Uma mulher de 103 anos foi curada do novo coronavírus no Irã, apesar da elevada taxa de mortalidade entre as pessoas com mais de 70 anos, informou a Agência de Notícias da República Islâmica – Irna.

A paciente havia sido internada na cidade de Semnan, a 180 km ao leste de Teerã, de acordo com a agência, que não revelou o nome da mulher. “Ela recebeu alta do hospital depois de uma recuperação completa”, afirma o texto, que cita Navid Danayi, diretor do centro médico universitário da cidade.

De acordo com a agência, este é o segundo caso de paciente de idade muito avançada que contrai a doença covid-19 e se recupera no Irã.

A Irna mencionou o caso de um homem de 91 anos, de Kerman, sudeste do país, também se recuperou Covid -19. Ele foi curado depois de três dias da doença, apesar de sofrer hipertensão e asma, circunstâncias agravantes. A Irna não explica o tratamento recebido pelos dois pacientes.

O Irã anunciou nesta quarta-feira 147 mortes nas últimas 24 horas, um novo recorde diário, o que eleva o balanço total a 1.135. O vice-ministro da Saúde, Alireza Raisi, também informou que o país registrou 1.192 novas infecções, o que eleva o total a 17.161

Em 9 de março, o diretor geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou que dos 80.000 casos da doença registrados na China, “mais de 70%” foram curados.

De acordo com um boletim da OMS elaborado em colaboração coma autoridades chinesas, a taxa de mortalidade alcança 21,9% para os pacientes de covid-19 com mais de 80 anos.

Notícia extraída de rfi, tradução livre de Portal Raízes

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.