A psiquiatria infantil frequentemente observa que sintomas de desequilíbrio psicossociais, aparentemente pertencem à criança, mas, na verdade, denunciam um problema muito mais amplo que é substanciado por duas observações cínicas: os sintomas da criança podem ser a manifestação de como funciona o seu ambiente familiar; os sintomas da criança representam uma atualização ou renascimento dos fantasmas reprimidos dos pais. Desta forma, a criança se torna um sintoma de uma realidade patológica que atinge toda a família.

Os pais têm, além das responsabilidades legais, educacionais para com seus filhos. Quem educa uma criança para que ela possa ser um membro útil da sociedade não é a escola, são os pais. Que fique claro que a função da escola não é educar, é ensinar. Pode parecer a mesma coisa, mas não é. Educar é mostrar através do próprio exemplo como se comportar no mundo, respeitando e cuidando dele e dos outros com amor e equidade.

Muitos pais falham na missão de educar seus filhos, não porque são inadequados, nem porque não amam seus filhos, mas porque transferem essa tarefa à escola, não se informam em como educar, não dedicam tempo a esse exercício, procrastinam os instantes de educar e fazem ameaças á revelia, ameaças que, de antemão, sabem que não cumprirão.

O ambiente familiar determinará quão bem a criança se ajustará à vida

Os pais devem reconhecer que criar filhos bem-comportados requer uma compreensão completa de como seu comportamento está relacionado com o comportamento de seus filhos. Consequentemente, eles devem transmitir valores morais como respeito e disciplina aos filhos. Todos os pais têm uma responsabilidade quando se trata de criar seus filhos, pois ninguém fará isso por eles.

Embora alguns pais possam alegar a falta de dinheiro como uma fonte de sua influência cada vez menor sobre o comportamento de seus filhos, os estudos mostraram o contrário. Famílias de baixa renda ainda podem influenciar o comportamento de seus filhos por uma grande margem. Além disso, alguns pais usam essa desculpa como bode expiatório para escapar de seus papéis parentais. Alguns pais prestam menos atenção às atividades acadêmicas de seus filhos e, portanto, podem nem saber se os filhos estão frequentando as aulas ou não

A relação no ambiente familiar é determinante de quão bem a criança se ajustará à vida fora de casa, bem como os tipos de relacionamento ela estabelecerá com pessoas fora da configuração familiar. A maioria dos pais não consegue estabelecer relações íntimas com seus filhos. Eles não passam tempo adequado com os filhos, estão sempre ocupados com compromissos de trabalho e alguns são muito hostis com os filhos.

A presença afetiva dos pais é salutar em todos os aspectos do desenvolvimento de uma criança

A relação entre os membros do ambiente familiar ajuda significativamente no desenvolvimento emocional e mental de uma criança. À medida que o afeto e a influência dos pais diminuem e a quantidade de tempo que as crianças passam em cuidados não parentais aumenta, observa-se uma maior probabilidade de problemas comportamentais tanto em casa quanto na escola.

A presença afetiva dos pais é salutar em todos os aspectos do desenvolvimento de uma criança. Eles podem e devem proporcionar ambientes saudáveis ​​e estáveis ​​para seus filhos, além de proporcionar um relacionamento amoroso e estimulante com eles. Todos esses aspectos são susceptíveis de promover o desenvolvimento comportamental de uma criança.

Espera-se que os pais passem tempo com seus filhos e lhes ensinem os comportamentos que são adotados ou evitados pela sociedade. Eles devem estar empenhados em construir um relacionamento forte com seus filhos e devem contribuir ativamente para a construção da autoestima, autoconfiança e autorregulação de seus filhos.

Alguns pais ainda não têm confiança para enfrentar seus próprios filhos e, portanto, não são capazes de aconselhá-los sobre bom comportamento. Quando os pais têm um bom relacionamento com seus filhos, eles são capazes de impor valores positivos e padrões aceitáveis ​​de bom comportamento e garantir que seus filhos adotem esses valores no dia a dia. Consequentemente, os pais devem reservar tempo para seus filhos, a fim de estabelecer um relacionamento próximo que possa ter uma longa influência em seu comportamento integral.

5 maneiras de educar filhos gentis a partir do próprio exemplo

A maioria dos estudos mostra que os pais são os culpados pelo comportamento dos filhos, portanto, os pais devem assumir um papel maior na formação do futuro de seus filhos em relação à adoção de um comportamento moralmente aceitável.

Richard Weissbourd (capa), psicólogo infantil e familiar de Harvard, apresenta 5 recomendações sobre como criar filhos para se tornarem adultos atenciosos, respeitosos e responsáveis:

“As crianças não nascem simplesmente boas ou más e nunca devemos desistir delas. Eles precisam de adultos que os ajudem a se tornarem atenciosos, respeitosos e responsáveis ​​por suas comunidades em todas as fases de sua infância”, diz Richard.

De acordo com Richard Weissbourd:

1. Faça da empatia e o cuidar dos outros uma prioridade

As crianças precisam aprender a equilibrar suas necessidades com as necessidades dos outros, seja passando a bola para um colega de equipe ou decidindo defender o amigo que está sofrendo bullying.

Como? As crianças precisam ouvir dos pais que cuidar dos outros é uma prioridade. Grande parte disso é manter as crianças com altas expectativas éticas, como honrar seus compromissos, mesmo que isso as deixe infelizes. Por exemplo, antes que as crianças saiam de um time esportivo, banda ou amizade, devemos pedir-lhes que considerem suas obrigações para com o grupo ou o amigo e incentivá-los a resolver os problemas antes de desistir.

Tente isso

• Em vez de dizer a seus filhos: “O mais importante é que você seja feliz”, diga “O mais importante é que você seja gentil”.
• Certifique-se de que seus filhos mais velhos sempre se dirigem aos outros com respeito, mesmo quando estão cansados, distraídos ou zangados.
• Enfatize o cuidado ao interagir com outros adultos importantes na vida de seus filhos. Por exemplo, pergunte aos professores se seus filhos são bons membros da comunidade na escola.

2. Oferecer oportunidades para que as crianças pratiquem carinho e gratidão

Nunca é tarde para se tornar uma boa pessoa, mas isso não acontecerá por conta própria. As crianças precisam praticar cuidar dos outros e expressar gratidão por aqueles que cuidam delas e contribuem para a vida de outras pessoas. Estudos mostram que as pessoas que têm o hábito de expressar gratidão são mais propensas a serem prestativas, generosas, compassivas e misericordiosas — e também mais propensas a serem felizes e saudáveis.

Como? Aprender a cuidar é como aprender a praticar um esporte ou um instrumento. A repetição diária – seja ajudando um amigo com o dever de casa, ajudando em casa ou fazendo um trabalho na sala de aula – torne o cuidado uma segunda natureza e desenvolva e aprimore as capacidades de cuidado dos jovens. Aprender gratidão também envolve praticá-la regularmente.

Tente o seguinte

• Não recompense seu filho por cada ato de ajuda, como limpar a mesa do jantar. Devemos esperar que nossos filhos ajudem em casa, com irmãos e vizinhos e apenas recompensem atos incomuns de bondade.
• Converse com seu filho sobre os atos carinhosos e indiferentes que eles veem na televisão e sobre os atos de justiça e injustiça que eles podem testemunhar ou ouvir nos noticiários.
• Faça da gratidão um ritual diário na hora do jantar, na hora de dormir, no carro ou no metrô. Expresse agradecimentos por aqueles que contribuem conosco e com os outros de maneiras grandes e pequenas.

3. Expanda o círculo de preocupação de seu filho

Quase todas as crianças se preocupam com um pequeno círculo de suas famílias e amigos. Nosso desafio é ajudar nossos filhos a aprender a se importar com alguém fora desse círculo, como o aluno novo na classe, alguém que não fala o idioma deles, o zelador da escola ou alguém que mora em um país distante.

Como? As crianças precisam aprender a ampliar, ouvindo atentamente e prestando atenção às pessoas em seu círculo imediato, e a diminuir o zoom, observando o quadro geral e considerando as muitas perspectivas das pessoas com quem interagem diariamente, incluindo aquelas que são vulneráveis. Eles também precisam considerar como seus
decisões, como sair de um time esportivo ou de uma banda, podem se espalhar e prejudicar vários membros de suas comunidades. Especialmente em nosso mundo mais global, as crianças precisam desenvolver interesse por pessoas que vivem em culturas e comunidades muito diferentes das suas.

Tente isto

• Certifique-se de que seus filhos sejam amigáveis ​​e gratos com todas as pessoas em suas vidas diárias, como um motorista de ônibus ou uma garçonete.
• Incentivar as crianças a cuidar dos vulneráveis. Dê às crianças algumas ideias simples para entrar na “zona de carinho e coragem”, como confortar um colega que foi provocado.
• Use uma história de jornal ou TV para encorajar seu filho a pensar sobre as dificuldades enfrentadas por crianças em outro país.

4. Seja um forte modelo moral e mentor

As crianças aprendem valores éticos observando as ações dos adultos que respeitam. Eles também aprendem valores pensando em dilemas éticos com adultos, por exemplo: “Devo convidar uma nova vizinha para minha festa de aniversário quando meu melhor amigo não gosta dela?”

Como? Ser um modelo moral e mentor significa que precisamos praticar honestidade, justiça e cuidar de nós mesmos. Mas isso não significa ser perfeito o tempo todo. Para que nossos filhos nos respeitem e confiem em nós, precisamos reconhecer nossos erros e falhas. Também precisamos respeitar o pensamento das crianças e ouvir
suas perspectivas, demonstrando a elas como queremos que envolvam os outros.

Tente isto:

• Dê um exemplo de cuidado com os outros prestando serviços comunitários pelo menos uma vez por mês. Melhor ainda, faça esse serviço com seu filho.
• Dê a seu filho um dilema ético no jantar ou pergunte a ele sobre os dilemas que ele enfrentou.

5. Oriente as crianças a lidar com sentimentos destrutivos

Muitas vezes, a capacidade de cuidar dos outros é dominada pela raiva, vergonha, inveja ou outros sentimentos negativos. Como? Precisamos ensinar às crianças que todos os sentimentos estão bem, mas algumas maneiras de lidar com eles não são úteis. As crianças precisam de nossa ajuda para aprender a lidar com esses sentimentos de maneira produtiva.

Aqui está uma maneira simples de ensinar seus filhos a se acalmar: peça para seu filho parar, respire fundo pelo nariz e expire pela boca e conte até cinco. Pratique quando seu filho estiver calmo. Então, quando você a vir ficando chateada, lembre-a sobre os passos e faça-os com ela. Depois de um tempo, ela começará a fazer isso sozinha para poder expressar seus sentimentos de maneira útil e apropriada.

Artigo produzido por Portal Raízes a partir dos estudos de Richard Weissbourd, professor sênior da Harvard Graduate School of Education e da Kennedy School of Government. Seu trabalho enfoca o desenvolvimento moral, a natureza da esperança, vulnerabilidade e resiliência na infância, parentalidade e escolas e serviços eficazes para crianças.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.