Uma charge da personagem Mafalda, feita pela página Humor Inteligente, diz assim: “O planeta ficou doente porque está com a humanidade baixa”. Mafalda propõe uma reflexão acerca da falta de humanidade, ou seja, a falta de empatia e solidariedade para com o sofrimento do outro, para com as causas sociais e especialmente para com o meio ambiente. E essa ausência exacerbada de empatia ficou bastante realçada com a pandemia do novo coronavírus, que está entrando em seu segundo ano avassalador.

Dessa maneira, não é se estranhar que até mesmo o planeta Terra esteja down, que ele esteja numa espécie de ‘depressão energética’. Também pudera,  são bilhões de pessoas sofrendo com tantas mortes (mais de 2 milhões até o término desta matéria), com desemprego, a fome, o isolamento social, o aumento da violência doméstica entre mulheres e crianças, notícias falsas, informações desencontradas, discursos políticos desalinhados e, acima de tudo, o constante convívio com a desesperança.

Diante disso, vamos compreender qual é a importância de adotarmos um comportamento de esperança?

O que é esperança?

O Dr. Neel Burton, autor de um livro que escreve sobre emoções, escreve que sempre pergunta aos pacientes o que eles esperam, porque se eles disserem “nada”, isso é um sinal de depressão ou coisa pior.

De acordo com o famoso pesquisador de esperança CR Snyder, a esperança aparece no pior momento possível, quando as coisas estão terríveis e difíceis, e ela pode nos manter em movimento durante esses momentos. Se durante a dificuldade pudermos ver o tênue lampejo de algo melhor, então a esperança nos direciona para algo melhor.

Veja como isso faz todo o sentindo ao estudarmos a raiz indo-européia da palavra “Esperança”. Esperança é spe que significa expandir, aumentar, ter êxito, levar qualquer projeto adiante seja ele de ordem física ou psíquica. E pro-spere que significa prosperar, evoluir conforme o esperado, tornar-se próspero.

Então, ter esperança significa: expandir a mente para a prosperidade ativa, física e psicossocial.

Esperança não é otimismo

Esperança não é o mesmo que otimismo. Um otimista geralmente é mais esperançoso do que outros. Por outro lado, a pessoa mais pessimista que você já conheceu ainda pode ter esperança de alguma coisa. A esperança é muito específica e focada, geralmente em apenas um assunto.

Comportamento de esperança: desejo e ação

Não espere a dor passar esperando, espere vivendo da melhor maneira possível, tendo um comportamento de esperança, lutado positivamente para que o seu desejo se transforme em ação. Para que isto aconteça com maior sentido, evite a prática da positividade tóxica. Um exemplo de positividade tóxica, é: “floresça onde você está plantado”. É tóxica porque não lhe tira da zona de conforto e isso é péssimo. Na verdade, você não tem que se conformar com a situação. Não basta compreender o que está ruim, é preciso mudar o que está ruim. Então se você está num lugar onde você se sente um fracasso, estabeleça um plano e saia de lá, porque você não é uma árvore, então não está plantado.

 Onde não está a esperança?

  • – Não está no governo e tampouco na soberania de um único homem
  • – Não está nos regimes políticos
  • – Não está os órgãos mundiais que regem o planeta
  • – Não está nas instituições religiosas
  • – Não está nos debates inflamados das redes sociais…

Onde está a sua esperança?

“Se eu souber onde mora a minha esperança, terei razões para viver e razões para morrer. E a vida ficará bela mesmo no meio das lutas”, escreveu o mestre Rubem Alves, e depois nos instiga a refletir que a nossa esperança precisa estar com a multidão de pessoas que escolhem viver em harmonia umas com as outras, que são empáticas, inclusivas e tratam com respeito, e pedagogia do amor, a todos, independentemente de gênero, raça, etnia, cor, religião, sexualidade e corrente filosófica.

A importância da esperança para a saúde mental

Pesquisas indicam que a esperança pode nos ajudar a controlar o estresse e a ansiedade e a enfrentar as adversidades. Contribui para o nosso bem-estar e a nossa felicidade, e motiva ações positivas. Pessoas esperançosas acreditam que podem influenciar seus objetivos, que seus esforços podem ter um impacto positivo. Eles também são mais propensos a fazer escolhas saudáveis ​​para comer melhor ou praticar exercícios, ou fazer outras coisas que os ajudem a alcançar o que desejam. E é exatamente esse comportamento de esperança que contribui para que o corpo produza os neurotransmissores necessários para a felicidade, a empatia, a alegria e a amor.

De certa forma, ter esperança liga seu passado e presente ao futuro. Você tem uma visão do que espera que aconteça: só o fato de você vislumbrar a solução para o problema, ao invés de apenas se afundar nele, fará com que você se sinta melhor. E se for um problema que você possa controlar de alguma forma, então a esperança pode motivá-lo a tomar todas as medidas necessárias.

A importância de cultivar a esperança diariamente

A maioria das pessoas associa esperança a uma situação terrível. As pessoas esperam sair de circunstâncias difíceis. Muitas vezes é quando as pessoas têm uma esperança fervorosa! Mas a esperança também pode ser a chave para tornar a vida cotidiana melhor. É importante praticar a esperança diariamente porque ela:

Torna a situação difícil mais suportável. Ao se imaginar dentro de uma realidade futura melhor, todo o corpo, cérebro, mente reagem produzindo os neurotransmissores necessários para nossa motivação, alegria, felicidade e amor. A esperança nos ajuda a definir o que queremos em nosso futuro e é parte da autonarrativa sobre nossas vidas.

Em suma: ter esperança é importante para o próprio ato de ser um ser humano. Como escreve a Dra. Judith Rich, “A esperança é um momento de luz em um túnel escuro, apenas o suficiente para revelar o caminho à frente e, finalmente, a saída”.

Da redação de Portal Raízes. Pesquisas e organização de Clara Dawn, escritora, pesquisadora e psicanalista. Se você gostou do texto, curta, compartilhe com os amigos, e não se esqueça de comentar. Pois isto contribui para que continuemos trazendo conteúdos incríveis para você. Siga o Portal Raízes também no Facebook, Youtube e Instagram.

 

 

 

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.