Preciso de alguém para ficar ao meu lado em silêncio

Portal Raízes

Penso que temos uma latente vontade de criarmos uma máquina com inteligência e sentimentos racionais, mas dotada de subserviência, como são os nossos adoráveis cães domésticos. Todavia, cães não podem nos auxiliar em tarefas diárias e, mais que auxiliar, não podem fazer todo o serviço por nós em troca apenas de comida e um afago na barriga. A gente ainda sonha em ter um robozinho daqueles do tipo ciborgues. Não é mesmo? Por isso os filmes investem nessa ilusão: como em AI, O Homem Bicentenário, Eu Robô e muitos outros.

Mas e se isso fosse possível? (Talvez um dia seja. A ciência é boa em tornar o impossível possível). A animação abaixo é uma das mais emocionantes que já assisti. Nos revela que tudo que almejamos é ter alguém que nos faça companhia, que saiba do que mais gostamos e precisamos. Alguém que comungue conosco de nossos indeléveis momentos de solidão planejada. Que compartilhe do silêncio sem que isso seja desconfortável. Alguém assim… com coração e alma.  Assista e se apaixone:

“Quando o homem criar um robô com inteligência e vontade própria,  o homem não precisará mais de Deus. E nem o robô  do homem”.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.