“Eu não existo, sou um zumbi” diz mulher que ficou 26 anos em cárcere privado

Portal Raízes

Nadezhda Bushueva, é uma mulher russa de 42 anos que foi mantida em cárcere privado, 26 anos, pela própria mãe. Assim que a filha concluiu o ensino médio, no oeste da Rússia, aos 16 anos de idade, sua mãe a confinou. Desde então, ela sobreviveu numa situação insalubre: sem água encanada e eletricidade, dividindo o espaço com pragas e se alimentando de ração para gatos. A mãe, Tatyana, diz que prendia a filha em casa para “protegê-la dos perigos do mundo externo”.

Recentemente, Tatyana precisou ser hospitalizada e a ocasião marcou a primeira vez que a filha pisou fora da casa depois de 26 anos. De acordo com autoridades locais, ela foi impedida de trabalhar ou seguir estudando e o isolamento se intensificou quando a mãe se aposentou e passou a ficar mais tempo em casa. Durante o período em que foi impedida de sair, Nadezhda só se alimentava com a comida dos gatos que viviam na casa.

De acordo com The Sun, a mulher “não tem ideia de como as coisas funcionam no mundo”. Nadezhda disse ter “se acostumou” com a situação e que, por isso, acabou não tentando fugir.

“Minha vida é pior que a vida de um gato. Gatos têm mais direitos do que eu. Eu não existo, sou um zumbi. Preciso de documentos, preciso de trabalho”, disse Nadezhda

Nadezhda foi encaminhada a assistentes sociais, onde finalmente pode se alimentar e tomar um banho, coisa que não fazia desde 2006. As informações são do site The Sun onde você pode assistir o vídeo da reportagem. Tradução e livre adaptação de Portal Raízes.

__

Se você gostou do texto, curta, compartilhe com os amigos e não se esqueça de comentar, isso nos ajuda a continuar trazendo conteúdos incríveis para você. Siga-nos também no Instagram e Youtube.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.