Qual destas telas famosas prefere? Veja o que a escolha diz sobre você

Portal Raízes

A história da humanidade, do mundo e de tudo mais, é contata verdadeiramente por intermédio das artes: a música, a crônica, a poesia, as artes plásticas, as visuais e etc. O artista, seja qual for, é um contador de histórias, é provador de espanto e de beleza. Uma ponte entre a realidade, a epifania, a política, a psique, os seres, a vida e a morte. A arte dá voz ás coisas que não podem ser ditas sem causar alardes. A arte cura. Pois ela nos transporta para um lugar onde não há dores. Pensando nisso, nós do Portal Raízes, selecionamos 4 grandes obras famosas para este teste, que embora seja voltado ao entretenimento, revela o que cada obra representa em termos de significados e significantes do inconsciente humano.

Ficamos muito impressionados com essa analise. É incrível o que uma simples escolha pode revelar sobre o nosso inconsciente. Confira:

1 – Figura na Janela – Salvador DalíFigura na Janela, tela de Salvador Dalí, centraliza Ana María Dalí, sua irmã, de costas debruçada no parapeito de uma janela aberta, mirando o ribeirão de Cadaqués. Em Figura na Janela, tudo induz movimento: as diminutas ondas no ribeirão, os vincos nas cortinas, os contornos no vestido, o encaracolado dos cabelos, até a toalha branca largada no peitoril. Adiante, um povoado, que mesmo longe, se reflete no vidro da janela. Há ainda, um barquinho à vela que não se sabe se está indo ou vindo. Tudo ali parece ter traços de saudade.

Analisando – A tela representa acima de tudo a leitura de mundo, feita por alguém apenas por seus próprios e limitados horizontes, como se fosse um expectador da própria vida, sem, entretanto, protagonizá-la.  Se você escolheu a Figura na Janela, de Salvador Dali, é possível que você esteja passando um momento de descredito de si mesmo, descredito do mundo, das pessoas, do futuro. Você pode estar se sentindo não pertencer ao meio, deseja partir, mas o pés estão arraigados ás obrigações para com os outros. Você está se sentindo como alguém que observa a própria existência como um condenado, não á morte, mas á vida, sem ter a mínima noção do que isso significa. Se assim, é. Ressignifique. Descubra quem você é, e se torne quem você é custe o que custar, pois você só descobrirá aquilo que quer, quando descobrir quem você é.

2 – Doze Girassóis Num Jarro – Vincent van GoghOs Doze Girassóis Num Jarro é uma pintura do holandês Vincent van Gogh, finalizado em 1888. Doze girassóis num jarro – ou seria – Doze meses num ano? O mundo psíquico de Van Gogh era tão rico em matizes como as cores de seus quadros.

A predileção de Van Gogh pelos girassóis reflete bastante o seu estado de espírito. Os girassóis são flores que não tem espinhos, mas também não tem perfume. São dependentes de luz. E é na presença sob a luz intensa do sol que elas se mostram mais vigorosas e belas. Entretanto, na ausência da luz, elas se fecham e debruçam sobre si mesmas, como se deitassem em posição fetal. Outrossim, alguns girassóis se viram para outros, como se a luz que buscasse pudesse ser encontrada em outro. Os girassóis são flores ímpares que num instante vivenciam momentos de vida e de morte, de euforia e de depressão, nessa esfera inconstante da existência que é a sincronia entre a luz e a escuridão.

Analisando – Se você escolheu Os Doze Girassóis Num Jarro, de Van Gogh, é possível que você tenha lá os seus escuros interiores; é possível que você se preocupe demasiadamente com o que vai colocar na bagagem quando tudo o que você deseja é se ver livre dela. Você deseja extasiar com algo que tenha um sentido real, que o transporte para além das intermináveis encruzilhadas que você vivencia quando perde a sua direção. Ás vezes você busca, espera, e até exige, demasiadamente do outro, o que você oferece ao outro, mas o outro não pode lhe oferecer, exatamente porque o outro também tem lá os seus escuros. Você precisa encontrar um meio – dentro de si – forte o bastante para alimentar mais a luz do que a escuridão. Embora uma não possa existir sem a outra. Equilibre-se.

3 – Tomorrow Forever, 1963 – Margaret KeaneMargaret D. H. Keane, nascida Peggy Doris Hawkins (nascida em 1927 em Nashville, Tennessee) é uma artista americana conhecida por suas pinturas de mulheres, crianças e animais de olhos grandes. Ficou conhecida com o filme Olhos Grandes de Tim Burton, que trouxe à lume a desdita história da artista que teve o seu talento usurpado pelo próprio marido, que vendia suas obras como se fossem dele.

A tela Tomorrow Forever, (amanhã para sempre, em tradução livre) é certamente uma obra para se passar horas olhando para ela e tentando compreender o que a artista quis nos revelar. Em parte, a tela mostra crianças de todo o mundo, com seus olhos espantados diante da existência, seguindo por uma estrada, atravessando uma espécie de ponte que não se chega a lugar algum. A obra expõe a dor de existir, pela perspectiva do psiquismo da infância. Note que nenhuma criança parece feliz, embora a ‘felicidade’ seja uma característica da infância, mesmo quando se tem uma infância infeliz.

Analisando – Se você escolheu Tomorrow Forever, é possível que esteja vivenciando dias de grandes desilusões, de desesperança, de assombro diante da imensidão dos problemas. É possível que você precise urgentemente resgatar aquela criança interior que brincava numa poça de lama como quem navega num oceano. A criança é naturalmente feliz, encantada e vibrante. São os adultos com suas escolhas errantes que traz o espanto aos olhos da criança. Assim, não deixe a sua criança vivaz sozinha na estrada, não deixe-a atravessar a ponte sem os seus cuidados. Alimente a sua criança interior: se ame, se mime, se proteja, se abrace, se alimente, se trate física, mental, emocional e espiritualmente.

4 – Guernica, de Pablo PicassoA Guernica de Pablo Picasso, uma das telas mais notáveis do século XX, representa um marco contra a barbárie, é um manifesto pela humanidade, e em favor da vida. Picasso se inspirou no bombardeamento da cidade Guernica no dia 26 de abril de 1937, nesse dia, aviões alemães da Legião Condor destruíram quase completamente a cidade espanhola, por isso, Guernica está ligada a um clamor de justiça.

A explosão de luz de Guernica, deixa tudo às escuras e nos impele a uma momentânea suspensão de temor. Pois, a experiência com a luz é tão concreta como a experiência com a realidade. O medo e a dor, a raiva e o desespero, são as emoções dominantes. O cavalo ferido que agoniza é a personificação de um desespero vivenciado por aqueles que perderam a esperança. Ao touro é dada uma raiva contida, entretanto, produtiva quando se mostra o protetor daquela mãe apavorada com o filho ao colo.

Analisando – Se você escolheu a Guernica de Picasso, certamente você é uma pessoa que se interessa em compreender os escuros do mundo; é um humanista de alma contrita e que sofre com as injustiças sociais; é alguém que embora seja realista, jamais se permite afastar da positividade, das boas energias e do encontro com o seu Poder Superior.

As análises das escolhas a partir das obras, foram feitas pela psicanalista Clara Dawn, especialmente para o Portal Raízes.

_

Se você gostou do texto, curta, compartilhe com os amigos, e não se esqueça de comentar, isso nos ajuda a continuar trazendo conteúdos incríveis para você. Siga o Portal Raízes também no Youtube e no Instagram

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.