Quando penso em minha mãe quando eu era criança, não tenho uma única lembrança dela sorrindo. Ela sofria de depressão crônica, e isso afetava a mim e meus quatro irmãos todos os dias. Aprendemos rapidamente que não podíamos depender dela para apoio emocional ou físico. Aos 7, tornei-me a cuidadora da minha família. Eu fazia torradas e café para minha mãe todas as manhãs. Então, eu fazia almoços para meus irmãos, passava suas camisas e ajudava no dever de casa deles.

Quando a maioria de nós ouve o termo “depressão materna”, provavelmente pensamos em depressão pós-parto ou “baby blues”.

Algumas mães, no entanto, não conseguem se livrar dessa tristeza, mesmo quando seus bebês crescem e se tornam crianças e adolescentes. De acordo com o National Council on the Developing Child Working Paper on Maternal Depression, 10 a 20 por cento das mães sofrem de depressão em algum momento de suas vidas, e muitas vezes quando seus filhos são pequenos. Em média, a depressão materna das mulheres atinge o pico quatro anos após o nascimento de seus filhos, de acordo com um dos maiores estudos até hoje do Murdoch Children’s Research Institute. 

As mães deprimidas são muitas vezes retraídas, desengajadas e infelizes. Esses sintomas podem soar muito como depressão “regular”, e são. O que mais o diferencia para as mães é o profundo impacto que pode ter em seus filhos.

Eu sou um exemplo. Tenho lembranças vívidas de sentar do lado de fora da porta trancada do quarto de minha mãe, lendo livros e esperando que a qualquer momento ela surgisse animada por me ver. Desenhei centenas de desenhos para ela, esperando que de alguma forma algo que eu pudesse fazê-la querer passar tempo e interagir comigo. Isso nunca aconteceu.

Para crianças pequenas, o desenvolvimento saudável depende das interações diárias, consistentes e responsivas com um cuidador principal. As mães que sofrem de depressão crônica têm dificuldade em fazer coisas como levar as crianças ao parque, ler livros ou até mesmo conversar. A falta dessas importantes interações diárias pode ter consequências negativas a longo prazo no desenvolvimento do cérebro e na saúde geral. Viver com uma mãe deprimida também pode moldar o desenvolvimento do estresse em uma criança, causando níveis aumentados de ansiedade e emoções retraídas que perduram ao longo do tempo.

Embora meus anos de infância tenham ficado para trás, ainda sou assombrada por minhas memórias e pelos efeitos emocionais da depressão não tratada de minha mãe. Olho para a minha infância e vejo uma criança sobrecarregada, sensível e ansiosa. Eu era uma perfeccionista, uma superdotada, sempre tentando fazer com que minha mãe me notasse, sempre ansiando por sua aceitação, amor e atenção que simplesmente nunca vinham no meu caminho. Somente agora, como adulta, que percebi que não era que ela não desejava passar tempo comigo, mas sim, que ela era emocionalmente incapaz de fazê-lo. Ela estava presa no buraco escuro e profundo que varria seu caminho.

Quando minha mãe morreu, oito anos atrás, encontrei uma lista de coisas que ela sempre quis fazer na vida. Uma coisa dessa lista tem me assombrado todos os dias: “Ser feliz por meus filhos”.

A depressão materna geralmente não é identificada e apenas 15% das mulheres que sofrem dela obtêm cuidados profissionais. Embora não esteja claro porquê algumas mães são mais suscetíveis a sintomas depressivos, o que está claro é que repensar a vigilância da saúde materna além do pós-parto é importante, pois pode ter efeitos debilitantes e prejudiciais a longo prazo tanto para as famílias quanto para as crianças.

Minha mãe nunca recebeu ajuda. Meu pai trabalhava longas horas e, embora eu saiba que ele percebeu que ela era deprimida, nunca conversamos sobre isso. Nunca. Meus irmãos também sabiam que algo não estava certo, mas nunca conversamos sobre isso. Nunca. Minha mãe teve uma carreira de sucesso e conseguiu mascarar seus sintomas em público. Sua depressão estava escondida atrás de portas fechadas.

Estou escolhendo abrir a porta escrevendo publicamente sobre minhas experiências de infância pela primeira vez, para iniciar uma conversa que espero possa levar a mais conscientização, pesquisas, defesas e políticas para estudos sobre depressão. Porque toda criança merece ter uma mãe que sorria.

PS – É importante salientar que a depressão não é uma escolha, não é frescura, não é falta de Deus. É uma doença grave que pode levar à automutilação, à anorexia, à obesidade, à drogadição, ao alcoolismo, aos transtornos mentais graves e ao suicídio. Pode desencadear doenças crônicas, tais como fibromialgia, gastrite, diabetes, hipertensão, artrite, dores de cabeça e alguns tipos de canceres.  Veja este importante estudo: É verdade que a depressão pode ser herdada?

Texto da doutora Ann Mastergeorge. Ela é cientista do desenvolvimento e membro do corpo docente de Estudos da Família e Desenvolvimento Humano da Universidade do Arizona. Traduzido de Washington Post  por Portal Raízes

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.