Essa imagem é sua? favor entrar em contato
Essa imagem é sua? favor entrar em contato

Não é possível mentir para o sexto sentido da mulher, diz a neurociência

Portal Raízes

O sexto sentido de uma mulher é mais preciso do que a certeza de um homem. Disse o poeta britânico Rudyard Kipling.

Pressentimento, sensação, sexto sentido, o nome não importa, pois todos os sinônimos referem-se a mesma coisa: o sexto sentido, ou seja, a percepção de que toda mulher tem e ninguém sabe de onde vem. Um som, uma voz, um eco interior… E isso não tem absolutamente nada de sobrenatural! A ciência explica por que esse recurso está intimamente relacionado com o adjetivo “feminino”.

Todos nós temos os tradicionais cinco sentidos (visão, audição, olfato, paladar e tato), a intuição seria uma sexta forma de “sentir” alguma coisa. Na verdade, é a integração dos cinco, os estados internos do organismo e da mente racional, todos voltados para nos dar informações valiosas. E assim, crucial para a intuição ser uma característica feminina ainda tem um nome e apelido: corpo caloso.

A ligação entre os dois hemisférios do cérebro é composta por uma ponte chamada “corpo caloso”, e cientistas de vários países descobriram que, nas mulheres, o tráfego de impulsos nervosos através deste canal é maior.

A intuição é, portanto, uma capacidade do cérebro de cruzar as informações dos dois hemisférios: o esquerdo, que é racional, e o direito, emocional. Se alguém te aborda e você sente uma pontada no coração, porque imagina uma má notícia, e se você prepara para iniciar um sentimento de angústia mental com a informação, você pode “saber” que a notícia tem a ver com a saúde de um membro de sua família, por exemplo.

De acordo com os neurologistas, as meninas são mais emocionais e talvez por essa razão, tornam-se mais intuitivas (quando se tornam mulheres), que os homens que são mais racionais.

Sendo assim, a neurociência prova que a mulher reage mais rapidamente a certos estímulos , graças ao seu sensor equipamento ideal, a mulher detecta e analisa as informações e por causa da extrema rapidez de seu cérebro para transmitir informações de um hemisfério para outro, é muito mais capaz de integrar e decifrar verbal, visual e qualquer outro tipo de sinal.

Mas além de toda essa informação científica e para apoiar estes estudos, está mais do que comprovado que as mulheres têm um sexto sentido, que vai além da intuição, da percepção e tem a grande capacidade de perceber as coisas, até muito antes de as ver.

Daí a vantagem de que as mães com relação às crianças, que além de conhecer -los em todos os sentidos, pode descobrir quando você está mentindo para eles apenas por olhar para eles nos olhos , o mesmo se aplica a casais, amigos e com qualquer pessoa com quem se relacionam, mas com essa mesma habilidade que não devem ser enganados, eles são colocados contra eles quando simplesmente impõem a negação diante de uma mentira que lhes causa dor.

A relação entre fisionomia e temperamento é algo que nos intriga há bastante tempo. Na Grécia Antiga, Aristóteles já arriscava algumas hipóteses. O filósofo grego acreditava que uma pessoa com feições semelhantes às de uma raposa teria também a sagacidade desse animal, enquanto um pescoço de touro poderia ser o sinal de que a pessoa é obstinada. De alguma maneira, ele foi um precursor de um conhecimento que seria sistematizado no século 20, quando surgiram teorias que falam de uma possível correspondência entre as características físicas e o caráter.

Então esse é o segredo das mulheres! Somos mais sensíveis, ágeis, receptivas, empáticas (pessoas que tem facilidade de se colocar no lugar do outro) e emocionais do que os homens. Portanto, somos mais suscetíveis a essa comunicação. As atitudes diárias mostram que as mulheres têm maior acesso à capacidade integradora do cérebro que conduz à percepção de eventos futuros. Capacidade cerebral integradora significa simplesmente a qualidade de ser capaz de lidar com múltiplas áreas do funcionamento do cérebro e integrá-las em uma experiência única.

As mulheres captam o estado emocional de uma pessoa com mais facilidade do que os homens. Isso faz com que sejam capazes de perceber detalhes ao ler e interpretar os gestos, sinais corporais e imagens.

Além disso, podem analisar rapidamente sua coerência e correlacionar estes dados, tendo em conta o contexto. E tudo ao mesmo tempo! Entre um e outro sinal, as mulheres unem os circuitos cerebrais que detectam possibilidades que nem elas podem imaginar. Uma boa parte das mulheres pode integrar os circuitos cerebrais que detectam a possibilidade de que um de seus filhos que moram longe pode estar necessitando dela em algum momento. Este é o mecanismo de intuição.

Também é bom notar que as percepções surgem apenas quando desejamos o racional em segundo plano. Não tem por que desaparecer, precisa apenas dar algum espaço para a emoção. Só o cérebro pode integrar razão e emoção no mesmo plano e em doses apropriadas para a intuição. A razão, por si só fecha as portas para o que ainda não aconteceu, todavia a emoção por si só é como um rádio sem bateria, nada se escuta. Por isso a intuição precisa de ambas.

O melhor é ter sensibilidade para escutar esses ecos e prestar atenção aos insights. Isso pode poupar um aborrecimento por não seguir sua “voz interior”. Lembre-se que ela pode mudar uma vida. E então você está pronta para ouvi-la?

Fontes de pesquisas:

Revista Psique Ciência & Vida Ed. 97 –Intuição feminina ou sexto sentido? – El sexto sentido de la mujer

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.