O nome dela é Cleusa e, após 25 anos de tentativas, está divorciada

Portal Raízes

Quarta-feira, 8 de maio, 8h23min da manhã, Cleusa Cruz, uma cabeleireira carioca, compartilhou em sua página no Facebook um desafio raramente visto. Revoltada com o ex-marido, que há 25 anos se recusa a assinar os papéis do divórcio, ela avisou publicamente que tomaria uma decisão radical. Depois de ficar aguardando a presença do “senhor Denilson Florenço” no Fórum pela terceira vez, sem sucesso, ela avisou que iria se mudar para casa dele – que já tem outra mulher – de mala e cuia.

Veja o post que viralizou:

ENTÃO senhor DENILSON FLORENÇO meu ex marido canalha. então você não vai me dar o divórcio né? Mesmo depois de 25 anos…

Posted by Cleusa Cruz on Wednesday, May 8, 2019

Cleusa está separada de fato há 25 anos. Há 24 anos, Denilson vive com outra mulher. E se recusa a libertar a mulher judicialmente. O pedido de separação é o principal gatilho para toda sorte de violência contra a mulher, algumas que tiram sangue, outras não. Tentar conseguir a assinatura de um divórcio por 25 anos é uma tortura, para dizer o mínimo.

Fugir de uma possível pensão, evitar dividir bens, causar confusão com guarda de filhos podem ser algumas justificativas para um marido se esquivar da assinatura do processo, além do machismo que o faz acreditar que tem a posse da mulher e não permite que ela reconstrua sua vida.

Finalmente, livre!

Na segunda-feira de manhã, dezenas de pessoas se aglomeraram na porta do cartório para cumprimentar Cleusa e perguntar se ela finalmente conseguiria o divórcio. Uma mulher chamada Maria Helena, que trabalha como cuidadora de idosos, parou e saudou a cabeleireira, indagando: “Cleusa, é hoje que esse divórcio sai?”, em tom de brincadeira.

Veja o desenrolar dessa história:

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.