O doutor Augusto Cury fez um desabafo emocionante em sua página no Facebook sobre sua própria experiência com a depressão e a Síndrome do Pensamento Acelerado. Fizemos a transcrição. Confira:

“Eu desenvolvi um quadro depressivo, perdi o prazer de viver. Eu era hipersensível. Pequenos problemas tinhas impacto muito grande. Eu não conseguia gerenciar os meus pensamentos perturbadores. Eu não conseguia me encantar com a vida. […] O ideal é procurar um psicólogo e um psiquiatra, mas naquela época, procurar um profissional era um vexame, uma vergonha e, infelizmente, eu não procurei.

Mas eu procurei algo que me ajudou muito, o mais importante endereço, o endereço que poucos encontram ao longo do traçado da sua história. Um endereço dentro de mim mesmo. Eu comecei a me perguntar: ‘Quem sou, o que sou?’; ‘Por que não consigo controlar meus pensamentos perturbadores?’; ‘Por que sofro por antecipação?’; ‘Por que a minha emoção é terra de ninguém?’; ‘Uma rejeição, uma crítica, uma explosão invade-me e me infecta’.

E eu escrevia todas as perguntas e procura as respostas. E ali, a minha dor se tornou a minha mestra. Há um tesouro dentro de você, que você não imagina. Há ferramentas incríveis que você pode usar para escrever os capítulos mais notáveis da sua história, mesmo quando o mundo desabafa sobre você.

Alguns editores me consideram o médico psiquiatra mais lido na atualidade em todo mundo. Mas o que muitos não sabem, é que eu sou um dos seres humanos que mais chorou. Não são os aplausos que eu recebo que sustentam a minha história. São as lágrimas que eu chorei, as rejeições que eu tive. São as perdas que eu sofri. Não tenha medo quando você estiver no deserto. Não tenha medo quando as pessoas te vaiarem, te excluírem e te criticarem. Não tenha medo do caminho. Tenha medo, sim, de não caminhar”. Augusto Cury

Assista o vídeo na íntegra:

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.