Conheça o livro que pode ser plantado depois de lido

Portal Raízes

Para produção de papéis e livros, diversas árvores são derrubadas e muitos litros de água são gastos. Com o objetivo de incentivar a sustentabilidade e desenvolver a consciência ambiental, a editora argentina de livros infantis Pequeño Editor publicou um “livro árvore”, em parceira com agência de publicidade FCB Buenos Aires, o primeiro livro que pode ser plantado após ser lido.

Os exemplares do livro “Meu pai estava na selva” foram feitos a partir de tintas ecológicas e papel reciclado. Os livros possuem sementes de jacarandá, uma árvore ameaçada de extinção, principalmente na Argentina. Quando a criança termina de ler o livro, ela pode plantá-lo e ver o crescimento de uma nova árvore, devolvendo à natureza o que dela foi retirado.

“Quando um projeto tem algo importante a oferecer ao mundo, colaborando com a ecologia, nos faz sentir bem. É o caso deste livro. Não é nem mais nem menos do que um objeto que atinge crianças conscientes sobre o cuidado com a natureza”, disse Tony Waissmann, da FCB Buenos Aires, ao portal.

O livro conta uma história cheia de ingenuidade e humor sobre uma viagem na selva equatoriana. As ilustrações são encantadoras.

Fonte: Fãs de Psicanálise

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.