Morre, aos 84 anos, Luiz Alfredo Garcia-Roza, o mestre da literatura policial

Portal Raízes

Nesta quinta-feira (16) perdemos mais um grande talento da literatura, o escritor Luiz Alfredo Garcia-Roza, de 84 anos, era conhecido por seus livros policiais, que costumam ter o seu personagem detetive Espinosa, no centro das atenções. Quem deu a notícia foi sua esposa, a escritora Lívia Garcia-Roza, em rede social.

O escritor se encontrava internado há um ano no Hospital Samaritano, em Botafogo, depois de sofrer um acidente vascular-cerebral. A informação foi confirmada por sua agente literária, Lúcia Riff.

Garcia-Roza era professor universitário, especialista em psicanálise, publicou seu primeiro romance em 1996, aos 60 anos de idade.

Livia e Luiz Alfredo Garcia-Roza em foto de Bel Pedrosa 29/07/2014.

O escritou publicou no total 12 romances, todos pela Companhia das Letras. Alguns dos mais conhecidos são “Achados e perdidos” (1998), “Uma janela em Copacabana” (2001), “Espinosa sem saída” (2006), “Céu de origamis” (2009), “Um lugar perigoso” (2014).

“Luiz Alfredo adorava seu novo ofício de escritor de romances policiais, para onde canalizava toda a generosidade que aprendera com os grandes filósofos” conta Luiz Schwarcz, editor na Companhia das Letras. “Seu olhar para os personagens era esse, cheio de humanismo, como se não se pudesse ser um grande escritor de policiais sem ter sido um mestre em filosofia. O Brasil perde hoje um grande professor, um escritor exemplar, e um poço de bondade”.

Fontes: G1, O Globo, Folha UOL

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.