Esquecer é mais complicado para o cérebro do que lembrar

Portal Raízes

Texto de A Mente é Maravilhosa 

Todos nós já tentamos apagar da nossa mente uma memória desagradável, uma experiência traumática, uma palavra infeliz… No entanto, esquecer é mais complicado para o cérebro do que lembrar. É como se esse órgão fascinante estivesse determinado a sussurrar: “Lembre-se, lembre-se, porque as suas lembranças são a essência da sua experiência”.

Embora seja verdade que essa realidade possa parecer desesperadora, deve-se notar que tudo tem uma finalidade no universo da neurociência.

A memória constrói quem somos. Se pudéssemos apagar à vontade um capítulo de nossas vidas, deixaríamos de ser quem somos. Porque, afinal, nós somos nossas luzes e sombras, nossos sucessos e também nossos erros e tragédias.

No entanto, isso não significa que os cientistas não se perguntem por que isso acontece. Por que o cérebro não pode apagar um fato específico? Além disso, por que esquecemos algumas coisas e outras persistem, como a luz de um farol, levando-nos repetidamente às mesmas margens de memória e sofrimento?

Um estudo recente revelou as respostas para essas perguntas.

“Não há problema em dizer que o tempo vai curar tudo, que isso também passará. As pessoas esquecem. Agora, isso funciona quando você não é o protagonista desse fato, porque quando você é, não há passagem de tempo que o faça esquecer; você está no meio de algo que não muda”. – John Steinbeck

Por que esquecer é mais complicado para o cérebro do que lembrar?

A Universidade do Texas em Austin conduziu um estudo para descobrir por que esquecer é mais complicado para o cérebro do que lembrar. Embora seja verdade que isso acontece com frequência, precisamos entender quais mecanismos neuronais orquestram essa realidade psicológica.

Jarrod Lewis-Peacock, principal autor do estudo e professor de psicologia desta universidade, apontou algo importante. O cérebro está “esquecendo” dados e experiências continuamente, e quase sempre o faz enquanto dormimos.

Agora, o fazemos inconscientemente e sem que tenhamos controle sobre isso. A razão é que o cérebro escolhe descartar fatos sem importância. O seu objetivo é melhorar a sua eficiência.

Por outro lado, algo que foi visto através da ressonância magnética é o seguinte: quando uma pessoa se esforça para esquecer algo específico, há três regiões cerebrais em que todo o esforço se concentra. São o córtex pré-frontal, o córtex temporal ventral e o hipocampo.

Esquecer é mais complicado do que lembrar por causa da carga emocional e das associações

Existem memórias neutras e outras altamente emocionais. Como explicam os neurocientistas, o material que esquecemos quase instantaneamente é o visual. Ao longo do dia, acabamos esquecendo cerca de 80% das coisas que vemos: as placas dos carros, os rostos das pessoas que encontramos, as cores das roupas que os outros usavam, etc.

No entanto, se há algo que apresenta uma grande resistência ao esquecimento, são todos os fatos em que a impressão de uma emoção permanece. Se algo nos causou medo, vergonha ou felicidade, permanecerá na memória porque o cérebro o considera significativo.

Por outro lado, há um fato notável. Muitas das nossas memórias são ricas porque são formadas através de associações. Quando experimentamos algo específico, o nosso cérebro combina imagens, aromas, sons e nossas próprias impressões em relação aos eventos passados. Tudo isso consolida ainda mais determinadas memórias.

As suas memórias, tanto as agradáveis quanto as desagradáveis, definem quem você é agora

Cada experiência, sensação, pensamento, hábito e emoção causa uma mudança no cérebro. É gerada uma conexão, o cérebro se reorganiza e se modifica. Esquecer é mais complicado do que lembrar porque excluir um fragmento do nosso passado significa também excluir essa conexão, essa sinapse cerebral.

De alguma forma, cada experiência, tanto agradável quanto desagradável, prepara o cérebro para experiências futuras, e todas essas sinapses e modificações cerebrais criadas a partir de cada fato vivido e sentido constroem essa anatomia cerebral que nos define.

Toda lembrança, toda sensação edifica, por assim dizer, as montanhas das nossas eras geológicas vitais.

É possível, mas apenas em determinadas circunstâncias

No estudo citado acima e conduzido pelo Dr. Lewis-Peacock da Universidade do Texas, o foco é colocado em um detalhe curioso: o esquecimento intencional é possível em determinados casos.

De acordo com a pesquisa realizada, uma pessoa pode esquecer uma experiência se “gerar” um nível de atividade cerebral moderada. Agora… o que isso significa?

  • Significa que, se não dermos importância excessiva a um fato (como por exemplo, ter cometido um erro em público), é mais fácil esquecê-lo.
  • Se também reduzirmos o impacto emocional desse fato e não lhe dermos muita importância, é mais fácil que essa experiência se disperse da nossa memória.
  • Um nível moderado de atividade cerebral é a chave para favorecer o esquecimento.

Por outro lado, se o componente emocional for intenso, se focarmos o nosso pensamento de forma persistente no fato que queremos esquecer, é 100% provável que isso não aconteça.

Parece irônico, mas o mecanismo cerebral cumpre essa regra. Portanto, mantendo essa ideia em mente, devemos assumir apenas um fato muito simples: o esquecimento não resolve nada.

Afinal, somos o resultado dos nossos acertos e nossos erros. Assumir cada perda, erro ou insatisfação faz parte do nosso aprendizado como seres humanos.

Texto de A Mente é Maravilhosa 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.