Ao invés de processar os artistas da música, o ator teve uma atitude muito mais empática e informou que entrou em acordo com o autor da música e a banda que regravou, para converter os ganhos com a canção em doação para instituições que tratam dependentes químicos.

A declaração foi dada em um vídeo com pouco mais de dois minutos divulgado em seu perfil no Instagram e Facebook. Fábio Assunção fez questão de dizer que não pretende censurar ninguém, mas aproveitar a oportunidade para conscientizar a população sobre a dependência química.

“Conheço também a luta do artista no Brasil e torço para que vocês prosperem. Mas não censurar não significa que não existe aqui uma oportunidade de conscientizar”.

A música “Fábio Assunção” foi lançada pelo artista Gabriel Bartz em julho de 2018 mas só agora tomou maiores proporções ao ser regravada pela banda baina La Fúria. Bruno Magnata, vocalista do grupo, enxerga a canção com grandes chances de ser a mais tocada do Carnaval de Salvador.

Fábio Assunção explicou que o acordo foi construído em parceria com os dois músicos e que as doações serão feitas de forma conjunta. “Vamos informar posteriormente como um ato irmanado entre quem sente essa dor e quem tem voz para ampliar a conscientização”.

O ator justificou o ato demonstrando entendimento sobre a dor do adicto:

“Eu não endosso, de maneira nenhuma, essa glamourização ou zueira com a nossa dor. Minha preocupação é com você que sente na pele a dificuldade e a complexidade dessa doença. Minha vontade é que você tenha sempre um diálogo aberto e encontre um lugar de afeto com sua família, amigos e com a sociedade brasileira e assim merecer respeito e direito a um tratamento digno”.

E ao fim, afirmou respeitar a “zueira”, mas alertou para que as pessoas fiquem atentas.

“Nós não somos super heróis. Cuide de você, cuide de quem você ama, cuide dos seus amigos nas festas. Seja responsável pelo todo. Lembrem que eu aqui respeito a zueira, amo a brincadeira, mas quero todo mundo bem, forte, feliz e consciente de seus atos e de sua vida. A luta é essa. Tamo junto”.

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.