Toda vez que uma menina nasce, mulheres dessa aldeia na Índia plantam 111 árvores

Portal Raízes

Apesar da história triste por trás do costume, a iniciativa visa promover a igualdade de gênero e impulsionou a economia da aldeia.

Tudo começou quando Shyam Sundar Palatal, o ex-líder de uma pequena aldeia no Rajastão, na Índia, perdeu sua filha Kiran quando ela era ainda muito jovem. Então, em 2006, ele se encarregou de garantir que todos os moradores da aldeia apreciassem a vida de cada menina e, em sua homenagem, ela plantou 111 árvores.

A iniciativa logo se transformou e, durante cada nascimento de uma menina, as famílias plantaram 111 árvores para comemorar. Os aldeões plantam as árvores nas terras de pastagem de Piplantri, e a comunidade garante que as árvores sobrevivam e cresçam até a idade adulta. Moradores também coletam 21.000 rúpias (cerca de R$ 1.200) e os pais da menina contribuem com 10.000 (cerca de R$ 570), criando uma conta de poupança fixa para a recém-nascida, que ganha esse dinheiro na idade adulta.

Além disso, quando as famílias plantam árvores, elas assinam uma declaração afirmando que a filha receberá uma educação completa e não se casará antes de atingir a idade legal de 18 anos.

Cerca de 60 meninas nascem em Pilplantri todos os anos. Em mais da metade desses casos, os pais relutavam em aceitar meninas porque eram vistas como menos valiosas e mais caras. Como resultado, o programa de plantio de árvores foi uma maneira de incentivar as famílias a celebrar as meninas em suas famílias e lutar contra uma cultura profundamente enraizada no feticídio feminino.

O esquema da árvore Piplantri foi um passo além, pois encorajou os pais a não apenas manter suas filhas, mas também celebrá-las.

Dez anos depois, a marca “ecofeminismo” da Piplantri está prosperando. A cidade plantou várias espécies de árvores que começaram a gerar renda. Além disso, os aldeões plantaram aloe vera ao redor das árvores para agir como pesticidas naturais, que por sua vez se tornaram uma forma de renda quando os moradores começaram a processar e vender aloe vera. As árvores, juntamente com as plantas de aloe vera, agora fornecem subsistência para cerca de 8.000 moradores de Piplantri.

Ao plantar um futuro para suas jovens mulheres, a cidade de Piplantri foi colocada no mapa e descobriu que o dinheiro pode crescer em árvores.

Texto de Nation, traduzido e adaptado por Portal Raízes

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.