Denise Abranches, primeira brasileira a participar dos testes contra a covid-19

Primeira brasileira a testar a vacina, fala da experiência

Portal Raízes

No dia 5 de junho, a Anvisa autorizou no Brasil o início da fase de testes da vacina contra a covid-19 pela Universidade de Oxford. Os teste tiveram início neste primeiro de julho e 2 mil pessoas nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro entre 18 a 55 anos participam do experimento.

De acordo com os pesquisadores brasileiro Eneida Parizotto Lee e Wen Hwa Lee, da Universidade de Oxford e Margareth Dalcomo, epidemiologista da Fiocruz, o estudo com a vacina iniciou a sua terceira fase, e os primeiros resultados estão previstos para setembro.

Primeira brasileira a testar a vacina contra a Covid-19, fala da experiência

A médica cirurgiã dentista do Hospital São Paulo, Denise Abranches falou à Edição das 10h, na Globo News, sobre a sua experiência em ser a primeira mulher a participar dos testes com a vacina contra a Covid-19, fora do Reino Unido. A médica disse que participou de uma triagem no dia 20 de junho, onde ela passou por avaliação médica para saber se estava apta para participar do teste; depois fez uma coleta de sangue para testar se ela estava contaminada com o novo coronavírus. Somente com a sorolidade negativa ela pode iniciar o teste e recebeu a vacina.

Denise contou ainda que o grupo que recebeu a vacina, foi dividido em dois: um tomou a vacina contra a Covid-19 e o outro tomou uma especie de ‘vacina de controle’ (placebo?), mas nenhum participante sabe o que tomou. Ressaltou que durante todo o processo de estudo acerca das testagem, todos serão monitorados de forma muito intensa com a equipe médica, que anotará todas as reações. Denise disse que não teve nenhuma reação ainda, que está se sentindo bem e que recebeu um diário eletrônico, onde anota como foi o seu dia, e envia para os gerenciadores da pesquisa no Brasil e no Reino Unido. Ela conclui, dizendo que o estudo terá duração de um ano. Período este que continuará sendo monitorada e fará cinco visitas clínicas ao Centro de Referência, coordenado pela pesquisadora Eneida Parizotto Lee, onde fará exames de sorologia.

Quando surgirão as primeiras respostas?

De acordo com Eneida Parizotto Lee e Wen Hwa Lee, da Universidade de Oxford, os resultados dos primeiros ensaios devem aparecer conforme o grupo testado for naturalmente exposto ao vírus. Metade deve receber a vacina, a outra metade um placebo. Os primeiros resultados concretos só serão considerados quando os pesquisadores tiverem um número mínimo de casos da Covid-19 entre o grupo imunizado.

Segundo a epidemiologista Margarth Dalcomo, a produção da vacina em larga escala no país vai depender de acordos de transferência de tecnologia. Os Estados Unidos e Reino Unido já fecharam um acordo com a AztraZeneca. Já o Instituto Serum deve produzir 1 bilhão de doses para a Índia, que deve distribuir entre países de baixa renda.

“No governo do Reino Unido, o que sabemos é que, se tudo der certo, a primeira leva de vacina para população vulnerável estará disponível até o fim do ano”, prevê o pesquisador brasileiro Wen Hwa Lee.

* Segundo os pesquisadores, alertam que previsões não refletem necessariamente o mesmo posicionamento da Universidade de Oxford

Editado pela redação do Portal Raízes. Se você gostou do texto, curta, compartilhe com os amigos, e não se esqueça de comentar, isso nos ajuda a continuar trazendo conteúdos incríveis para você. Siga o Portal Raízes também no Youtube e no Instagram

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.