Fim do circo para Ramboline, Lara, Djunga e Jenny - Foto: reprodução / Egon Zitter

País compra últimos elefantes de circo para que possam se aposentar

Portal Raízes

O governo da Dinamarca comprou os últimos elefantes de circo do país para que eles possam se aposentar e viver em paz pelo resto de suas vidas.

O governo pagou por ele US$ 1,6 milhão – mais de R$6,4 milhões – e antecipou para este ano a proibição do uso de animais selvagens em circos.

Os elefantes, Ramboline, Lara, Djunga e Jenny, foram comprados de dois circos diferentes.

A Animal Protection Denmark cuidará dos animais até que eles encontrem um lar permanente. A compra ocorreu pouco tempo depois de o governo do Reino Unido aprovar a proibição de animais silvestres em apresentações circenses, em maio.

Outro circo na Alemanha ganhou as manchetes em junho, depois de se tornar o primeiro a usar animais holográficos em seu show.

Os Estados Unidos também se aproximaram da proibição do uso de animais de circo depois que Nova Jersey e Havaí se tornaram os primeiros estados a emitir legislação contra a prática notoriamente desumana, em dezembro de 2018.

Embora já exista legislação em 145 localidades dos EUA, com limitações e restrições ao desempenho dos animais, as medidas pioneiras de Nova Jersey e do Havaí proíbem o uso de qualquer espécie de animal selvagem, incluindo elefantes, tigres, leões, ursos e primatas, em circos e shows de viagem.

Com informações do GNN, via Só notícia boa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.