Além da acústica do banheiro ser ótima pra gente cantar como um pop star, existem mais dois fatores que explicam o que faz do chuveiro uma espécie de incubador de “ideias geniais”. De acordo com o psicólogo John Kounios, diretor do programa de Ciências Cognitivas e do Cérebro da Universidade Drexel, nos Estados Unidos, em entrevista à BBC,
a primeira razão é a “restrição sensorial”.

Quando estamos sob o chuveiro, nossos sentidos diminuem um pouco. A visão é limitada pela queda da água ou porque fechamos os olhos; não podemos ouvir em detalhes porque a água age como um ruído que bloqueia outros sons; também diminuímos a sensação de toque, porque a água geralmente está em uma temperatura semelhante à do corpo, de modo que a fronteira entre o interior e o exterior não é muito perceptível.

“O que acontece no momento do banho é que os sentidos, em vez de serem focados para o exterior, estão voltados para o interior. A atenção é direcionada para o interior”, disse Kounios.

Vários estudos de laboratório mostraram que, pouco antes de termos uma ideia ou uma “revelação”, o córtex visual, uma área na parte posterior do cérebro responsável por processar os estímulos que entram pelos olhos, desliga-se ligeiramente.

Isso significa que, pouco antes de ter uma epifania, nos tornamos menos conscientes de nosso entorno, porque a atenção está focada em nosso interior. Assim, o chuveiro se torna um espaço de isolamento com poucos estímulos ou distrações externas, o que torna mais fácil a concentração nos pensamentos.

“Se você está atento a seu redor, não consegue se concentrar em seus próprios pensamentos. Você não pode ver as estrelas quando o sol está brilhando”, diz o psicólogo.

O segundo fator tem a ver com o fato de o chuveiro ser um local relaxante, onde normalmente temos um momento tranquilo e agradável. Kounios explica que vários estudos demonstraram que estar de bom humor estimula a criatividade.

“Quando está relaxando e de bom humor, você se permite pensar ambiciosamente ou até ter ideias um pouco malucas”, diz ele. O contrário também é verdadeiro, segundo o pesquisador. Se você estiver ansioso, o seu pensamento pode se tornar mais limitado.

“Se você está ansioso ou sob pressão, não pode cometer erros. Isso faz você pensar deliberadamente de forma metodológica e mais conservadora”, diz Kounios.

Agora que você tem o apoio da ciência, está pronto para tomar um bom banho e surpreender o mundo com sua próxima grande ideia.

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.