Os especialistas frequentemente subestimam os vínculos críticos entre raiva e ansiedade . Mas, por mais contra-intuitivo que pareça, em muitos aspectos, ansiedade e raiva são dois lados da mesma moeda emocional. Em reação a alguma ameaça percebida, ambos são, estados semelhantes de “mal-estar agitado”.

Tudo começa com perturbações no sistema nervoso. Algo acontece e, subconscientemente, um indivíduo é lembrado de algo problemático que ocorreu no passado – seja desde a infância e/ou apenas na última meia hora. E quase imediatamente, a pessoa é tomada por uma reação de luta ou fuga. Na medida em que os instintos inatos de sobrevivência são mobilizados, eles são afligidos por uma ansiedade desconcertante.

Semelhanças e diferenças entre ansiedade e raiva

Diante de uma ameaça sentida, as pessoas não podem deixar de se sentir fora de controle. E, nesses casos, estamos todos programados para produzir adrenalina, o principal neuroquímico secretado em situações de luta ou fuga. Portanto, não é coincidência que a raiva tenha sido rotulada como: “ansiedade com um chute químico” – ou mesmo “ansiedade turbinada”.

Ou seja, organicamente, essa emoção ardente se manifesta quando somos compelidos a aumentar nossos esforços para restabelecer o equilíbrio físico e emocional que foi perdido. E, francamente, a maioria das pessoas prefere “transformar” sua ansiedade em raiva, porque pelo menos a raiva cria a ilusão de recuperar o controle da circunstância tão perturbadora. Além disso, apenas pensar numa ameaça amplia a força da raiva. Assim, os próprios pensamentos induzem – e aumentam – a produção de adrenalina.

A menos que possamos controlar a ansiedade, vamos criando ciclo em um pânico exacerbado por ela. Ou, se estiver mais de acordo com nossa programação genética, pode se desencadear uma raiva vingativa.

Além disso, quer estejamos sofrendo de ansiedade ou raiva por estresse, a dor psicológica subjacente que estamos suportando pode se correlacionar com a dor física. David Hanscom, especialista em dor crônica, aponta que são nossas crenças preocupantes sobre a realidade que geram “a mesma resposta no corpo físico”.

De fato, a dor crônica e outras condições físicas e doenças podem ser entendidas como resultantes ou contribuídas por emoções estressantes não resolvidas (e, portanto, persistentes).

Em suma, a raiva pode ser eficaz como uma solução de curto prazo para “vencer” a ansiedade, mas a longo prazo ela é um bumerangue, geralmente causando tanta dor para você quanto para os outros. Pode minar ou mesmo destruir seus relacionamentos e culminar em efeitos desastrosos em praticamente todos os aspectos de sua existência.

De todas as emoções autossabotadoras, nada se compara ao julgamento prejudicado e ao comportamento impulsivo e imprudente tipicamente associado ao uso regular da raiva para escapar de emoções mais desagradáveis.

Como prever as crises de ansiedade e como controlá-las

É possível prever quando uma crise da ansiedade está por vir. A gente já acorda ansioso, ou num repente a gente começa a sentir aquela sensação de esmagamento no peito. Por isso é importante aprender maneiras de se acalmar e relaxar em meio à agitação interior. Veja aqui 7 formas de controlar a ansiedade:

1 – Comece desacelerando sua respiração. Desenvolver habilidades calmantes é essencial se você quiser pensar de forma mais racional.

2 – Torne-se mais consciente. Volte a concentrar sua atenção no momento que está vivendo,  no que está acontecendo ao seu redor. E isso inclui prestar atenção a imagens, sons, cheiros, sensações táteis — qualquer coisa que impeça a ruminação contraproducente.

3 – Pratique atividade física. Além de ser uma distração, se concentrar no movimento corporal pode ajudar a moderar ou gastar a energia nervosa que alimenta sua raiva.

4 – Não se permita agir antes de considerar as repercussões. Pergunte a si mesmo se sua tão tentadora ação de retaliação provavelmente tornará as coisas melhores ou muito piores. Se você não estiver pronto para falar pacificamente com outra pessoa sobre suas frustrações, explique isso diplomaticamente e (temporariamente) saia de cena.

5 – Substitua seus hábitos negativos arraigados de negação, culpa e rejeição pelas qualidades redentoras de consciência, compaixão, perdão, gratidão, aceitação e amor (ligados à ocitocina química gratificante e socialmente vinculada ). Infelizmente, isso é muito mais fácil dizer do que fazer. Mas, novamente, é uma questão de motivação , além de cultivar uma maior autodisciplina. E há vários artigos acessíveis na Internet que podem orientá-lo aqui.

6 – Reavalie seu pessimismo autoprotetor ou atitude cínica. Você precisa explorar e, em seguida, corrigir as crenças negativamente distorcidas, exageradas ou supergeneralizadas que podem ter derivado de traumas iniciais. Esse exame deve incluir a disposição de levar em consideração outras interpretações mais razoáveis ​​ou caridosas do que aconteceu com você.

7 – Torne-se mais orientado para a solução. A raiva o mantém defensivamente focado em como os outros criaram seus problemas. Em vez disso, concentre-se novamente no que você pode fazer para resolvê-los.

Texto de Leon F. Seltzer, psicólogo, especialista em psicossomática e dor crônica, articulista de Psychology Today. Tradução e livre adaptação do Portal Raízes.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.