros. Grupos de brincadeiras, encontros e jogos ajudam as crianças a aprender a brincar bem juntas e a praticar alternativas positivas à luta.
  • Entre com ideias assim que perceber que as crianças estão achando difícil resolver as coisas. Por exemplo, ‘Lembre-se de compartilhar’, ou ‘Você consegue pensar em uma maneira de vocês dois terem uma vez?
  • Converse sobre as coisas mais tarde. Com crianças mais velhas, elaborar uma solução livre de culpa depois tornará a briga menos provável de acontecer novamente. Por exemplo, ‘Como você conseguiu lidar com isso para que vocês dois pudessem usar o tablet?’
  • Ajude as crianças a encontrar maneiras de expressar sentimentos de aborrecimento ou raiva por meio de palavras calmas ou atividades positivas. Por exemplo, brincadeiras com água, pintura e massinha ajudam as crianças mais novas a expressar sentimentos. As crianças mais velhas podem achar que chutar uma bola ou tocar música ajuda.
  • Ensine e modele a habilidade social de ‘discordar respeitosamente’. Isso envolve dizer algo com o qual ambos podem concordar e depois dizer o que você não concorda. Por exemplo, ‘Concordo que a vovó lhe deu o livro no seu aniversário, mas não acho justo impedir sua irmã de lê-lo se ela pedir educadamente’.

16 – Prevenção das brigas

Pode ajudar a pensar com antecedência sobre como lidar com brigas em situações complicadas, em alguns casos,  explicar que, se a briga começar, você removerá  um privilégio. Mas também é uma boa ideia preparar as coisas para que haja menos oportunidades para as crianças brigarem.

Aqui estão algumas ideias para ajudá-lo a planejar os pontos quentes de combate comuns.

Em casa:

  • Certifique-se de que há brinquedos suficientes para todos, para que as crianças possam brincar juntas sem ter que se revezar sempre.
  • Se você estiver organizando encontros para brincar, tente convidar um amigo para cada um de seus filhos ou organizar para que uma criança vá para outro lugar se a outra estiver com um amigo.
  • Faça com que as crianças brinquem perto de você para que você possa intervir rapidamente se os desentendimentos se transformarem em brigas – especialmente para crianças menores de cinco anos.
  • Distraia as crianças ou mude o ambiente se sentir uma briga chegando. Por exemplo, sugira um novo jogo, junte-se a você por um tempo, leve as crianças para brincar ao ar livre ou leia um livro com uma criança de cada lado.
  • Se você precisar fazer um telefonema, organize uma atividade (ou duas atividades separadas) para as crianças que as manterão interessadas.

No supermercado

  • Crie uma regra especial. Por exemplo, ‘Sem brigas no supermercado significa que iremos ao parque depois de chegarmos em casa’.
  • Peça às crianças que segurem os lados opostos do carrinho de compras. Ou envie-os para extremidades opostas do corredor para escolher itens de mercearia.
  • Dê a cada um de seus filhos um trabalho. Por exemplo, um pode segurar a lista e ler cada item, e o outro pode tirar os itens da prateleira.
  • Se as brigas de supermercado forem muito ruins, veja se você pode deixar uma das crianças com um amigo ou familiar enquanto faz compras.
    Fora e sobre
  • Distraia as crianças se você sentir uma briga chegando. Por exemplo, um jogo como ‘eu espio’ pode funcionar no supermercado, na praia, no transporte público ou no carro.
    Nos transportes públicos, estacione-se ou um carrinho de bebé entre as crianças.

No carro

  • Se houver um assento vago na parte de trás, sente as crianças em ambos os lados. Ou coloque uma criança adulta ou mais velha entre as crianças mais propensas a brigar.
  • Se o seu filho mais velho tiver idade suficiente, coloque-o no banco da frente. Tenha em mente que é ilegal permitir que crianças menores de quatro anos viajem no banco da frente, e existem requisitos legais para viagens de carro para crianças menores de sete anos.
  • Sempre encoste se uma briga começar enquanto você estiver dirigindo. Virar-se para conversar com as crianças ou separá-las tira sua atenção da estrada.

17 – De vez em quando deixe as crianças resolverem sozinhas

Com sua ajuda, as crianças podem aprender a resolver as divergências sozinhas, sem brigas. Isso pode ajudar seus filhos a se dar melhor e lidar positivamente com conflitos com outras crianças.

Aqui estão algumas dicas para ajudar seus filhos a resolverem as coisas:

  • Deixe as crianças irem se elas estiverem tentando resolver as coisas. Falar, debater e até discutir são sinais de que as crianças estão tentando resolver as coisas. Adicione alguns comentários entusiasmados sobre a maneira como eles estão interagindo. Por exemplo, ‘Ei, estou muito orgulhoso da maneira como você está tentando resolver isso sozinho’.
  • Dê algumas dicas. Algumas sugestões bem colocadas podem ser tudo o que as crianças precisam. Por exemplo, ‘Você acha que esse é o melhor tom de voz agora?’ ou ‘Lembre-se de ser justo e revezar. De quem foi a última vez?
  • Dê lembretes amigáveis sobre as regras da casa, o que você espera e o que acontecerá se uma briga começar. Por exemplo, ‘Lembre-se de que todos falamos bem’ ou ‘Lembre-se do que acontece se você não mantiver suas mãos e pés para si mesmo’.
  • Às vezes, as divergências sobre uma tela ou um brinquedo favorito parecem se transformar em xingamentos e discussões imediatamente. Se isso soa como sua situação, você pode querer iniciar os lembretes e o treinamento assim que a tela for ligada ou o brinquedo sair.

Sobre a foto de capa: Ao procurar a hashtag #camisetadauniao nas redes sociais, muitas fotos como estas aparecem. Pelo jeito, muitas famílias estão recorrendo ao método coercitivo da “camiseta da união”. E você, o que tem feito para ensinar as crianças a mediar os conflitos? 

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.