De heróis a “atormentados”: uma sociedade que assedia seus médicos não os merece

Portal Raízes

“Se um caso for confirmado no prédio, você será responsável! É a mensagem que Mina, enfermeira de Dourdan, França, que trabalha na linha de frente com pacientes Covid-19, encontrou no para-brisa de seu carro. Foi assinado em nome do “bairro”. A tensão acumulada foi tão grande que ela começou a chorar ali mesmo, segundo relatos do Le Parisien.

Em El Poblenou, em Barcelona, foram menos “diplomáticos”. Uma ginecologista teve seu carro pichado com as palavras “rata contagiosa”, então não havia dúvidas de que ela não era bem-vinda no prédio. Silvina caiu em estado de choque com a humilhação grosseira e tremenda, segundo o El Mundo.

O carro da médica assediada

Seus casos não são isolados. No Hospital Lariboisière, ao norte de Paris, eles tiveram que contratar guarda-costas para escoltar a equipe médica para seus carros ou para a entrada do metrô porque estão sofrendo ataques físicos, conforme relatado pela L’Express.

De repente, os heróis que uma parte do país aplaude efusivamente de suas varandas, reconhecendo seu trabalho difícil, também se tornaram as “pragas” que poucos querem ter ao seu lado e, se possível, gostariam de marcar com uma grande letra escarlate no peito.

E isso só poderia gerar um vergonha colossal. Uma raiva colossal também. E no final, uma tremenda desolação.

Quando o impensável toma forma

O coronavírus nos pegou de surpresa. Nosso mundo virou de cabeça para baixo. Ele colocou nossas emoções em um mixer e as devolveu misturadas e confusas. Às ondas de medo e pânico são acrescentadas ondas de esperança e força, seguidas de fases de tristeza e desconforto.

No entanto, não há motivo, desculpa ou possível pretexto para atacar aqueles que nos protegem, salvam nossas vidas – arriscando as suas – ou se expõem todos os dias para garantir os serviços mínimos de que precisamos.

O medo, em nenhuma de suas formas, é um pretexto suficiente para esses ataques. Ausência de empatia, egoísmo abismal e ignorância, sim. Porque, como Albert Camus escreveu, “a estupidez sempre insiste”. E ela reluta em ouvir a razão, pois sua base sempre foi a irreflexão.

Hannah Arendt, uma filosofa que teve que fugir da Alemanha nazista, estava familiarizada com esse fenômeno no seu melhor. Ele nos alertou que “a maioria não era pervertida nem sádica, mas era e continua sendo terrível e assustadoramente normal”. O que os levou a se tornarem criminosos foi “apenas pura e simples irreflexão. Uma curiosa, e verdadeiramente autêntica, incapacidade de pensar”.

O aviso de Arendt caiu em ouvidos surdos, porque suas palavras eram muito mais aterradoras do que as atrocidades dos nazistas, pois nos confronta com uma terrível verdade: a incapacidade de parar para refletir sobre as consequências de nossas ações é o que pode tirar nossa humanidade e nos fazer cometer ações desprezíveis.

É a tendência de seguir slogans sem realmente refletir, como colocar uma placa com arco-íris sorridentes na porta de sua casa e a mensagem #fiqueemcasa enquanto você pede – com calma, desnecessariamente e inconscientemente – a pizza por um entregador.

É a tendência de continuar acreditando que somos o umbigo do mundo e que o resto dos mortais deve se adaptar às nossas necessidades. Desejar se apegar a uma segurança que não existe. E ficar zangados, como crianças pequenas, com quem nos lembra que somos vulneráveis, que doenças e morte podem estar chegando.

É a tendência de procurar culpados que possam palpar, ouvir e, se possível, também atacar – se chegar o momento. É a tendência de escorrer pela “crosta da civilização”, como descreveu o jornalista Timothy Garton, ante ao menor choque social. Perdendo não apenas os pontos cardeais que governam as relações sociais, mas também os valores que distinguem a humanidade.

A rejeição que dói mais

Grafite, cartazes e ameaças de despejo por medo de contágio são, obviamente, considerados crimes de ódio. E, como tal, eles podem ser denunciados, condenados, perseguidos e punidos. Mas a coisa mais terrível para quem sofre esse tipo de assédio é que o que até alguns dias atrás era impensável e incompreensível tomou forma e, em alguns lugares, ameaça se normalizar.

O terrível é que aquelas pessoas que arriscam suas próprias vidas, não mais por salário, mas por consciência e responsabilidade, foram feridas no momento em que ficaram mais vulneráveis. Essas pessoas foram relegadas, separadas e rejeitadas por aqueles que até recentemente faziam parte de seus círculos de confiança. Elas foram rejeitadas por cumprirem seu dever. Por ajudar. Por salvar vidas.

E isso primeiro gera enorme confusão e depois raiva infinita. Isso gera tristeza. Faz você querer jogar a toalha. Isso faz você se perguntar por quem exatamente você está lutando. E acima de tudo, se todo esse sacrifício vale a pena.

Porque o pessoal médico não é composto de heróis com armaduras à prova de balas. É composto de pessoas que realizam atos heroicos. Mas essas pessoas também sofrem pela humilhação e desprezo. Porque agora elas são extremamente vulneráveis ​​psicologicamente.

Portanto, é importante que todas essas pessoas se sintam protegidas pela outra parte da sociedade. Essa parte que, embora também tenha medo, sabe como guarda-lo para apoiar os mais fracos. Que também está cansada, mas tira forças para dar um sorriso. Embora viva na incerteza, como todo mundo, sabe como transmitir segurança. Essa parte que pensa. Que valoriza. Não adere a slogans de curta duração, mas procura uma maneira de contribuir com seu grão de areia.

E o grão de areia que nos corresponde para contribuir neste momento consiste em apoiar todos aqueles que estão nos apoiando. Incondicionalmente. Fazer uma barreira contra a ignorância. Mandar embora o egoísmo. E nutrir empatia.

Porque se essa crise nos ensinou alguma coisa, é que um vírus pode ser assustador, mas as reações humanas podem fazer a diferença. E a partir dessa situação, como escreveu Juan Rulfo, “nos salvamos juntos ou afundamos separadamente”. Caso alguém não tenha entendido.

Texto de Jennifer Delgado, em Rincón de La Psicología, traduzido e adaptado pela equipe do Portal Raízes.

Foto de capa: Manu Fernández

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.