Mamãe, cuide da minha infância, você é a única coisa que eu tenho

Portal Raízes

Mamãe, cuide da minha infância com todas as suas forças porque eu realmente sou um diamante bruto. O meu crescimento vai depender do que acontecer nos primeiros anos de vida – os mais plásticos da minha vida. Ou seja, essas primeiras experiências e lições vão definir minha personalidade e, desde então, minha vida adulta.

Como você pode ver, tudo o que diz respeito à minha infância é muito mais complexo do que muitos adultos acreditam. Durante esse bonito período, mas difícil, eu descubro o mundo. Assim, enquanto meu cérebro termina de se formar, eu descubro as emoções.

Mas, fundamentalmente, durante a minha infância vou aprender muito sobre o amor. Claro que todo esse desenvolvimento vai se basear no que estiver acontecendo ao meu redor. O que eu perceber dos meus modelos a seguir, meus maiores exemplos, vai me marcar como criança e como pessoa.

Sem dúvidas, o modo como me tratam vai ser vital para mim nesses momentos. Pois isso direciona minha vida à saúde ou à doença. Por isso, mamãe e papai, insisto mais uma vez. Na verdade, a quem cuidar de mim: cuide da minha infância, eu sou um diamante bruto, que precisa ser lapidado para reluzir todo o seu brilho e toda sua beleza.

Cuide da minha infância e do reflexo que projeta em mim

Mamãe, cuide da minha infância porque cedo ou tarde meu temperamento também vai dizer muito sobre você. Ensine com o exemplo, me mostre com suas ações e seus dizeres. Não tenha medo de errar. Nós vamos construir juntos o conhecimento, quando nos reerguermos depois de cada queda.

Lembre-se de que por trás de cada criança bem-educada estão pais educados e, sem dúvidas, dedicados. Assim que assumiu sua paternidade você se assumiu como figura e modelo de educação. Pense duas vezes antes de mentir, acusar, faltar com o respeito, e realizar qualquer outro mau comportamento que eu possa absorver como adequado.

Não se esqueça de que por trás do adulto que apela ao castigo físico, se esconde outras grandes verdades. Pois, por trás de qualquer palmada há uma infância complicada. Ali se encontra uma criança ferida que confunde medo com respeito.

Nunca permita que eu confunda o amor genuíno entre pais e filhos, com maus tratos. Não quero tolerar gritos e agressões de qualquer tipo como se fossem “para o meu próprio bem”. Dessa forma, só se pode internalizar que a violência é o meio legítimo de resolução de conflitos e de canalização de sentimentos negativos.

Minha infância é mais que importante. Durante essa fase minha personalidade, além da minha forma de ser e de agir, são formadas. Inclusive, esse é o momento em que se estabelece um modo de pensar. São incutidos valores e princípios, assim como se enraízam os pequenos defeitos de todo ser humano.

Minha infância, esse lindo tesouro compartilhado

Mamãe, cuide da minha infância, por favor. Pois estamos falando sobre um lindo tesouro compartilhado. É um bem não material que proporciona a inestimável possibilidade de voltar ao passado. Reviver a infância da criança oferece a possibilidade de submeter tudo à visão mais pura e inocente.

Redescubra a simplicidade, a vivacidade, e a sinceridade de qualquer criança. Perceba a vulnerabilidade dessa almas tão jovens e imaculadas. Aprenda a ser feliz com muito pouco e a enxergar cada problema como pequenices que temperam nossas vidas.

Desfrute das cosquinhas e da sensação de frio na barriga. Sinta essa curiosidade e esse imenso desejo de aprender. Sinta o saber abraçar. Apegue-se à essa ousadia em conquistar os sonhos mais profundos. Acalme seus nervos e permita dar vida à essas gargalhadas e esses sorrisos tão verdadeiros.

Libere tudo o que sentir. A inteligência ou a transparência emocional das crianças é o que pode curar as almas adultas feridas. Sinta empatia pelas pessoas que estão ao seu redor. Sinta o mesmo pelas outras pessoas, sem diferenças nem restrições ridículas, transmitidas pelos adultos.

Ah, mamãe…esse texto também é para o papai.

Com amor,

***

Fonte indicada: Sou Mamãe

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Portal Raízes
Portal Raízes Jornalismo Cultural

COMENTÁRIOS