Síndrome de Madame Bovary: quando nada nos faz feliz

Portal Raízes

Às vezes a vida fica distorcida. Às vezes a realidade simplesmente não nos agrada ou não corresponde às nossas expectativas. Portanto, temos duas opções: praticamos aceitação radical ou nos tornamos especialistas em escapismo.

Geralmente apostamos mais na segunda opção do que na primeira. Em parte porque queremos continuar a manter nossas esperanças e em parte porque muitas vezes é muito difícil aceitar a realidade. No entanto, devemos ter cuidado, porque poderíamos desenvolver o que é conhecido na psicologia como Bovarismo ou Síndrome de Madame Bovary.

O que é o bovarismo?

Bovarismo leva o nome de Madame Bovary, a personagem de Gustave Flaubert que tinha a tendência de negar a realidade e escapar dela em seus devaneios, vendo a si mesma como heroína e fazendo ouvidos surdos a tudo que acontecia ao seu redor, esforçando-se para alcançar objetivos impossíveis.

Madame Bovary tinha idéias preconcebidas sobre casamento e vida social que não correspondiam ao que acontecia em sua vida real, que ela considerava comum, monótona e chata. Por essa razão, ele começa a fantasiar sobre uma vida idílica, afastando-se cada vez mais da realidade. Como resultado, ela estava acumulando mais e mais insatisfação.

Essa personagem chamou a atenção do filósofo francês Jules de Gaultier, que cunhou o termo bovarismo para se referir a pessoas que vivem em um estado de insatisfação emocional crônica, porque insistem em negar a realidade.

Sintomas mais comuns:

1. Expectativas irreais

Expectativas são hipóteses que projetamos sobre como o mundo deveria ser. No entanto, às vezes esquecemos que são meras suposições e as assumimos como fatos. Portanto, nos sentimos desapontados quando a realidade não atende às nossas expectativas. O problema é ainda pior quando alimentamos expectativas irrealistas; isto é, quando a distância entre o que esperamos acontecer e a realidade é muito grande. Pessoas com a Síndrome de Madame Bovary acumulam muitas expectativas irreais que surgem de sua imaginação, elas são uma projeção do mundo que elas gostariam, desconectadas do mundo real.

2. Metas impossíveis

Quem sofre bovarismo também costuma considerar metas impossíveis de cumprir. Sua incapacidade de viver na realidade leva-o a aspirar a coisas que não estão ao seu alcance. O problema é que, ao não tomar nota do que está acontecendo ao seu redor, a pessoa não estabelece planos concretos para realizar seus objetivos, mas se limita a construir castelos no ar sem levar em conta os recursos disponíveis para ele. Na verdade, essa pessoa define objetivos impossíveis precisamente para não ter que persegui-los, por isso é comum “apaixonar-se” por aqueles que não podem retribuir ou sonhar com um estilo de vida muito além de suas possibilidades reais.

3. Viés de confirmação

As pessoas com Síndrome de Madame Bovary também tendem a ser vítimas de um viés de confirmação, o que significa que elas só tiram da realidade as peças que se ajustam às suas expectativas e visão distorcida. Elas se fazem cegas aos sinais que indicam que estão se desviando e não percebem até atingirem a parede da realidade. Na prática, essas pessoas só vêem o que querem ver e interpretam o que acontece de uma maneira que se adapte à sua visão de mundo. Isso os leva a viver em um mundo fictício, que mais cedo ou mais tarde acaba desaparecendo.

4. Negação como estratégia de enfrentamento

Todos nós enfrentamos problemas e conflitos na vida. Nesse momento podemos implementar diferentes estratégias de enfrentamento. Pessoas com a Síndrome de Madame Bovary apostam na negação como estratégia de enfrentamento. Elas fecham os olhos para a realidade, culpam os outros e negam sua responsabilidade ou até os próprios fatos. Essas pessoas são verdadeiras mestres do “escapismo”, evadem a realidade porque não gostam e preferem continuar vivendo em seu mundo de sonhos. O problema é que, a longo prazo, não enfrentar a realidade tende a levar a problemas ainda maiores, já que a pessoa colocará em prática comportamentos desadaptativos que não lhe permitem resolver conflitos.

5. Imagem irrealista do “eu”

No final, a Síndrome de Madame Bovary implica uma falta de autoconhecimento. Muitas vezes essas pessoas têm uma imagem de si mesmas idealizadas ou glorificadas, não reconhecem suas fraquezas ou limitações, mas acham que merecem tudo. Também é comum exagerar nos conflitos, assumindo-os como tragédias e reagindo com comportamentos que fazem fronteira com a paranoia porque acreditam que os outros querem prejudicá-los.

Como resultado da negação da realidade, metas impossíveis e expectativas frustradas, quem sofre de bovarismo acaba por desenvolver uma insatisfação crônica. De fato, não é incomum que essas pessoas pensem em suicídio, assim como a protagonista de Flaubert.

Como sair das redes do bovarismo?

Qualquer um pode ser uma vítima do bovarismo. Se você passa por um momento ruim, as coisas dão errado e você se sente sobrecarregado emocionalmente, é tentador escapar da realidade e começar a culpar os outros, construindo castelos nas nuvens onde você se sente mais à vontade. De fato, a Síndrome de Madame Bovary é ativada quando queremos evitar uma situação social ou sentimental que consideramos insatisfatória. No entanto, o bovarismo é uma armadilha mortal que você tende a si mesmo e só leva a um resultado: insatisfação perpétua.

O primeiro passo para sair desse círculo vicioso é perceber que você tem dificuldade em lidar com a realidade, porque espera que as coisas aconteçam como você gostaria e, quando não é, você evade.

O segundo passo é praticar a aceitação radical. Aceitar o que acontece não significa renunciar, mas você não pode mudar a realidade se primeiro não tomar nota dela. Apresentar metas mais objetivas, que você pode alcançar com o seu esforço, ajudará você a se fortalecer, a crescer e a melhorar gradualmente. Evitar a realidade e construir castelos nas nuvens pode ter sérias consequências a longo prazo.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Portal Raízes
Portal Raízes Jornalismo Cultural

COMENTÁRIOS