Pesquisadores do Instituto Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês) desenvolveram uma pulseira que oferece aos usuários a possibilidade de escolher com o que eles vão sonhar. Batizada de “Dormio”, a tecnologia ainda não está no mercado, mas poderá chegar às vitrines em breve. As informações são do Tecmundo.

Para verificar o desempenho do dispositivo, os desenvolvedores realizaram testes em 50 pessoas. Os resultados, publicados em agosto na revista científica Consciousness and Cognition, revelaram um índice de sucesso de 67%.

Como o Dormio funciona?

A pulseira é conectada a um aplicativo, que grava e reproduz áudios com uma única função: induzir o cérebro a sonhar algo específico. Para tanto, eles são reproduzidos duas vezes, a primeira delas acontece enquanto o usuário se prepara para dormir.

Através de alguns sensores, a pulseira identifica os batimentos cardíacos, a posição dos dedos e outros aspectos que são importantes para identificar estágios do sono. Uma vez que o usuário atinge a hipnagogia, estágio inicial no qual ainda é possível ouvir o mundo exterior, o Dormio é ativado.

Neste momento, o áudio é tocado pela segunda vez. No estudo realizado pelo MIT, os participantes gravaram “Lembre-se de pensar em uma árvore”. Alguns minutos depois, eles foram acordados com o aviso “Por favor, me diga o que você estava pensando”. Este ciclo se repetiu algumas vezes.

Ao final do teste, mais da metade dos participantes confirmaram que sonharam com árvores e, a cada ciclo, o sonho ficava mais complexo.

Benefícios da invenção

Além da possibilidade de escolher o conteúdo do sonho, o Dormio pode ser útil para o desenvolvimento cognitivo dos usuários, segundo o co-autor Adam Haar Horowitz. Pesquisas anteriores já comprovaram, por exemplo, que sonhar em diferentes idiomas facilita seu aprendizado.

O também co-autor Pattie Maes acredita que a tecnologia “tem potencial para alavancar novas tecnologias comerciais que vão além do rastreamento do sono” e garante que a pulseira será vendida em um futuro próximo.

As informações são do Tecmundo.

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.