Revolução Grisalha: a moda agora é ser do jeito que você quiser

Portal Raízes

Os cabelos brancos estão na tendência das mulheres livres da pós-modernidade e cada vez mais mulheres optam por deixar de pintar as madeixas para assumir uma cabeleira prateada, livrando-se da escravidão das convenções estéticas baseadas no culto à eterna juventude. Mas, por favor, mulheres, não quebrem um paradigma e construa outro, do tipo: ah, mas cabelo branco só combina com quem é estilosa; para ficar com o cabelo branco tem abusar dos acessórios e da maquiagem… Nada disso, a moda genuína é aquela que te liberta. Que faz com que você se sinta à vontade, confortável e, dane-se, o que pensa os demais. Só você sabe quantos cingidos há nos seus vestidos, quantos calos há nos seus pés.

Liberte-se, mulher! Se você precisa passar horas num salão, horas sob o sol, horas na academia para receber atenção do seu objeto de desejo, se só assim ele demonstra interesse por você, ora, que tortura!, livre-se dessa criatura, sabendo de antemão que o que mais importa nesta vida é sentir-se em paz consigo mesma. Como escreveu Florbela Espanca:  Não há homem, por melhor que seja, que valha um fanatismo.

Abaixo algumas famosas que optaram pela revolução grisalha:

A tendência de assumir o cabelo branco chegou à Europa vinda dos Estados Unidos e se popularizou há alguns anos: mulheres de 30, 40, ou mais anos, expressaram em sites como “Revolution Gray” (Revolução Grisalha) o fato de estarem fartas de se submeter a pinturas regulares e sofrer com os produtos químicos.

Escritora e jornalista especializada em moda, Sophie Fontanel decidiu há dois anos dar adeus à tintura e deixar seu cabelo ficar naturalmente branco. Para ela, trata-se, antes de mais nada, de uma questão estética. Ela reivindica o lado militante de sua opção e, por isso, resolveu converter a própria experiência em algo interativo, ao postar regularmente fotos dos vários estágios de crescimento de seus cabelos brancos.

“Sabia que geraria interesse, mas não a tal ponto! Recebo uma grande quantidade de mensagens em privado que me dizem: ‘olha, também fiz isso’. E me dou conta de que inspirei muitas outras mulheres”, comemora.

Os cabelos brancos estão na moda e cada vez mais mulheres optam por deixar de pintar as madeixas para assumir uma cabeleira prateada, livrando-se da escravidão das convenções estéticas baseadas no culto à eterna juventude.

Na moda, alguns nomes abriram caminho. A americana Kristen McMenamy, modelo dos anos 1990 conhecida por seu estilo andrógino, resolveu assumir os cabelos grisalhos aos 40 anos. Também conquistou estrelas como Lady Gaga e Rihanna, que pintaram seus cabelos com esse tom.

Atriz Salma Hayek exibindo os fios brancos no Oscar 2018

“Para as mulheres, os cabelos brancos sempre foram malvistos do ponto de vista estético, já que eram exclusivamente associados à decadência física. Junto com o prolongamento da expectativa de vida e com a afirmação progressiva das mulheres em todas as profissões e nos meios de comunicação, as coisas mudaram: um sinal de envelhecimento se converte em uma opção estética como outra qualquer”, comenta o sociólogo Frédéric Godart.

Maye Musk trabalha como modelo há cinco décadas, também assumiu os cabelos brancos.

Mesmo assim, os cabelos brancos das mulheres ainda não são valorizados como no caso dos homens, “percebidos de maneira positiva, por exemplo, como um sinal de sabedoria”, ressalta o sociólogo.

Escritora Tatiana de Rosnay, diz que sofreu várias críticas quando resolveu assumir os fios brancos

E a pressão social continua sendo muito forte: a escritora Tatiana de Rosnay contou à Paris Match, em 2016, que foi vítima de deboches quando deixou de pintar o cabelo.

E você, deixa/deixaria as pinturas de lado para assumir os fios brancos?

Fonte indicada: Coruja Professor

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.