O filme Como se Fosse a Primeira Vez – 2004 (tradução livre para 50 First Dates) com Adam Sandler e Drew Barrymore, pode ser uma comédia romântica, mas se você imaginar uma vida em que  a pessoa não é capaz de criar novas memórias e passa todos os seus dias revivendo um único dia, provavelmente não seria tão engraçado.

A história de Como Se Fosse A Primeira Vez é real?

O filme Como se fosse a Primeira Vez conta a saga de uma jovem que perde a memória todos os dias, esquecendo-se de tudo sobre a sua vida. Enquanto isso, seu companheiro se empenha em reconquistá-la, fazendo ela se apaixonar ao final da tarde. A narrativa, digna de uma obra cinematográfica, foi, na verdade, inspirada em uma história real.

E essa é a realidade para Michelle Philpots de Spalding em Lincolnshire, cuja memória foi apagada todos os dias nos últimos 26 anos, assim como a personagem Lucy de Barrymore no filme de 2004.

Michelle ficou com um tipo de amnésia. Afirma que o Dr. Peter Nestor, um especialista em neurociência da Universidade de Cambridge, descreveu como “raro, mas existe”, após seu envolvimento em dois acidentes de veículos. O primeiro acidente ocorreu em 1985, quando Philpots estava em uma motocicleta, e cinco anos depois, quando em um carro em 1990, ela se envolveu em um segundo acidente. Ela sofreu trauma na cabeça em ambos os incidentes.

Quatro anos depois, em 1994, os médicos diagnosticaram Michelle com epilepsia como resultado dos ferimentos na cabeça que ela havia sofrido, e a partir daí as coisas pioraram cada vez mais. Michelle estava tendo convulsões regulares, e também começando a se tornar esquecida. Sua memória ficou tão ruim, na verdade, que ela acabou sendo demitida de seu emprego depois que ela fotocopiou um único documento repetidamente um dia, simplesmente por ter esquecido que tinha feito isso.

Sempre o mesmo dia

Michelle e o marido. Foto: Divulgação

E agora Michelle está presa em 1994. Suas memórias não vão além daquele ano, o que significa que ela acorda todos os dias pensando que é 23 anos mais jovem do que seus reais 53 anos, acreditando que John Major ainda é o primeiro-ministro e que Forrest Gump é um novo filme.

Mas onde a personagem Lucy em Como se Fosse a Primeira Vez perde a memória todas as noites quando vai dormir, pode ser ainda mais grave no caso de amnésia anterógrada de Michelle. Enquanto ela esquece o que aconteceu todos os dias sem falhar, regredindo de volta a 1994 em sua mente, às vezes a perda de memória pode ocorrer tão frequentemente quanto minutos após a criação de uma nova memória. Assim, ela pode encontrar alguém e em poucos instantes pode esquecer com quem está falando e por quê.

Michelle Philpots Foto: Divulgação

E assim como no filme Antes de Dormir com Nicole Kidman , onde a protagonista também acorda todos os dias sem ter ideia de que perdeu a memória, Michelle tem métodos para ajudá-la a se lembrar das coisas. Ela pontilha notas Post-it por toda a casa, bem como usa o calendário em seu telefone (embora ela provavelmente fique confusa sobre o que é mesmo; telefones celulares não eram exatamente comuns em 1994) para lembrá-la dos lugares que ela tinha que ir ou pessoas que ela providenciou para ver.

Mas o distúrbio de Michelle pode ser uma luta, especialmente para seu marido Ian. “Pode ser muito frustrante para mim, mas tenho que ser paciente e entender. Tenho que manter a calma porque a amo”, disse ele , acrescentando: “Tenho sorte de nos conhecermos antes dela ter os acidentes, porque ela pode se lembrar de mim. Felizmente, temos muitas fotos para lembrá-la, caso contrário, ela esqueceria tudo”.

A experiência é mais bizarra para Michelle, entretanto, que tem que aprender essa difícil informação repetidamente todos os dias. “Eu adoro assistir EastEnders, mas não consigo me lembrar dos personagens ou de qualquer enredo”, disse ela. “É como se eu estivesse vivendo o mesmo dia, dia após dia”. Isso vai nos ensinar a não tomar nossas memórias, totalmente funcionais, como certas, não é?

As informações são do site Cosmopolitan

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.