Por que um dos pais não deve falar mal do outro aos filhos?

Portal Raízes

Quando o amor acaba, a guerra começa . Não é um eufemismo. Estudos apontam que 22,3% dos casais que se divorciam não terminam em bons termos, e 45,1% destes geralmente tem filhos menores.

O problema não é que os pais decidam terminar a vida juntos, mas sim envolver os filhos em conflitos de casal, forçando-os a tomar partido em dois blocos opostos. O problema começa quando um dos pais fala mal do outro para colocar seus filhos a favor de si e desenvolve uma campanha sistemática de descrédito, na qual há apenas um grande perdedor: os filhos.

O que é a síndrome de alienação parental?

Foi no ano de 1985 que Richard Gardner, um psiquiatra americano, detectou que algumas crianças imersas em um contexto de disputas legais entre seus pais por sua custódia desenvolveram uma série de comportamentos e sintomas comuns que ele descreveu como “síndrome de alienação parental”.

A alienação parental é uma forma de violência familiar em que o pai ou a mãe tenta prejudicar o relacionamento da criança com o outro pai, recorrendo a diferentes estratégias de manipulação mental, com o objetivo de danificar sua imagem para impedir ou destruir os laços emocionais com o outro.

Como resultado, os filhos acabam rejeitando o pai ou a mãe. Pode ser uma rejeição moderada na qual o menino ou a menina mostram apenas um certo nível de descontentamento na presença dos pais, mas também pode gerar uma intensa rejeição na qual o contato é evitado quase completamente porque o pai se torna um fonte de ansiedade.

Infelizmente, o uso de crianças como arma de arremesso no meio de uma separação não é um fenômeno raro. Estima-se que mais de 3,8 milhões de crianças sejam alienadas por um dos pais nos Estados Unidos, de acordo com um estudo publicado na Children and Youth Services Review.

Como os filhos acabam rejeitando o pai ou a mãe?

A dinâmica relacional da rejeição é complexa. A separação dos pais geralmente representa um forte impacto emocional para os filhos, que são forçados a reestruturar todo o mundo de uma só vez. Nesse momento, as crianças se tornam muito vulneráveis ​​e procuram novas pistas em seus pais que as ajudem a reconstruir seu mundo. Se um dos pais fala mal do outro, ele estará lançando as bases para a rejeição.

Quando ocorre um súbito rompimento do relacionamento e um pai sai de casa repentinamente, os filhos podem desenvolver uma rejeição primária a ele. Isso se deve, por um lado, ao fato de que essa criança interpreta que aquele que a abandonou é o “mau” e, por outro lado, ao fato de que os pais que permanecem devem explicar o que aconteceu. Nesses momentos de confusão e dor, é difícil para esse pai ou mãe esconder seus sentimentos, onde acaba deixando transparecer seu desconforto. A criança irá capturar esse sentimento e projeta-lo no outro pai, culpando-o por ter desestabilizado o equilíbrio da família.

Em outros casos, quando a campanha de descrédito é realizada conscientemente, ocorre uma rejeição secundária. Geralmente, trata-se de separações que não “explodem” a partir do nada, mas que se convertem de maneira crescente um poço de censuras e discussões que acabam arrastando as crianças. Quando um dos pais se apresenta como a “vítima”, desqualificando o outro, é compreensível que os filhos fiquem do lado deles e acabem culpando o outro.

Existem diferentes estratégias de alienação. As estratégias diretas envolvem impedir que o outro pai possa ver ou conversar com a criança, rompendo assim o relacionamento. As estratégias indiretas envolvem falar mal da mãe ou do pai, colocar familiares e amigos contra o outro ou inventar histórias para prejudicar sua imagem e gerar rejeição.

Um estudo realizado na Universidade Estadual do Colorado revelou que as mães costumam usar estratégias de alienação indireta, enquanto os pais recorrem a estratégias diretas e indiretas. No entanto, muitos pais não estão plenamente conscientes dos danos psicológicos que podem ser causados ​​à criança e das consequências emocionais de longo prazo da alienação dos pais.

As consequências da alienação parental em crianças

Os filhos que um dos pais tenta colocar contra o outro experimentam uma situação tensa que acaba dando a eles uma conta psicológica alta. As primeiras fases são geralmente marcadas por confusão e instabilidade emocional, pois de repente um dos pais, que deveria ter sido uma fonte de segurança, torna-se o “bandido”, que vira o mundo da criança de cabeça para baixo.

Nos casos mais extremos, as crianças podem experimentar altos níveis de estresse nas visitas dos pais rejeitados. De fato, devido à campanha de descrédito, essas crianças podem assumir o papel de vítimas por algo que não sofreram. Se essa situação continuar com o tempo, é provável que ocorra um estouro emocional e as crianças acabem com um transtorno de ansiedade.

A maioria das crianças alienadas também experimenta sentimentos de abandono, impotência e desamparo, aos quais se acrescenta o sentimento de culpa pela separação dos pais, especialmente quando são pequenos e não entendem as razões da separação.

Obviamente, esse estado emocional acaba sendo refletido em seu comportamento. Algumas das crianças alienadas exibem comportamentos regressivos, o que significa que elas perdem as habilidades que adquiriram e podem molhar a cama novamente ou ter medo de dormir sozinhas. Elas também podem ter pesadelos ou dificuldades para adormecer.

Algumas crianças podem se tornar agressivas com os pais rejeitados, enquanto desenvolvem uma dependência emocional dos pais aceitos. Esse relacionamento dependente cria um apego inseguro, enraizado no medo de ser abandonado, o que pode acabar afetando a esfera afetiva dessa pessoa ao longo de sua vida.

Pelo outro lado, algumas crianças podem assumir o papel de defensoras dos pais aceitos. Essas crianças assumem um papel que não corresponde a elas e “amadurecem de uma vez”, tornando-se a fonte de segurança e estabilidade para os pais ao seu lado.

Como evitar a síndrome de alienação parental?

A persistência do conflito entre os pais, especialmente quando a separação deve ser resolvida judicialmente, gera um estado de exaustão mental e emocional que diminui sua capacidade de detectar e atender às necessidades de seus filhos, especialmente no nível emocional.

No entanto, independentemente da dificuldade do divórcio, é importante manter as crianças o mais longe possível dos conflitos e não usá-las como uma ferramenta para canalizar o ódio ou o rancor contra o ex-parceiro.

O pai com quem a criança vive deve priorizar o bem-estar dela e garantir um relacionamento o mais fluido possível com o pai ou a mãe que agora vive longe. Deve-se ter em mente que o relacionamento com ambos os pais – e suas respectivas famílias – cumpre importantes funções psicológicas para o desenvolvimento da criança e fornece-lhes modelos alternativos. Isso significa que não é necessário competir pelo amor das crianças.

Não há dúvida de que as rupturas são complicadas e geram sentimentos difíceis de gerenciar. Enquanto você se recupera, é recomendável que você converse apenas com seu ex-parceiro sobre os detalhes relacionados à educação e à vida cotidiana das crianças. A chave é se concentrar no que os une e não no que os separa.

E quando você tiver que conversar com seu filho sobre o pai ou a mãe, faça-o da maneira certa. Se o seu filho pedir, responda honestamente, mas sem dar muitos detalhes e, acima de tudo, sem expressar julgamentos de valor. Deixe seus filhos conhecerem o pai ou a mãe por si mesmos. Todos assumimos papeis diferentes na vida. O fato de não termos cumprido nosso papel no casal não significa que não podemos ser excelentes pais ou mães.

Leia também:

Falar mal de um dos pais para o filho é “crime de alienação parental”

Texto de Jennifer Delgado, traduzido e adaptado por Portal Raízes

__

Se você gostou do texto, curta, compartilhe com os amigos e não se esqueça de comentar, isso nos ajuda a continuar trazendo conteúdos incríveis para você. Siga-nos também no Instagram e Youtube.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.