Conheça como surgiu o bairro da Mooca

Portal Raízes

Quem imagina Mooca como um distrito provincial e de macarrão, cuja principal diversão nas noites de sábado é comer pizza com vinho em dezenas de pizzarias locais, muitas vezes ridicularizada em inúmeras novelas e programas de TV humorísticos, não é tão ruim assim. Este bairro possui características próprias que o diferenciam de todos os outros bairros de São Paulo.

Uma dessas características é a maneira como as pessoas falam sobre seus habitantes: a Mooca tem um sotaque único. Mesmo aqueles que não vêm de lá, mas moram lá há algum tempo, adquirem esse sotaque, e um modo de falar com as mãos. Mesmo que não seja um bairro do qual se orgulhe por seu status social, o mooquenses se orgulha de dizer que vive em Mooca. É comum ver pessoas com camisetas ou adesivos no carro expressando sua paixão pela região.

Alguns mooquenses indígenas dizem que Mooca é ainda mais que um bairro, é um estado de espírito, que apenas eles podem entender, mas não sabem explicar, já que vem de uma época em que havia um lugar para longas conversas nas ruas e praças. Quem nasceu em Mooca dificilmente se muda para outro bairro e, se o fizer, volta sempre à sua origem. Embora sua história seja confundida com a da cidade de São Paulo, existem poucas referências à história do bairro, sendo ele um dos mais tradicionais e antigos da cidade. Mas mesmo nas poucas referências encontradas, vale a pena relatar muitos fatos e detalhes interessantes e importantes para quem deseja comprar uma casa ou apartamento na Mooca.

Desenvolvimento do bairro da Mooca

A região começou a ser explorada com mais intensidade à medida que o centro da cidade se desenvolvia, mas o primeiro marco histórico na área é 17 de agosto de 1556. Naquela época, a vila era habitada por povos indígenas, de onde deriva o nome Mooca, que significa “cria uma casa”, referindo-se às primeiras casas que os brancos construíram.

Uma das maiores atrações que caracterizou Mooca foi a presença do “rio de muitas curvas” chamado Tamanduateí, que deságua no Tietê, mas hoje infelizmente está contaminado.

No primeiro século do pós-império, Mooca estava cheia de grandes casas e fazendas e até recebeu o requintado endereço de Regente Feijó. Ao longo dos anos, a região foi fragmentada e começou a receber vendas e pequenas fábricas que foram um dos principais centros industriais do século XX ao longo da história. Os nomes das ruas permaneciam na cultura indígena: Javari, Taquari, Cassandoca, Itaqueri, Ariboia, Guaimbé, Tabajaras, Camé, Iucatão, Piratininga, Puris, Juatindiba e inúmeros outros cujos nomes foram substituídos.

Graças ao forte potencial econômico, a área se tornou operária e recebeu o Jockey Club, o estádio de futebol do Clube Juventus, além de uma forte imigração italiana que se instalou na Mooca e fortaleceu suas raízes lá. Os descendentes dos italianos estão participando ativamente, ainda hoje, como mais que verdadeiros mooquenses.

O bairro foi se formando gradualmente, pois o local era cheio de fazendas e logo começou a ser ocupado por fábricas, além de imóveis na Mooca para trabalhadores. Assim, entre 1883 e 1890, várias fábricas de massas como Carolina Gallo, Rosália Média, Romanelli e outras foram instaladas. A tradição da área se reflete na arquitetura de enormes galpões, que abrigavam fábricas e plantas industriais.

Também vale lembrar que a região da Mooca teve um papel bem importante na economia do Estado paulista, tanto na indústria têxtil quanto em outros setores. A Indústria Rodolpho Crespi foi pioneira, surgiram muitas outras: Armazéns Matarazzo, Grandes Moinhos Gamba, Casa Vanordim, Tecelagem Três Irmãos, etc. Mooca era então considerada um distrito fabril. Ainda existem poucas indústrias em seu território hoje, mas os habitantes da área não apenas trabalhavam, pois em 1923, o Cine Teatro Moderno, o Cine Santo Antônio, seguido pelo Cine Aliança, Imperial, Icaraí que mais tarde se tornou o Ouro Verde.

Como está o bairro da Mooca atualmente

Agora existem as grandes avenidas de São Paulo, onde a maioria das residências deu lugar a edifícios modernos, alguns deles sofisticados ou convertidos em instituições bancárias e comerciais. Clube social da Juventus, com a construção de uma residência de alto padrão. De acordo com especialistas imobiliários, o Mooca está passando por um processo de transformação imobiliária. As fábricas e indústrias dos últimos anos cederam e continuam a fornecer espaço para novos e diversificados investimentos imobiliários.

Assim, demonstrando toda essa qualidade contrastante, até hoje você encontra muitas mansões antigas com fachadas de estilos diferentes, construídas por mestres da construção, decoradas com guirlandas e baixos-relevos, objeto de admiração e estudo de novos arquitetos, próximos a residências modernas, além de ruas estreitas, típicas das antigas cidades europeias, ao longo de amplas ruas.

Segundo uma pesquisa do jornal da Tarde, com 7 quilômetros quadrados e uma população de mais de 63.000 habitantes, Mooca é o maior bairro de São Paulo e suas características correspondem exatamente à média da cidade. A Mooca de hoje é um bairro completo e autônomo que mantém suas características residenciais e familiares sem sacrificar a infraestrutura moderna. É quase como uma cidade interior dentro de uma cidade grande, perfeita para quem quer tranquilidade ao procurar uma casa ou apartamento para alugar na Mooca.

Gostou deste artigo? Então compartilhe em suas redes sociais para que seus amigos também possam conhecer como surgiu o bairro da Mooca!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.