A maioria de nós (mesmo aqueles que são membros de famílias relativamente funcionais) sabe que nem todas as famílias são um poço de positividade. 

Dito de outra forma, alguns de nós vieram a este mundo com um (ou mesmo os dois) pais que eram de alguma forma abusivos, negligentes ou terríveis. Tradução: enquanto nenhum pai e/ou mãe é perfeito, alguns de nós têm pais/mães ruins. E alguns de nós têm pais/mães que são simplesmente imperdoáveis. Certo?

Meu pais abusivos não queriam se reconciliar

Pessoalmente, cresci com um pai que era muito abusivo psicologicamente, que gostava de fazer jogos de culpa, vergonha e medo. Além disso, ele abusou fisicamente da minha mãe. De vez em quando, ele também agredia meus irmãos e eu. Felizmente, embora o estrago já tenha sido feito, minha família já passou há muito desse estágio coletivo de nossas vidas. 

Embora eu tenha tentado me reconciliar com meu pai depois de adulta, não tive sucesso; ele não estava interessado em me ter em sua vida. Às vezes, nossos pais têm demônios que nunca entenderemos completamente, e é assim que as coisas são.

Se você fez ou não esforços para se reconciliar com seu pai ou mãe problemático(a), e se teve sucesso ou não, preciso te dizer: perdoá-los é necessário para seu próprio avanço e cura.

Mas seu perdão nunca deve depender de seus pais escolherem ou não evoluir como seres humanos – ou se eles “merecem” ou não. Não, perdoá-los é somente sobre você. Pense nisso como um ato egoísta (mas muito positivo) que permite que você supere a porcaria do passado e o trauma. 

Só porque nunca me reconciliei com meu pai não significa que não o perdoei. Eu perdoei. Durante anos, mantive a raiva dirigida a ele e alimentada por todas as coisas controladoras, manipuladoras, delirantes e francamente cruéis que ele fazia.

Meu pai gostava de descontar sua raiva naqueles com menos “poder” do que ele – para ele, isso significava seus filhos, sua esposa e até nossos animais de estimação da família – ele uma vez chutou nosso cachorro escada abaixo sem motivo algum.

E ele cozinhava regularmente a única refeição que ele sabia que eu odiava pelo único motivo de eu odiar. Ele então me forçava a comer, às vezes a ponto de eu vomitar. Uma vez, ele me fez comer isso também – sem brincadeira. É um milagre eu nunca ter tido um distúrbio alimentar, embora até hoje eu tenha certeza de que meus problemas digestivos se originaram naquela época. 

No entanto, eu ainda perdoei meu pai porque era o melhor para mim. 

Mesmo que pareça imperdoável, você pode encontrar uma maneira

Para aqueles de nós que balançam a cabeça ao pensar em perdoar pais imperdoáveis ​​e completamente inconscientes, há boas notícias: perdoar não significa necessariamente que você tenha que vê-los novamente. Significa apenas liberar sua alma para que você possa aprender a prosperar sem peso desnecessário ou ódio tóxico que obscurece sua luz ou causa problemas de saúde. 

Se você sabe que sua raiva contra seus pais está diminuindo sua qualidade de vida, talvez você possa aprender com as seguintes 4 maneiras pelas quais conseguir encontrar perdão em si mesmo:

1. Reconheça e aceite todas as razões pelas quais você está com raiva

Literalmente: nomeie e soletre todas para si mesmo, de forma agradável e clara. Recomendo anotá-las. Por exemplo, eu estava com raiva de meu pai por tornar minha infância assustadora e cheia de ansiedade, mas também estava com raiva dele por se recusar a evoluir e estar em minha vida já adulta; Na verdade, eu também me senti abandonada por ele.

Depois de ter sua lista, mantenha-a pelo tempo que quiser – até que esteja pronto para deixar ir. Você pode colocar na parede em um local proeminente que te force a olhar – como acima do vaso sanitário ou na geladeira.

Quanto mais você enfrentar claramente as razões por trás de alguns dos sentimentos mais profundos que moldam quem você é, mais fácil será finalmente deixá-los ir. Você pode experimentar uma série de emoções intensas ao enfrentar essas razões de frente.

Sugiro sentir sua raiva e sua dor em vez de enterrá-las. O objetivo é desenterrá-las. Quando estiver pronto, faça uma pequena cerimônia onde você queima o papel, junto com quaisquer outros pertences que você tenha que representem os sentimentos que você deseja liberar.

2. Escreva uma carta

Talvez seja porque eu sou uma escritora, mas acho que a palavra escrita tem seu poder em momentos como esses. Eu recomendo escrever a seu pai e/ou mãe uma carta expressando tudo o que você sente. Fique longe de acusações, não importa o quanto você ache que elas são justificadas.

Atenha-se a declarações com “eu” em vez de declarações com “você”. Esta carta não é uma carta que você enviará (a menos que você queira), mas é em grande parte destinada a liberar emoções antigas e presas que não estão mais lhe servindo – como culpa. 

3. Faça exercícios físicos

As velhas emoções não ficam apenas presas em nossas cabeças e corações – elas também ficam presas em nossos corpos. Até hoje, embora eu tenha perdoado meu pai há muito tempo e não sinta mais ressentimento ou acusação borbulhando, a ansiedade é um hábito difícil de se livrar, pois muitas vezes parece “morar” nas células do nosso corpo.

Para ajudar a extrair esses sentimentos do seu corpo para que você não acabe comprometendo sua saúde, recomendo esportes solo como correr, pedalar ou pular em um trampolim, o que falar com você servirá. Esta é uma boa maneira de não deixar velhos sentimentos apodrecerem. Acalme-se, literalmente. Este só funcionará uma vez que você tenha escolhido perdoar, no entanto.

4. Procure terapia (qualquer tipo)

A terapia vem em muitas formas diferentes. Um punhado de sessões de terapia de conversa funcionou para mim, isso foi o suficiente. Conversar com amigos íntimos, aprofundar minha escrita criativa, e encontrar infinitas maneiras de nutrir meu senso de humor foram as principais maneiras de manter meu ato de perdão, encontrando maneiras contínuas de me amar.

Conclusão: perdoar um pai/mãe é, em última análise, aprender a amar a si mesmo quando a pessoa que te criou fez um trabalho questionável. 

Texto de Maya Khamala, traduzido e adaptado por Portal Raízes.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.