Depois de 70 anos, livro ‘O Pequeno Príncipe’ ganha versão em braile

Portal Raízes

O Pequeno Príncipe, é um clássico da literatura, lançado em 1943, do escritor, ilustrador e aviador francês Antoine de Saint-Exupéry. Trata-se de uma das obras literárias mais traduzidas no mundo: publicada em mais de 360 idiomas e dialetos.

Após quase sete décadas desde seu lançamento, o livro finalmente ganhou sua primeira versão em braille, lançada em dezembro de 2014.

A transcrição ficou a cargo do artista Claude Garrandes, que é cego, com o apoio da Fundação da Juventude Antoine de Saint-Exupéry. A versão também apresenta 23 aquarelas originais em revelo para percepção tátil. Outro grande passo, já que as ilustrações, feitas pelo próprio autor, conduzem todo o tom comovente e inteligente da obra.

Segundo um levantamento da União Mundial de Cegos (WBU), de todas as obras literárias produzidas no mundo, apenas 5% são transcritas para braille nos países desenvolvidos. O percentual cai para 1% nos países em desenvolvimento.

A edição de O Pequeno Príncipe em braile, no entanto, surgiu como edição limitada: apenas 1.000 exemplares rodaram o mercado. Hoje, é considerada um item de luxo: quando se encontra uma edição, é preciso desembolsar cercar 239,00 €, aproximadamente R$ 1.440,28.

Infelizmente, o acesso à obra é muito restrito, já que além de ser importada, você tem que ter tanto dinheiro para comprá-la.

Uma pena, porque todos deveriam ter acesso fácil a uma história que tem tanto a nos ensinar sobre amor, amizade, ganância, perdas e os valores das coisas simples da vida.

Quem sabe com grande divulgação, consigamos despertar o interesse das grandes editoras para reproduzirem essa versão, como um ato importante de inclusão.

Fonte: Razões para Acreditar, Ideias Nutritivas e Geekness

__

Se você gostou do texto, curta, compartilhe com os amigos e não se esqueça de comentar, isso nos ajuda a continuar trazendo conteúdos incríveis para você.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.