Embora haja todo um contexto histórico, social e cultural em torno dos comportamentos relacionados à paternidade, é possível que haja a aprendizagem de novos papeis e atividades. Casais que realizam a divisão de tarefas, participando ativamente da rotina familiar tendem a se tornar mais harmoniosos, melhorando ainda o clima conjugal e educando seus filhos de forma saudável por intermédio do exemplo e do incentivo.

Assim, em meio a tantos benefícios, que tal quebrar os preconceitos socioculturais e experimentar outras formas de agir em casa? O pediatra Daniel Becker sugere as seguintes reflexões:

“Como anda a proporção da divisão das tarefas na sua casa, entre você e seu cônjuge? 70/30, 60/40, 90/10? E da divisão de todo o trabalho com os filhos, incluindo a carga mental (pensar e planejar tudo que tem que ser feito pra cuidar dos filhos: vacinas, compras de farmácia e supermercado, consultas, aulas, reuniões escolares, dever de casa, arrumação da mochila…)50/50? Acho que não. 97/3? Talvez”. Conta pra gente. Vamos mandar a real?

Pai, a criança aprende a participar das tarefas de casa mediante o seu exemplo e o seu incentivo 

“Participar das tarefas domésticas é sem dúvida um dos aprendizados mais importantes que os filhos podem receber de seus pais. Essa participação ilumina a vida de uma criança, trazendo benefícios em vários níveis:

  • ela ganha em autonomia e autoconfiança;
  • fortalece a sensação de pertencimento à família;
  • ensina a a noção de processos: as coisas não acontecem sozinhas, por trás de uma refeição ou de um quarto arrumado, existe um trabalho a ser feito;
  • promove a autoestima e a noção de sua importância;
  • fortalece o senso de potência própria: quem ajuda, está dando algo; se eu dou, é porque tenho potência;
  • abre espaço para aprender a importância do cuidado – da casa, dos outros;
  • ajuda a compreender algo fundamental para o seu futuro e o da humanidade: o pertencimento a uma comunidade, onde tarefas são compartilhadas, onde a colaboração é fundamental para a sobrevivência e bem estar de todos.

Com três anos uma criança já pode guardar seus brinquedos na caixa. Com quatro, regar plantas; com cinco, arrumar sua cama; com seis, lavar as folhas da salada; com sete, cortar legumes com uma faca de mesa (sob supervisão, aprendendo progressivamente). Com oito, varrer a casa, lavar a louça, dar comida ao cachorro. E por aí vai. Esses são apenas exemplos – em cada família o formato será diferente. Só não deixe de fazer seu filho participar”.

Conselhos do pediatra Daniel Becker, publicados em suas redes sociais.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.