Não perca tempo com discussões que minam os seus princípios e a sua essência

Portal Raízes

Talvez a maturidade chegue até nós, depois de anos de renúncia. Mas sempre há um momento em que percebemos que certo tipo de  discussão não vale a pena. Quando tal coisa acontece, é melhor ficar em silêncio. Há ocasiões em que a gente compreende o quanto é inútil tentar explicar as coisas para quem as enxerga inexplicáveis. Ou explicáveis apenas em seu ponto de vista.

Mark Halperin (capa) é um escritor e jornalista especialista em discussões de resolução de conflitos na política, cujas teorias podem ser aplicada perfeitamente ao que acontece no dia a dia. Ele explica que as discussões mais complexas e aquecidas têm componente psicológico como se fosse “ameaça”, com a previsível sensação de que alguém quer minar os nossos princípios ou a nossa essência.

Muitas vezes a discussão é uma arte que dança à nossa frente com a leveza de pés de bailarina. Outras furiosa como uma dança grega. Poucos definem uma raiz lógica quando a conversa polemiza.  O julgamento  de um tema produz discórdia. As discussões, às vezes, são como a música desafinada ou uma rádio está fora de sintonia. E nem sempre o diálogo é harmonioso. E aí a discussão é cansativa.

Existem discussões que são batalhas perdidas. Você pode permanecer em silêncio, mas há coisas que  deseja argumentar que nem necessitam de dizer.

Uma boa parte da psicologia e da filosofia nos ensinaram certas estratégias para enfrentar  com sucesso em qualquer discussão . Bons argumentos, usando a heurística ou gestão emocional adequada seria definitivamente para alguns exemplos.

É preciso inteligência emocional e maturidade emocional para se entrar numa discussão

A maturidade emocional não depende de idade.  Mas chegar a esse estágio é uma tarefa árdua para aplicar a maturidade no ponto onde é imprescindível o equilíbrio ao escolher a palavra e o tom certo de dizê-la. Respeitar o que o outro diz e racionalizar o que ouvimos. Muitas vezes é mais sensato o silêncio; virtude que vale ouro.  Daí podemos avaliar os aspectos que merecem nossa atenção ou o distanciamento definitivo.

É possível, por exemplo, que o nosso relacionamento com alguém da família seja complicado pelos anos de convivência. Portanto,  uma simples conversa é  como cair sem paraquedas para o abismo do estresse.  No entanto tudo pode mudar se aceitar as diferenças ou as idiossincrasias. Optamos pelo silêncio não é pelo receio de ser superado, mas de ser respeitado em nossa opinião, mesmo que silente.

Amadurecer é também uma forma que transmite confiança interna, adequada para compreender que certas pessoas e os seus argumentos não se constituem ameaça para nós.  Não devemos nos assustar ou nos fazer irritados quanto alguém, diante de nós, grita com gestos nervosos.

5 maneiras de discutir com inteligência emocional

Nós já sabemos que existem discussões que nos farão perder a calma ou a boa energia que guardamos para aqueles momentos em que o improviso deve fluir.  No entanto, nós também entendemos que a vida muda quase todos os dias para que possamos, pela pela cautela na discussão, coexistir em harmonia. No sentido principal de manter esse equilíbrio emocional para alcançar o que queremos em nosso trabalho.  Até mesmo para concordar com nossos próprios filhos, usando, acima de tudo, a paciência e a tolerância quanto às suas crenças e convicções. Discussões sem as razões balanceadas com o coração produzem discórdia.

Aprender a ouvir é natural, mas ouvir é fundamental.

A arte de discutir sem efeitos colaterais requer não apenas uma estratégia inteligente, mas a gerência emocional adequada onde todos devem ser capazes de avançar e recuar no momento preciso, mesmo  nos momentos e ambientes mais íntimos.

Convidamos você a considerar estas regras simples:

Uma das primeiras coisas que devemos considerar é que as discussões não devem, necessariamente, terminar tendo um vencedor. A gente perde quando pensa que venceu uma discussão.  A arte de argumentar requer muita sabedoria. Principalmente, a de permitir que ambas as partes, durante o diálogo, cheguem a um ponto em comum. 

Isso somente pode ser obtido da seguinte forma:

1 – Ouvir. Depois, ouvir e escutar.  Pois ouvir não é o mesmo que escutar. Nenhum diálogo será eficaz se não somos capazes de aplicar uma “escuta” adequada e empática.

2 – Sabedoria no uso das palavras.  Somente a sabedoria é suficiente para compreender a perspectiva da outra pessoa. Não apenas a sabedoria dos livros, mas da experiência de vida. É algo que requer um grande esforço e vontade própria. Para compreender a mensagem e a visão particular de quem nós conversamos, a sabedoria é essencial.

3 – Devemos evitar a atitude defensiva. O corpo fala. Por isso não devemos cruzar os braços, baixar os olhos e, gesticular em demasia. Principalmente quando os gestos estão desconectados das palavras. Ao contrário, poucos gestos, voz ponderada com raciocínio claro e a cabeça sempre levantada e o olhar firme na linha horizontal.

4 – Auto Controle. É essencial para uma gestão adequada das nossas emoções . Devemos controlar acima de tudo os inimigos da raiva ou da fúria e da ironia. Elas são bombas do tempo que gostam de estar presente nas discussões. E nos levam à derrota de nossos lógica.

5 – Confiança. Ela é importante para que consigamos expressar nossa ideia com clareza. No momento da réplica devemos usar termos assim:  “Eu entendo”, “Isso pode ser verdade”, “É possível…”.  A confiança dos argumentos é a porta da firmeza para a compreensão dos nossos argumentos.

TEXTO DETradução livre
FONTEVia
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.