No comando do programa Domingo Espetacular, da TV Record, por 13 anos, Paulo Henrique Amorim foi um dos grandes nomes do jornalismo brasileiro. O apresentador morreu na madrugada desta quarta-feira (10) em casa, no Rio de Janeiro, após ter um infarto fulminante. Amorim deixa a esposa, Geórgia Pinheiro, e uma filha.

O jornalista nasceu em 22 de fevereiro de 1942, no Rio de Janeiro, e começou sua carreira no jornal A Noite. Foi o primeiro correspondente internacional de VEJA, em Nova York, em 1968.

Paulo Henrique Amorim ainda trabalhou na televisão. Passou pela extinta TV Manchete e pela TV Globo, para onde se transferiu em 1990. Na emissora, também atuou como correspondente em Nova York.

Deixou a Globo em 1996 para a TV Bandeirantes, onde apresentou o Jornal da Band e o programa Fogo Cruzado. Em 1999, Amorim foi para a TV Cultura, onde criou o programa Conversa Afiada.

Foi contratado em 2003 pela TV Record, onde apresentou o Jornal da Record e o programa Tudo a Ver. Desde 2006, Paulo Henrique Amorim apresentava o Domingo Espetacular, onde ficou até o final do mês passado, quando foi afastado.

O jornalista, apesar de afastado da televisão, não deixou de exercer a profissão. Amorim mantinha um blog e canal no YouTube do programa Conversa Afiada, onde expressava suas fortes opiniões sobre política e economia – além de entrevistas afiadas.

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.